A Checagem de traços formais e a estrutura DP: um estudo comparativo entre o Português Brasileiro, o Inglês e o Italiano.

Maria Fernanda Moreira Barbosa

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar a variação na marcação de número na relação entre determinante (D) e nome (N) nas línguas naturais.  Tomando como base a proposta de Magalhães (2004), compararemos os dados do português brasileiro, do inglês e do italiano, com o intuito de estabelecermos possíveis semelhanças ou diferenças existentes na marcação de concordância de número no DP.

Palavras-chave


Concordância. Traços interpretáveis e não interpretáveis. Estrutura DP.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNEY, S.P. The English noun phrase in its setential aspect. PhD. Diss.,

Cambricdge (MA): MIT, 1987.

ALEXIADOU, cA.; HAEGEMAN, L.; STAVROU, M. Noun Phrase in the

Generative Perspective. Berlim: Mouton de Gruyter, 2007.

CARSTENS, V. Concord in minimalist theory. Linguistic Inquiry, Cambridge, v. 31, n.2, 2000. pp. 319-355.

CHOMSKY, N. & HALLE, M. The sound pattern of English. New York:

Harper & Row, 1968.

CHOMSKY, N. The minimalist program. Cambridge (MA): MIT Press, 1995.

_______________.Derivation by Phase. Reprinted in: Kenstowicz, M. (ed.) Ken Hale. A life in language, Cambridge (MA): MIT, 1999. pp. 1-52.

_______________. Beyond explanatory adequacy. Cambridge (MA): MIT,

CINQUE, G. Italian syntax and Universal Grammar. Cambridge: Linguistic

Inquiry, 1995.

COENE,M.; HULST, Y. From NP to DP. In the syntax and semantics of

noun phrases. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2003.

CUNHA, C. & CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

EMONDS, J. A transformational approach to English syntax. New York:

Academic Press, 1976.

FUKUI, N. c& SPEAS, M. Specifiers and Projection. Manuscript, MIT Press,

GONÇALVES, C. A. Flexão e derivação em português. Rio de Janeiro: Ed.

Faculdade de Letras da UFRJ, 2005.

HAEGEMAN, L. & GUÉRON, J. English grammar: a generative perspective.

Cambridge (MA):Blackwell, 1999.

HORNSTEIN, N. Move! A Minimalist Theory of Construal. Massachusetts:

Blackwell, 2001.

_______________; NUNES, J.; GROHMANN, K. Understanding Minimalism. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

LONGOBARDI, G. Reference and proper names: a theory of movement in

syntax and LF. Linguistic Inquiry, Cambridge, v. 25, 1994. pp. 609-665.

MAGALHÃES, T.M.V. A valoração de traços de concordância dentro do

DP. DELTA, São Paulo, v. 20, n. 1, 2004. pp. 149-170.

NOVAES, C.V. Teorias da linguagem: a gramática gerativa e as patologias

da linguagem. II Fórum de Linguagem da Universidade Federal do Rio de

Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

OLSEN, S. AGR(eement) in the German Noun Phrase. In: BHAYY,

LÖBEL, SCHMIDT (eds.). Syntactic phrase structure phenomena in noun

phrase & sentences. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1989. pp.

-49.

POLLOCK, J. Verb movement, Universal Grammar and the structure of

IP. Linguistic Inquiry, v. 20, n. 3, Summer, 1989. pp. 365-424.

SIMIONI, L. Aquisição de concordância nominal de número: um estudo de

caso. Trabalho de conclusão de curso, UFRGS, 2004.

SCHERRE, M. Aspectos da concordância de número no português do

Brasil. Revista Internacional de língua portuguesa, XII, 1994. pp. 37-49.

URIAGEREKA, J. Derivations. London/New York: Routledge, 2002.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v1i1.1586




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.