Um olhar sobre a construção das identidades femininas: os “causos” de assombração em Caldas, Minas Gerais

Marcelo Elias Bernardes, Sabrina Melo Del Sarto

Resumo


A proposta deste artigo assenta-se em uma análise da formação social da mulher caldense sob o prisma das narrativas de assombração, prática difundida do município mineiro de Caldas e que também se configura como uma crença religiosa popular. Ao adentrarmos na dimensão das práticas e representações coletivas, observamos a construção da mulher enquanto uma idealização edificada sobre preceitos religiosos e que possui um discurso capaz de fornecer elementos que naturalizam uma concepção subordinada, que atuam sobre seu corpo e reprimem suas vontades. Nesse sentido, a primeira parte deste trabalho procura elucidar estes contos populares e os comportamentos considerados desviantes, observados a partir da noção de pecado e protagonizados por mulheres que transgrediram  as normas sociais sendo consideradas assombrações que vagam no mundo dos vivos. Na segunda parte, por meio das narrativas de assombração,  procuramos evidenciar alguns aspectos das cotidianidades de nossas narradoras. A metodologia utilizada é a história oral combinada com a observação participante, essenciais para o desenvolvimento das pesquisas de campo, uma vez que a crença na existência das assombrações permeia as relações sociais e se debruça exclusivamente sobre a tradição oral.

Palavras-chave


Tradição. Religiosidade. Cotidiano.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Memória do Sagrado: estudos de religião e ritual. São Paulo: Ed. Paulinas, 1985.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Os deuses do Povo: um estudo sobre a religião popular. São Paulo: Brasiliense, 1980.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução, Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CANDIDO, Antonio. Parceiros do Rio Bonito. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

COMAROFF, J; COMAROFF, J. “Etnografia e imaginação histórica. PROA - Revista de Antropologia e Arte [on-line], ano 02, vol. 01, n. 02, nov. 2010: 1-72.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História Oral e narrativa: tempo, memória e identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FRASER, Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Revista Estudos Feministas, v. 15, n. 2, p. 291-308, 2007.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas, Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989.

GINZBURG, Carlo. Os andarilhos do bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

MATOS, Marlise. Movimento e Teoria Feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global? Social Político, v.18, n. 36, p. 67-92, 2010.

MATOS, Raimundo José da Cunha. Corografia histórica da Província de Minas Gerais (1837). Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1981.

MOHANTY, C. T. 1984. Under Westerns Eyes:Feminist Scholarship and Colonial Discourses. Boundary 2, Durham, v. 12, n. 3, p. 333-358.

MOTT, Luiz. Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu. In: NOVAIS, Fernando (coord.). História da vida privada no Brasil. Vol. 1. Cotidiano e vida na América Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

ORTNER, Sherry. Poder e Projeto: Reflexões sobre Agência. In: Grossi, M.; Eckert, C; Fry, P. Conferências e Diálogos: Saberes e Práticas Antropológicas. Blumenau: Editora Nova Letra, 2006. P. 45-80.

PIERRE SANCHIS, J.F. As tramas sincréticas da história. Sincretismo e modernidades no espaço luso-brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28, p.123-138, 1995.

PIMENTA, Reynaldo. O povoamento do planalto da Pedra Branca – Caldas e região São Paulo: Rumograf, 1998. Obra póstuma.

PISCITELLI, Adriana. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (org). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos didáticos, n. 48, p. 7-42, 2002.

POLLACK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, n.5, v.10, p 200-212, 1992.

PORTELLI, Alessandro. Tentando aprender um poquinho. Algumas reflexões sobre História Oral. In: Proj. São Paulo, n. 15, p. 13-49, 1999.

PORTO, Liliana. A ameaça do outro: magia e religiosidade no Vale do Jequitinhonha (MG). São Paulo: Attar, 2007.

SÁEZ, Oscar Calavia. Fantasmas Falados: mitos e mortos no campo religioso brasileiro. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

SCOTT, Joan. História da Mulheres. In: A escrita da história. Novas Perspectivas. São Paulo, Ed da Unesp, 1992, p. 62-95.

SIRINELLI, Jean-François. A geração. In: FERREIRA, Marieta de Moraes. AMADO, Janaína. Usos e abusos da História Oral. 5.ed. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2002.




DOI: https://doi.org/10.30612/mvt.v6i10.10578

ISSN Eletrônico: 2358-9205

 

Indexadores:

 

          

   

 

    

 

oasisbr

   

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.