Análise do modelo didático de licenciados em Matemática da Secretária Regional de Educação (SRE) da Rede Estadual de Minas

Ronan Gonçalves Bezerra, Douglas da Silva Tinti

Resumo


O presente artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que teve por objetivo identificar o Modelo Didático (GARCÍA PÉREZ, 2000) de docentes recém-formados em Matemática a partir da análise do Grau de Hibridismo (GH) e do Grau de Coerência (GC). Para tanto, optamos por fazer um recorte considerando vinte (20) docentes recém-formados que atuam em instituições de ensino público da Rede Estadual de Minas Gerais. Os dados foram coletados a partir de um questionário proposto por Santos Jr. (2009) e os parâmetros construídos por Ayres-Pereira (2013). Em relação ao GH, os resultados indicam que os modelos didáticos da maioria dos docentes participantes da pesquisa são extremamente híbridos, com o GH maior que 2,0. Já em relação ao GC foi possível verificar que este grau é extremamente baixo. Concluímos que a análise de tais resultados pode subsidiar as redes de ensino na proposição de ações de formação continuada com vistas a melhoria dos processos de ensino e de aprendizagem.

Palavras-chave


Modelo Didático. Formação de professores. Licenciatura em Matemática. Formação continuada.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. A produção acadêmica sobre formação docente: um estudo comparativo das dissertações e teses dos anos 1990 e 2000. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-56, ago./dez. 2009.

AGNE, L. S. e Harres, J.S. Modelos didáticos e concepções de ensino de matemática. Revista THEMA, 2015. Ed. 12(01). p.75.

ARAÚJO, A.P. Formação do professor de matemática: realidade e tendências. São Paulo, 1990. 201p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação da USP, São Paulo: 1991.

AYRES-PEREIRA, Terezinha Iolanda. Transformações Químicas: Visões e práticas de Professores de Ciências. 2006, 216p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Química). Programa de Pós-graduação Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. União dos Dirigentes Municipais de Educação. Conselho Nacional de Secretários de Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999.

BEZERRA, R. G.; TINTI, D. S. Análise do Modelo Didático de estudantes de licenciatura em matemática EAD e proposta para o processo formativo. Revista @mbienteeducação. Universidade Cidade de São Paulo. Vol. 10 - nº 1, jan./jun., p. 63-73, 2017.

CRESCENTI, E.P. A formação inicial de professores de matemática aprendizagem da geometria e atuação docente. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v.3, n.1, p.81-94, 2008.

FIORENTINI, D. et al. Formação de professores que ensinam matemática: um balanço de 25 anos de pesquisa brasileira. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.36, p.137-159, 2002. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/edur/n36/n36a09.pdf. Acesso em: 29 de set,2018.

FURIO, C. (1994), “Tendencias actuales en la formación del profesorado de ciencias”, Enseñanza de las Ciencias, n.º 12 (2), pp. 188-199.

FURIÓ, C.; CARNICER, J. El desarollo profesional del profesor de ciencias mediante tutorías de grupos cooperativos: estudio de ocho casos. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 20, n. 1, p. 47-73, 2002.

GARCÍA PÉREZ, F. F. Los modelos didácticos como instrumento de análisis y de intervención en la realidad educativa. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, n. 207, p. 21-34, 2000.

GARCIA, J.E E PORLÁN, R., Ensino de ciências e prática docente: uma teoria do conhecimento profissional. Caderno pedagógico, Univates, número 3, p. 7-42, 2000.

GIL-Pérez, D; Carvalho, Anna M.P. Formação de professores de Ciências: Tendências e inovações. São Paulo, Editora Cortez,1995.

MANRIQUE, A. L. Licenciatura em Matemática: formação para a docência x formação específica. Educ. Matem. Pesqui., São Paulo, v.11, n.33, p. 515-534, 2009.

MELLADO, V. J. Cambio didáctico del profesorado de ciencias experimentales y filosofia de la ciencia. Ensenãnza de las Ciencias, Barcelona, v. 21, n. 3, p. 343-358, 2003.

MANRIQUE, A. L. Licenciatura em Matemática: formação para a docência x formação específica. Educ. Matem. Pesqui., São Paulo, v.11, n.33, pp.515-534,2009.

MIGUEL, J.C. O ensino de matemática na perspectiva da formação de conceitos implicação teórico- Metodológico. In: 26ª Reunião da ANPED. Anais ..., Poços de Caldas, 2015.

MIZUKAMI, M. D. G. N. et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

NOVAIS, R. M., SIQUEIRA, C. T. e MARCONDES, Maria Eunice R. Modelos Didáticos: um referencial para reflexão sobre as crenças didáticas de professores. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 8. 2011, Campinas. Ata do VIII ENPEC. Campinas: ENPEC, 2011.

PEME-ARANEGA, C. Hacia la búsqueda de algunos fundamentos de decisiones educativas e investigastivas en didáctica de lãs ciências: um aporte a la reflexión de los docentes de Biologia. Revista de Educacíon en Biologia, volume 2, número 1, 10-19, 1999.

PEME-ARANEGA, C. Utilización Del Inventari de Creencias Didácticas y Epistemológicas (ICDE) em la diferenciación de problaciones de docentes de ciências de nivel médio, de la ciudad de Córdoba. Comparación com um grupo de docentes de Biologia, Revista de Enseñanza de la Física, volume 2, número 1, 15-24, 2001.

PONTE, J. P. A formação matemática do professor: uma agenda com questões para reflexão e investigação. In: XII Encontro de Educação Matemática – SPCE. Anais ... Évora, 18 a 20 de maio de 2003.

PORLÁN, R., A. RIVERO Y R. MARTÍN “Conocimiento profesional y epistemología de los profesores-I: teoría, métodos e instrumentos”, Enseñanza de las Ciencias, volume 15, número 2, 155-171, 1997.

RAYMUNDO, G.M.C. O estágio supervisionado: lócus formativos para acadêmicos que atuam como professores de educação básica. In: Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 10., 2014, Florianópolis. Anais ... Florianópolis: UDESC, 2014. Disponível em:http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/1112-0.pdf. Acesso em: 29 de set, 2018.

RICHIT, Adriana. Apropriação do conhecimento pedagógico-tecnológico em matemática e a formação continuada de professores. 2010. 278 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2010.

SANTOS Jr., João B. Colaboração Mediada como Ferramenta na Reestruturação do Sistema de Crenças Pedagógicas sobre Ensino e Aprendizagem do Professor de Química. 2009, 192p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Química). Programa de Pós-graduação Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2009.

SANTOS Jr., João B. e MARCONDES, Maria Eunice R. Identificando os modelos didáticos de um grupo de professores de Química. In: Encontro Nacional de Ensino De Química, 15, 2008. Anais ... XV Encontro Nacional de Ensino de Química, 2008.

SCHNETZLER, R. P. Prática de ensino nas ciências naturais: desafios atuais e contribuições de pesquisa. In: ROSA, D. E. G; SOUZA, V. C. Didáticas e práticas de ensino: interfaces com diferentes saberes e lugares formativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 205-222.

TELES, Francisco Afrânio Rodrigues; LIMA, Maria da Glória Soares Barbosa. Formação docente na escola: perspectiva para práticas pedagógicas crítico-reflexivas no ensino médio. In: IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo; CARVALHO, Maria Vilani Cosme de. (Org.). A pesquisa como mediação de práticas socioeducativas. Teresina: EDUFPI, 2007, v. 2. p. 131-141.

ZULATO, Rúbia Barcelos Amaral. A natureza da aprendizagem matemática em um ambiente online de formação continuada de professores. 2007 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2007.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v6i12.9541

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.