Estratégias de enfrentamento utilizadas por pessoas com deficiência e a importância de uma rede de apoio no fortalecimento da resiliência

Risonete Rodrigues da Silva, Rayssa Feitosa Feliz Santos, Ana Lúcia Leal

Resumo


Este trabalho tem por finalidade proporcionar uma reflexão acerca da superação que muitas pessoas com deficiência alcançam diante das suas limitações. Partimos do pressuposto de que ao receber o diagnóstico, o paciente e sua família sentem um impacto emocional e social. Elegemos como objetivo geral compreender como algumas pessoas, com deficiências de tipos diferentes, lidam com suas limitações. Participaram deste estudo, duas pessoas com deficiência física, com 42 e 36 anos, duas com cegueira, 16 e 51 anos, e duas surdas, 34 e 27 anos. Este trabalho tem uma abordagem qualitativa e para coleta de dados utilizamos um questionário com questões abertas onde os participantes puderam formular livremente suas respostas. A partir dos resultados, concluímos que os participantes demonstraram, na maioria das vezes, atitudes condizentes a uma postura fortemente resilientes e que sempre houve pessoas e instituições que os apoiaram, inclusive professores passaram a ser seus tutores de resiliência de alguns deles.


Palavras-chave


Resiliência. Educação emocional. Pessoa com deficiência.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, S. G.; PESCE, R. P.; AVANCI, J. Q. Resiliência: enfatizando a proteção na adolescência. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BRASIL. Constituição (1988) Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Declaração Mundial de Educação para todos, Conferência de Jomtien, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Livro I/MEC/SEESP. Brasília, 1994.

BRASIL. Estatuto da pessoa com deficiência – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015. 65 p. Conteúdo: Lei nº 13.146/2015.

CARVALHO, R. E. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre, Mediação, 2010.

CONDORELLI, A.; GUIMARÃES, C. F.; AZEVEDO, C. R. S. O papel do educador como tutor de resiliência à luz das ideias de Boris Cyrulnik. Polyphonía, v. 21/1, jan./jun. 2010.

CYRULNIK, B. Os patinhos feios. São Paulo: Martins Fontes: 2004.

CYRULNIK, B. De corpo e alma. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FAJARDO, I. N. Resiliência e educação: exemplo das escolas do amanhã. 1. ed. Curitiba, Appris, 2015.

FLACH, F. Resiliência: a arte de ser flexível. São Paulo: Saraiva, 1991.

FRANKL, V. E. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis, Vozes, 1991.

JUNQUEIRA, M. F. P. S.; DESLANDES, S. F. Resiliência e maus-tratos à criança. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n.1, 2003.

MURATA, M. P. F. Vulnerabilidade e Resiliência: fatores de risco e proteção em escolares com necessidades educativas especiais. São Carlos: UFSCar, 2013. Tese (Doutorado), Universidade Federal de São Carlos, 2013.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 6. ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

POLETTO, M. Contextos ecológicos de promoção de resiliência para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

RODRIGUES, A. J. Contextos de aprendizagem e integração/inclusão de alunos com necessidades educativas especiais. In RIBEIRO, M. L. S.; BAUMEL, R.C.R.C. Educação Especial: do querer ao fazer. São Paulo, Avercamp, 2003.

SILVA, O. M. Epopéia Ignorada: a História da Pessoa Deficiente no Mundo de Ontem e de Hoje. São Paulo: Cedas, 1987.

UNESCO. Declaração de Salamanca. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 17 jul. 2017.

WEDDERHOFF, E. Educação emocional: Um novo paradigma pedagógico? Revista Linhas e-ISSN 1984-7238 Qualis B2 v. 2, n. 1 (2001). Disponível em: http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/viewFile/1299/1110. Acesso em: 14 jul. 2018.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v7i13.8471

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.