Cultura escolar e inclusão de alunos surdos em questão: breve reflexão teórica

Grazielly Silva do Nascimento Vilhalva, Reinaldo dos Santos

Resumo


Os princípios de inclusão escolar advogam uma educação para todos independentes de sua raça, cor, religião, classe social e deficiência, no entanto, para além da elaboração de políticas públicas que garantam o acesso e permanência desse alunado na escola, emerge como uma das premissas básicas para o sucesso das ações inclusivas, a necessidade da reestruturação da instituição escolar no que se refere às práticas e formas de transmitir ou “reproduzir” o ensino. O fazer docente resultante de valores e crenças assimilados ao longo de anos, concebe o ensino sob a visão da existência de um aluno padrão, utilizando práticas homogêneas de ensino que não considera e nem valoriza a diversidade. Assim, neste artigo, temos como objetivo realizar algumas reflexões teóricas de forma a compreender as relações entre cultura, inclusão de aluno surdo e a escola por meio de um estudo bibliográfico embasado em autores que discutem a educação de surdos e autores que discutem a cultura escolar.  A compreensão de cultura escolar aqui é entendida como processo/produto histórico, mutável e instável à medida que é produzida na tensão entre grupos e nas diferentes expectativas sobre a função social da escola, que muda de acordo com cada espaço de tempo da história.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v7i19.6989

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.