A Semiotização Textual em artigos de opinião da Mídia.

Thiago Jorge Ferreira Santos

Resumo


Este estudo objetiva analisar alguns exemplares do gênero artigo de opinião online, a fim de verificar a semiotização textual para a construção do ponto de vista. Para o estudo, foram analisados cinco artigos de opinião de dois diferentes sites de jornais online. Para a análise utilizamos a teoria desenvolvida por Jean-Paul Bronckart (1999), a qual entende a organização do texto como um folhado constituído por três camadas superpostas. Primeiramente, analisamos a infraestrutura geral do texto, que compreende os seguintes parâmetros: o tipo de discurso predominante e as sequências textuais. Depois, analisam-se os mecanismos textuais que compreendem as conexões, a coesão nominal e verbal. Por fim, analisamos os mecanismos enunciativos, onde são verificadas as vozes e as modalizações.

Palavras-chave


Interacionismo sociodiscursivo. Gênero textual artigo de opinião. Análise do Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, Jean-Michel. Les textes: types et prototypes. Paris: Nathan, 1992.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. Trad. Eduardo Guimarães et al. São Paulo: Ed. Pontes, 1976.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos. Trad. Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

______.Gêneros textuais, tipos de discursos, e operações psicolinguísticas. In: Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v.11, p. 49-69, 2003.

______. Commentaires conclusifs. Pour une développement collectif de

l’interactionnisme socio-discursif. In: Calidoscópio, São Leopoldo-RS, v. 2, n. 2, p.113-123, jul/dez 2004.

DOLZ, Joaquim. SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e progressão em exmpressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre um experiência suíça (francófona). Enjeux, Genebra, 37/38. Trad. De Roxane Rojo, 1996.

FAVERO, Leonor Lopes. Coesão e Coerências Textuais. 9. ed. São Paulo: Ática, 2002.

LOUSADA, Eliane Gouvêa. La séquence didactique: on outil qui peut contribuer à l’autonomie du professeur. Rencontres (PUCSP), São Paulo, v. 10, p.223-232, 2006.

______.A abordagem do Interacionismo Sociodiscursivo para a análise de textos. Revista eletrônica do Encontro de Pós-graduandos em Estudos Discursivos da USP, São Paulo, v. 2, 2010. Disponível em:

. Acesso em: 8 fev. 2012.

MACHADO, Anna Rachel. O Diário de Leituras. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

______. Para re(pensar) o ensino de gêneros. Caleidoscópio, São Leopoldo-RS, v. 2, n. 1, p. 17-28, 2004.

______.A Perspectiva interacionista sociodiscursiva de Bronckart. In: MEURER, José Luiz; BONINI, Adair; MOTTA-ROTH, Désirée. (orgs). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005, p.237-259.

MEURER, José Luiz; BONINI, Adair; MOTTA-ROTH, Désirée. (orgs). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005.

SCHNEUWLY, Bernard. Genres et types de discours: Considérations

psychologiques et ontogénétiques. In: Y. Reuter (ed.) Les Interactions Lecture- Écriture, pp. 155-174. Berne: Lang. 1994.

SOUZA, Lusinete Vasconcelos de. As ações do professor : a análise compartiva entre o trabalho prescrito e trabalho realizado sobre o discurso argumentativo do editorial de jornal. In : NASCIMENTO, Elvira Lopes (org). Gêneros Textuais : da didática das línguas aos objetos de ensino. São Carlos : Claraluz editora, 2009.

WEINRICH, Henri. Le temps. Paris: Seuil. 1973.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v1i1.1578



Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.