Educação especial na educação superior: podemos falar em democratização do acesso?

Leonardo Santos Amâncio Cabral, Vivian Santos, Enicéia Gonçalves Mendes

Resumo


Compreendendo-se a importância que os indicadores e microdados censitários da Educação Superior representam para a avaliação processual e possíveis direcionamentos políticos e práticos, o objetivo do presente estudo foi o de reunir, sistematizar e analisar alguns indicadores, em escala nacional, referentes aos estudantes que compõem o público-alvo da Educação Especial nas Instituições da Educação Superior brasileiras. Trata-se de um estudo documental com análise estatística descritiva, que considerou os indicadores “Dependência Administrativa”, “Tipo de Curso”, “Sexo” e “Critério de elegibilidade para compor o PAEE” cruzados com o número de matrículas nas Unidades Administrativas desse nível de ensino. Após tratamento e análise dos dados, as primeiras aproximações nos trazem as seguintes indagações: o que justifica as discrepâncias entre as sinopses e os microdados do Censo da Educação Superior? Existe uma indução dos dados sobre a democratização do acesso, em detrimento da disponibilização de recursos públicos e privados? Como possíveis correlações entre os microdados poderão contribuir para a condução de políticas e práticas da Educação Superior? Espera-se que o presente artigo contribua com ulteriores estudos correlacionais para fomentar a integração de atividades de planejamento estratégico e avaliação institucional das Instituições da Educação Superior brasileiras.


Palavras-chave


Educação Superior. Educação Especial. Microdados.

Texto completo:

PDF

Referências


AGRESTI, A.; FINLAY, B. Métodos Estatísticos para as Ciências Sociais. Porto Alegre: Penso. 2012.

BRITO, A. E. C. A.; QUIRINO, D. L. C.; PORTO, L. C. M. Educação especial e inclusiva no ensino superior. Revista Educação, Londrina, PR, v.16, n.20-21, p.14-20. 2013.

CABRAL, L. S. A., MELO, F. R. L. V. Entre a normatização e a legitimação do acesso, participação e formação do público-alvo da educação especial em instituições de ensino superior brasileiras. Educar em Revista. Curitiba, PR, 33 (nº esp. 3), p. 55-70. 2017.

CABRAL, L. S. A.; SANTOS, B. C. Instrumentos informatizados institucionais para a identificação de necessidades educacionais de estudantes universitários. Inclusão Social, Brasília, DF, v.11, n.1, p.105-117. 2017.

CAULLEY, D. Document analysis in program evaluation. Evaluation and Program Planning. Oxford, USA. Vol. 6, pp. 19-29, 1983.

FAÉ, M. B. R. Acesso à Educação Superior: o ponto de vista dos alunos do ensino médio com necessidades educacionais especiais. 2015. 91f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) - Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES. 2015.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Microdados do censo da Educação Superior 2015: Manual do Usuário. Brasília: Inep. 2016.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. MEC e Inep divulgam dados do Censo da Educação Superior 2016. 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/mec-einep-divulgam-dados-do-censo-da-educacao-superior-2016/21206. Acesso em: 12 Jul. 2018.

JANNUZZI, P. M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público, v. 56, n. 2, p. 137-160. 2005.

MELETTI, M. S. M.; BUENO, J. G. O impacto das políticas públicas de escolarização de alunos com deficiência: uma análise dos indicadores sociais no Brasil. Linhas Críticas, Brasília, v. 17, n. 33, p. 367-383. 2011.

MENDES, E. G., LOURENÇO, G. F. Viés de gênero na notificação de alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.15, n.3, p. 417-430. 2009.

MENDES, E. G.; CIA, F.; D’AFFONSECA, S. M (Org.). Inclusão escolar e avaliação do público-alvo da Educação Especial. São Carlos: Marquezine & Manzini: ABPEE, 2015.

MOREIRA, L.C.; BOLSANELLO, M.A.; SEGER, R.G. Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educar em Revista, n.41, p.125-143, 2011.

REBELO, A. S.; KASSAR, M. C. M. Indicadores Educacionais de matrículas de alunos com deficiência no Brasil (1974-2014). In: Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 29, n. 70, p. 276-307. 2018.

SANTOS, V. Análise de indicadores educacionais censitários da política de inclusão escolar: uma proposta metodológica. 2017. 116f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Departamento de Psicologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP. 2017.

SOARES, M.S. A Universidade de Brasília e o vestibular para candidatos com Necessidades especiais. In: Congresso Ibero-Americano de Educação Especial, 3. 1998, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: MEC, 1998. v. 3, p. 231-234.

VALDES, M.T.M. (Org.). Inclusão de pessoas com deficiência no ensino superior no Brasil: caminhos e desafios. Fortaleza: EDUECE, 2006.

VELTRONE, A. A.; MENDES, E. G. Inclusão e fracasso escolar: o que pensam os alunos com deficiência mental? Revista de Educação Especial, Santa Maria, RS, v. 22, p. 59-72. 2009.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v8i23.9449

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.