Cantigas de roda e brincadeiras cantadas: o lúdico e sua contribuição para educação infantil

Martha Goncalves, Marina Vinha

Resumo


Esta pesquisa trata das contribuições de dois tipos de práticas corporais, ‘cantigas de roda’ e ‘brincadeiras cantadas’. O objetivo geral do estudo foi relatar as contribuições destas práticas na Educação Infantil. Os objetivos específicos foram: caracterizar a infância, o nível de ensino voltado para a infância e as indicações de conteúdos caracterizados como práticas corporais. O estudo foi problematizado com a seguinte pergunta: Quais contribuições tais práticas corporais proporcionam à formação da criança no nível de escolaridade da Educação Infantil, nos aspectos social, motriz e afetivo? O referencial teórico foi obtido em: Bréscia (2003), Queiroz (2006) e Gallahue e Donnely (2008). O estudo foi de caráter bibliográfico. A metodologia seguiu os seguintes passos: a) escolha do tema motivado pela atuação da acadêmica com o nível de ensino da Educação Infantil; b) seleção dos autores de referência; c) elaboração do projeto e pesquisa bibliográfica; d) escrita do texto.

Palavras-chave


Ludicidade. Práticas Corporais. Aprendizado. Âmbito Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ARTAXO, I. ; MONTEIRO, G. A. Ritmo e movimento: teoria e prática. 5 ª. ed. São Paulo: Phort, 2013.

BARROS, M. de. As cantigas de roda na educação infantil. 4 ª. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a educação infantil. 10 ª. ed. Brasília, Distrito Federal: Editora do Senado, 1998.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata [recurso eletrônico], 9 ª. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2016.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9.394/96. 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf. Acesso em: 05/05/2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 25 /05/2017.

BRÉSCIA, V. L. P. Educação Musical: bases psicológicas e ação preventiva. São Paulo: Átomo, 2003.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e Cultura. Revisão técnica e versão brasileira adaptada por Gisele Wayskop. São Paulo: Cortez, 1995.

COHN, Clarice. Antropologia da Criança/Clarice Cohn. 2 ª. ed. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed, 2009.

CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. São Paulo: Vetor, 2001.

DICIONÁRIO Aurélio de português online. Disponível em: https://dicionariodoaurelio.com/crianca. Acesso em: 30/10/2017.

ELKIND, D. Sem tempo para ser criança: a infância estressada. David Elkind/trad. Magda França Lopes. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

FALCÃO, J. L. C.; SARAIVA, M. C. Práticas corporais no contexto contemporâneo (in) tensas experiências /organizadores José Luiz Cirqueira Falcão, Maria do Carmo Saraiva. Florianópolis: Copiart, 2009. 304p. Disponível em: http://seguro.esporte.gov.br/arquivos/snelis/esporteLazer/cedes/praticasCorporais/praticasCorporaisContextoContemporaneo.pdf. Acesso em 29/09/2017.

FORTUNA, T. R. Sala de aula é lugar de brincar? In: XAVIER, M. L. M. e DALLA ZEN, M. I. H. (org.). Planejamento em destaque: análise menos convencionais. Porto Alegre: Mediação, 2000.

FORTUNA, T. R. O brincar, as diferenças, a inclusão e a transformação social. Revista Atos de Pesquisa. Blumenau/SC. V. 3, nº 3, 2008. Disponível em: http:// www. lume. ufrgs. br/ bitstream /handle/ 10183/33289/000726052.pdf?sequence=1. Acesso em: 25/05/2017.

FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. In: ÁVILA, I. S. (org.) Escola e sala de aula: mitos e ritos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

GALLAHUE, D. e DONNELLY, F. C. Educação física desenvolvimentista para todas as crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4ª. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KUZUYABU, M. Terapias com canto e música aliviam tensões físicas e emocionais e contribuem com o tratamento de diversas doenças, 2012. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/12/29/terapias-com-canto-e-musica-aliviam-tensoes-fisicas-e-emocionais-e-contribuem-com-o-tratamento-de-diversas-doencas.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 25/05/2017.

LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 6 ª. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LIRA, B. M. P. Cantigas de rodas e parlendas: da brincadeira para alfabetização. 2016. Disponível em: https:// file. C:/Users/JOAOVITOR/Downloads/511-2162-1-PB.pdf. Acesso em: 04/07/2017.

LUCKESI, C. C. Educação, Ludicidade e Prevenção das Neuroses Futuras: uma proposta pedagógica a partir da Biossíntese. 2005. Disponível em: http://www.luckesi.com.br/artigoseducacaoludicidade.htm. Acesso em: 25/05/2017.

MARTINS, M. E. O. A Ludicidade na Educação. Porto Alegre, 2010.

MAUSS, M. Técnicas corporais. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naif, 2003.

PALHETA, N. Cantigas de Roda são utilizadas no processo de construção do conhecimento infantil. 2007. Disponível em: https://www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=1104. Acesso em: 25/05/2017.

QUEIROZ, L. R. S. Transmissão musical no contexto urbano de João Pessoa. In: Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical, 15., 2006, João Pessoa. Anais... João Pessoa: EDUFPB/ABEM, 2006, p. 691-701.

SILVA, A. M.; DAMIANE, I. R. Práticas Corporais: construindo outros saberes em Educação Física, v. 4. Florianópolis: Nauemblu, 2006.

SOUZA, S. S. Diretora da escola Ritmo Espaço de Dança, idealizadora da Valsa Maluca, Idealizadora do programa Slim Dance, professora de Ballet clássico, metodologia Vaganova, professora do Power Ballet e coreógrafa, 2015. Disponível em: http://sabrinadesouza.com.br/sample-page/. Acesso em: 25/05/2017.

TEIXEIRA, S. R. O. Jogos, brinquedos, brincadeiras e brinquedoteca: implicações no processo de aprendizagem e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora WAK, 2010.

VARGAS, J. C.; ANTUNES, H. S. Determinismo cultural frente à ludicidade na infância: conceitos e concepções paradigmáticas. Revista de Reflexão e Ação. V. 18, nº 2. Santa Cruz do Sul, 2010. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/591/1937. Acesso em: 30/09/2017.

ZACHARIAS, V. L. C. F. Jogo e educação infantil: mais sobre o jogo. 2006. Disponível em: http://www.centrorefeducacional.pro.br. Acesso em: 23/07/2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v6i11.8080

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.