A mulher nas propagandas de cerveja: uma análise referencial

Cristina Batista Araújo, Cleodete Mendes da Silva

Resumo


É comum encontrar, nas propagandas de cerveja da propaganda brasileira, a recorrência do discurso midiático com implicações apelativas e com a exploração da sensualidade feminina. Dialogando com esta temática, a presente pesquisa tem como objetivo apontar, em alguns anúncios de cerveja, o discurso usado não apenas para seduzir o consumidor, mas também para estereotipar a mulher, destacando suas características físicas e as igualando a um produto de consumo. Este estudo teve como base teórica de discussão autores como Koch (2004), Marcuschi (2007), com vistas a compreender como os discursos publicitários de propagandas de cerveja estão inscritos na rede discursiva. Procuramos, no decorrer do estudo, investigar como os elementos referenciais da linguagem são articulados para construírem o estereótipo da mulher como objeto de consumo.

Palavras-chave


Análise do Discurso. Dêixis discursivas. Propagandas.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Nelly de. Publicidade: a linguagem da sedução. Universidade Federal de Pernambuco: Ática, 2004.

CIULLA, A. A referenciação anafórica e dêitica- com atenção especial para os estudos dêiticos discursivos. 2002. Dissertação de Mestrado em Linguística – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza.

DOMINGOS, Carlos. Criação sem pistolão: segredos para você se tornar um criativo de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: UnB, 2001.

FERRÉS, Joan. Televisão subliminar: socializando através de comunicações despercebidas. Porto Alegre: Artmed, 1998.

FONTANA, Maire. A Anáfora Direta: Uma Estratégia de Progressão Discursiva. 2014.

KOCH, Ingedore G. V. Introdução à linguística textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

LEITE, Maria A. e MARTINS, Renata. Referenciação. Belo Horizonte. 2013.

LINS, Leticia Alves. Cerveja, Mulher, Diversão: representações e diálogos nas propagandas de cerveja. Belo Horizonte, 2006.

MARCUSCHI, Luiz A. Do código para a cognição: o processo referencial como atividade criadora. In: ____________. Cognição, linguagem epráticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Curitiba: Criar Edições, 2005.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas SP: Pontes: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

SANTANA, Samuel Sena, et. A publicidade seduz os telespectadores e não vende somente produtos, mas também tendências e valores culturais. Cadernos do Sep Adm. Nº 3, 2006.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. Ed. 27, São Paulo: Cultrix, 2006.

WITZEL, Denise Gabriel. Identidade e Livro Didático: Movimentos Identitários do Professor de Língua Portuguesa. UEM, 2002

Sites consultados

F/NASCA SAATCHI E SAATCHI disponível

emhttp://www.fnazca.com.br/index.php/2001/01/10/skol-pilsen-4/

Acesso 16/04/2016 às 20h10min.

F/NASCA SAATCHI E SAATCHI disponível em

http://www.fnazca.com.br/index.php/2005/10/11/skol-pilsen-2/ Acesso

/04/2016 às 20h08min.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v6i10.5950



Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.