Formação docente e a educação inclusiva: uma reflexão sobre o ensino com estudante surdo e a prática docente

Nelson Dias

Resumo


Este artigo traz uma reflexão sobre a formação e prática docente em relação ao ensino com estudantes surdos. O objetivo deste trabalho é discutir sobre a diferença linguística desses estudantes frente à formação e prática docente. Nas discussões trouxemos a relação da legislação na inclusão da disciplina de libras nos cursos de formações, sobre as pesquisas nos ambientes universitários e o distanciamento destas no ambiente escolar. Discutimos a relação da oralidade que ainda se impõe no processo de ensino e aprendizagem dos estudantes surdos nas escolas e sobre a dificuldade na diferenciação dos papéis de intérprete e professor regente. Sobre o aspecto teoria e prática percebemos que esses dois fatores não são dissociados e que a formação de professores precisa estar vinculado em uma dimensão experiencial para dar significação no processo ensino e aprendizagem. Concluímos que ainda os estudos sobre formação docente com ênfase nos estudos da surdez é muito incipiente e que é necessário ampliar as discussões sobre formação e prática dentro do ambiente escolar junto com a academia.

Palavras-chave


Formação Docente. Educação Especial. Estudantes Surdos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília-DF: 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília-DF: 2005.

BRASIL. O Tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e língua Portuguesa. Secretaria de Educação Especial. Brasília-DF: MEC/SEESP, 2007.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas [livro eletrônico] / Bernard Charlot. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Entre a lógica da formação e a lógica das práticas: a mediação dos saberes pedagógicos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 109-126, jan./abr. 2008.

KARNOPP, Lodenir Becker. Práticas de leitura e escrita em escolas de surdos. In: FERNANDES, Eulalia. (Org.). Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre: Editora Mediação, 2015.

KELMAN, Celeste Azulay. Multiculturalismo e surdez: uma questão de respeito às culturas minoritárias. In: FERNANDES, Eulalia. (Org.). Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre: Editora Mediação, 2015.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido (org.). Saberes pedagógicos e atividades docentes. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SANTOS, Kátia Regina de Oliveira Rios Pereira. Educação especial e escola: reflexões sobre os projetos educacionais para alunos surdos. In: FERNANDES, Eulalia. (Org.). Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre: Editora Mediação, 2015.

SILVA, Angela Carrancho. A representação social da surdez: entre o mundo acadêmico e o cotidiano escolar. In: FERNANDES, Eulalia. (Org.). Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre: Editora Mediação, 2015.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

VYGOTSKI, Lev Semenovitch. Obras Escogidas V: Fundamentos de defectología. Madrid: Visor, 1997.

ZEICHNER, Kenneth M. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educ. Soc., Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v6i12.9184

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.