O perfil do motorista de aplicativo no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.14406

Palavras-chave:

Trabalho por aplicativo, Uber, Sociologia do Trabalho, Economia Política.

Resumo

O presente artigo relata dados da pesquisa monográfica para um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para graduação em Sociologia. O tema da pesquisa foi sobre as representações da atividade por aplicativo para os trabalhadores brasileiros e o recorte parcial para a elaboração do presente artigo se refere aos dados da primeira parte do questionário dedicada à descrição do perfil desses trabalhadores. A investigação para descrição do perfil teve o propósito de contribuir com informações empíricas originais que permitam desenvolvimentos nos estudos sociológicos sobre os trabalhadores que estão exercendo essa nova modalidade de trabalho. O objetivo deste texto é apresentar os resultados quantitativos obtidos sobre o perfil dos trabalhadores e relatar breves análises considerando as características em variáveis como gênero, idade, raça, região, estado civil, entre outras. As respostas permitem observar relações entre a atividade por aplicativo e esses trabalhadores, revelando uma população composta majoritariamente por indivíduos provedores de suas famílias que atuam em uma atividade cuja lógica flexível é baseada em incertezas e ausência de proteção social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Bessa, Universidade Federal Fluminense - UFF

Graduanda em Sociologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Editora-adjunta da Revista Ensaios (Publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) e das graduações em Ciências Sociais e Sociologia da UFF), pesquisadora e integrante da linha de pesquisa -Cinema e ditadura em plataforma virtual-, vinculada ao grupo de pesquisa certificado no CNPq: -Subjetividade, Memória e Violência do Estado- da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

ABILIO, L. C. (2019). Uberização: Do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, 18(3). Disponível em . Acessado em 25/05/2021.

BESSA, Ana Cláudia. Chama o Uber: as representações do trabalho por aplicativo para os/as trabalhadores/ as brasileiros/as. TCC (Trabalho de Conclusão de Curso em sociologia) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense. Ana Cláudia Bessa; Cristiano Fonseca Monteiro, orientador; Carolina Castellitti, coorientadora. Niterói, 2020. 90 f.

BEZERRA, Lina Elisabeth Rodrigues. O TRABALHO DO MOTORISTA DE UBER – UMA ALTERNATIVA AO DESEMPREGO ?. Revista Visão: Gestão Organizacional, Caçador, SC, Brasil, p. 01- 17, jul. 2019. ISSN 2238-9636. Disponível em: . Acessado em 23/02/2020.

DARDOT, Pierre & LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal.; tradução Mariana Echalat. - 1. ed. - São Paulo: Boitempo, 2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª edição. São Paulo: Atlas, 2008. Universidade Federal da Grande Dourados 42 Revista Movimentação, Dourados, MS, V.8, nº.14, jan./jun. 2021 - ISSN 2358-9205

MCM TEODORO, TC D’AFONSECA, M Antonieta. Disrupção, economia compartilhada e o fenômeno Uber – Revista Faculdade Mineira de Direito, Belo Horizonte, 2017. MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política. Livro I – O processo de produção do capital. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015.

POLANYI, Karl. A grande transformação.2ª ed. Tradução: Fanny Wrabel. Rio de Janeiro: Compus, 2000.

SENNETT, Richard. A Corrosão do Caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Tradução: Marcus Santarrita. 14ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2009.

VARGAS, Francisco Eduardo Beckenkamp. O mercado de trabalho e a questão do emprego no Brasil: integração precária e desenvolvimento desigual.Revista Brasileira de Sociologia / Sociedade Brasileira de Sociologia - SBS. – Vol. 02, n. 04 (jul./dez. 2014). Sergipe: SBS, 2013.

ZUKERFELD, Mariano. Bits, plataformas y autómatas. Las tendencias del trabajo en el capitalismo informacional. Revista Latinoamericana de antropología del Trabajo, num 7 (2020):

Recursos em meio eletrônico:

CRELIER, Cristiane. Número de pessoas que trabalham em veículos cresce 29,2%, maior alta da série. Agência IBGE Notícias. Estatísticas Sociais: 2019. Disponível em . Acessado em 25/04/2020.

EQUIPE UBER.Em quais cidades a Uber está no Brasil. Uber. Disponível em . Acesso em 09/04/2020.

EQUIPE UBER. Fatos e Dados sobre a Uber. Uber. Disponível em . Acessado em 09/04/2020.

EQUIPE UBER. Uber lança programa “Elas na Direção” para incentivar mais mulheres a gerar renda dirigindo com o app. 24/10/2019. Disponível em . Acessado em 12/10/2020. Facebook. Disponível em. Acesso em 20/10/19.

FONTES, Virgínia. In: Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho (06/11/2018). Disponível em . Acessado em 27/06/2020.

GOOGLE FORMS. Disponível em . Acesso em 04/01/2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em https:// www.ibge.gov.br/ . Acessado em 02/05/2020.

PNAD 2018. Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil. IBGE. Disponível em . Acessado em 10/06/2020. Universidade Federal da Grande Dourados Revista Movimentação, Dourados, MS, V.8, nº.14, jan./jun. 2021 - ISSN 2358-9205 43

REDAÇÃO. Desemprego dispara 38% em 2015 e é o pior em 11 anos, diz IBGE. Portal UOL. Disponível em .Acessado em 02/05/2020.

Registro Civil 2019. IBGE. Disponível em. Acessado em 22/03/2021.

SCHUELER, Paulo. O que é uma pandemia. Fiocruz. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em . Acesso em 19/05/2021.

UBERIZAÇÃO da Vida: Na Fila do SUS (2020). 15 min. Direção: Elle Francisco. Produção: Bombozilla. Disponível em . Acessado em 04/06/2020. UBER. Disponível em: . Acesso em janeiro de 2020. Fatos e dados sobre Uber. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. de 2020.

Downloads

Publicado

02/08/2021

Como Citar

Bessa, A. C. (2021). O perfil do motorista de aplicativo no Brasil. MovimentAção, 8(14), 24–43. https://doi.org/10.30612/mvt.v8i14.14406

Edição

Seção

Dossiê: As fronteiras do trabalho em tempos de crise