Vestígios da tragédia grega

Jeane Lucas

Resumo


Esta pesquisa tem como tema a ressignificação de elementos da Tragédia Grega Clássica, cuja gênese está na Grécia Antiga, em textos literários que não foram escritos para serem encenados. Para que esse estudo pudesse ser realizado, escolheu-se o romance Água Funda, de Ruth Guimarães a fim de verificar quais elementos desse tipo de drama estão nele presentes e como eles foram ressignificados, ou melhor, adaptados pela autora ao longo da instância narrativa. A partir da escolha do corpus, fez-se a análise literária ancorada, principalmente, nos estudos sobre a Tragédia Grega, elaborados por Aristóteles, Most, Gimenes, Brandão, Luna e Santos, na teoria proposta por Kristeva sobre intertextualidade, e na pesquisa desenvolvida por Oliveira sobre o romance mencionado. A metodologia de pesquisa segue a abordagem comparativa e qualitativa de cunho teórico-analítico. Percebeu-se que, no romance em foco, há a intertextualidade temática e o herói é conduzido à catástrofe final devido à inexorabilidade do Fado.

Palavras-chave


Intertextualidade temática. Tragédia grega. Fado.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes,

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Edipro, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: UNESP; HUCITEC, 1998.

________________. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BRANDÃO, Junito de Souza. Teatro grego: tragédia e comédia. Petrópolis:

Vozes, 1996.

_________________________.Dicionário mítico-etimológico da mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 2000.

CÂNDIDO, Antônio. A vida caipira tradicional. In:_______. Os parceiros do Rio Bonito: estudos sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2001.

CARVALHO, A. L. C. de. Interpretação da Poética de Aristóteles. São José do Rio Preto: Editora Rio-Pretense, 1998.

CEIA, Carlos. E-Dicionário de termos literários. Disponível em

http://www.edtl.com.pt/. Acesso em 27 de novembro de 2014.

CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso: forma e ideologia no romance

hispano-americano. São Paulo: Perspectiva, 1980.

EASTERLING, Peter. E. Form and Performance. In: EASTERLING, Peter.

E. (ed.). The Cambridge Companion to Greek Tragedy. Cambridge: CUP, 2001.

FRYE, N. O mythos do outono: a tragédia. In: ______. Anatomia da crítica. São Paulo: Cultrix, 1973.

GIMENES, Thais Regina Pinheiro. O trágico em Édipo Rei e Lavoura Arcaica: uma leitura contrastiva. (Dissertação de Mestrado). Maringá:

Universidade Estatual de Maringá, 2009.

GOLDHILL, Simon. The Language of Tragedy: Rhetoric and

Communication. In:EASTERLING, P. E. (ed.). The Cambridge Companion to Greek Tragedy.Cambridge: CUP, 2001.

GUIMARÃES, Ruth. Água Funda. São Paulo: Nova Fronteira, 2003.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2009.

JENNY, Laurent. A estratégia da forma. In: ________. Poétique. Coimbra:

Almedina, n. 27, 1979, p. 05-49.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 2005.

KOCH, Ingedore G. Villaça et al. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2007.

LUCAS, Jeane. Bufo & Spallanzani: entre a literatura de massa e a literatura culta (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2004.

LUNA, Sandra. Para uma arqueologia da ação trágica: a dramatização do

trágico no teatro do tempo I. (Tese de Doutorado). Campinas, SP: 2002.

___________. Arqueologia da ação trágica: o legado grego. João Pessoa: Ideia, 2005.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 2004.

MOST, Glenn. Da tragédia ao trágico. In: Filosofia e Literatura: o trágico.

Jorge Zahar Editor: Rio de Janeiro, 2001.

OLIVEIRA, Ana Paula Marques Cianni. Um mergulho em Água funda e suas distintas vertentes.(Dissertação de Mestrado). Novo Hamburgo-RS:

Feevale,2011.

REIS, Carlos. Dicionário de Narratologia. Coimbra: Almedina, 1980.

ROSENFIELD, KathrinHolzermaur. Antígona – de Sófocles a Hölderlin: por

uma filosofia trágica da literatura. Porto Alegre: L&PM, 2000.

SANTOS, Adilson. A Tragédia Grega: um estudo teórico. In: Revista

Investigações. Vol. 18, N° 1, Janeiro/2005.

SCHEIDT, Déborah. A “muralha viva” da tragédia grega: o coro e as suas

sutilezas. Revista Nupem, Campo Mourão, v. 2, n. 3, p. 49-57, 2010.

VAN TIEGHEM, P. Crítica literária, história literária, literatura

comparada. Tradução de Cleone Augusto Rodrigues. In: COUTINHO, E.

F.; CARVALHAL, T. F. (Org.). Literatura comparada: textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 89-107.

VERNANT, Jean-Pierre e VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na

Grécia antiga I e II. São Paulo: Perspectiva, 1999.






Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.