Por que você se inscreveu pelas cotas raciais?

Irení Aparecida Moreira Brito, Reinaldo Antonio Valentim

Resumo


Nos últimos anos, diversas universidades públicas instituíram diferentes políticas para o acesso à educação superior no Brasil. Nesse contexto, a política de cotas instituída como uma ação afirmativa para estudantes negros (pretos e pardos) e indígenas, oriundos do sistema público de ensino, passou a ser uma estratégia de promoção desses segmentos que, historicamente, ficaram alijados do processo Educacional. A Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS - foi uma das primeiras universidades brasileiras a implantar o sistema de cotas para ingresso de alunos na graduação. Nos processos seletivos dessa Instituição, são reservadas 10% das vagas para indígenas e 20% para negros. Nessa perspectiva, o objetivo deste artigo é analisar as motivações apresentadas pelos candidatos negros (pretos e pardos) ao optarem por concorrer pelo sistema de cotas na referida Universidade. Para esta análise, utilizamos como corpus anotações de campo, coletadas durante as entrevistas realizadas como os candidatos, nos processos seletivos do ano de 2015 e 2016. O aparato teórico-metodológico utilizado está ancorado nos estudos referentes às políticas de ações afirmativas na educação superior.

Palavras-chave


Educação superior. Cotas raciais. Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BITTAR, Mariluce; CORDEIRO, Maria José de Jesus Alves; ALMEIDA, Carina Elisabeth Maciel. Anais... XII Seminário Nacional. Universitas/BR. Educação Superior no Brasil 10 anos pós-LDB. Política de Cotas para Negros na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – um estudo sobre os fatores da permanência. Campo Grande, MS, 2006.

DIJK, Teun A. Van. Discurso e poder. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2012.

DOSSIÊ. Fronteiras Étnico-Culturais e Fronteiras da Exclusão: práticas educativas num contexto intercultural. Série Estudos. Campo Grande-MS, n. 22, p. 31-46, jul./dez. 2006.

KABENGELE, M. Entrevista concedida ao repórter Fábio Castro - Agência Repórter Social. 2005. Acessado em abril de 2009.

MUNANGA, K. Debate: livros didáticos: análises e propostas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 63, nov. 1987.

MUNANGA, Kabengele. A identidade negra no contexto daglobalização. Ethnos Brasil, Ano I, n. 1. São Paulo: UNESP, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Identidade, cidadania e democracia: algumas reflexões sobre os discursos anti-racistas no Brasil. In: SPINK, Mary Jane Paris (Org.). A cidadania em construção: uma construção transdisciplinar. São Paulo: Cortez, 1994.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na Escola. Brasília:MEC/SECAD, 2005.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. Ser negro no Brasil hoje. Editora Global, São Paulo: 2006.

NASCIMENTO, A.; NASCIMENTO E. L. O negro e o Congresso Nacional. In: MUNANGA, K. (Org.). História do negro no Brasil: o negro na sociedade brasileira: resistência, participação e contribuição. Brasília: Fundação Cultural Palmares/CNPq, 2004.

PAIVA, A. R. Políticas públicas, mudanças e desa*os no acesso ao ensino superior. In: PAIVA, A. R. (Org.). Ação afirmativa em questão: Brasil, Estados Unidos, África do Sul e França. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.

PAIVA, A. R. Políticas públicas, mudanças e desafios no acesso do ensino superior. In: PAIVA, A. R. (Org.). Ação afirmativa em questão: Brasil, Estados Unidos, África do Sul e França. Rio de Janeiro: Pallas, 2013.

REIS, J.J. Aprender a raça. Veja, São Paulo, edição especial: 25 anos: reflexões para o futuro, 1993. In Ensino de história e diversidade cultural: desafios e possibilidades, e cultura afro-brasileira e africana no currículo escolar da educação básica. Cad. CEDES, Campinas, v. 25, n. 67, set./dez. 2005.

RISTOFF, Dilvo. Perfil socioeconômico do estudante de graduação uma análise de dois ciclos completos do ENANDE (2004-2009). Cadernos do GEA, n. 4, jul./dez., 2013.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v6i12.9183

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.