Arte: aliada ou instrumento no ensino de Ciências?

Fernando Cesar Ferreira

Resumo


Sabe-se que Arte e Ciência têm exercido influências mútuas ao longo dos séculos. Como exemplo, no século XIX, os poetas do movimento romântico retrataram em alguns de seus mais belos poemas a angústia que sentiam frente ao desenvolvimento da termodinâmica e a possibilidade da morte térmica do universo. Diferentes possibilidades têm sido colocadas em prática nos últimos anos no ensino de ciências. Uso de experimentos com materiais de baixo custo, história da ciência, ambientes virtuais etc. Consideramos que nesse processo a arte tem desempenhado um papel importante, mas ainda marginal, pois assim como a ciência, ela também produz conhecimento acerca da realidade. No entanto suas potencialidades são percebidas mais como instrumentos para o ensino do que como ativa participante na construção de relações acerca da natureza e do próprio homem.

Palavras-chave


Ensino de Ciências. Arte. Imaginário.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, P. Metamorfoses do real: arte, imaginário e conhecimento estético. Porto: Edições Afrontamento, 1995.

BESSIS, H. Imagem da Ciência na Pintura. In: CORBOZ, A. (Ed.). A Ciência e o Imaginário. Brasília: UnB, 1994.

ECO, U. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1991.

FUSARI, M. F. R.; FERRAZ, M. E. C. T. Arte na educação escolar. Campinas: Cortez, 1992.

GOLDFARB, J. L. Voar também é com os homens: o pensamento de Mário Schenberg. São Paulo: EdUSP, 1994.

HEWITT, P. G. Física Conceitual. Porto Alegre: Bookman, 2002.

KEATS, J.; STILLINGER, J. Complete Poems. [S.l.] Harvard University Press, 2003.

LIMA, M. C. B.; BARROS, H. L. DE; TERRAZAN, E. A. Quando o sujeito se torna pessoa: uma articulação possível entre Poesia e ensino de Física. Ciência & Educação (Bauru), v. 10, n. 2, p. 291-305, 2004.

MOREIRA, I. C. Poesia na sala da aula de ciências? A literatura poética e os possíveis usos didáticos. Física na Escola, v. 3, n. 1, p. 17–23, 2002.

PATO FU. Sobre o tempo: Gol de quem?, 1994.

PIETROCOLA, M. A matemática como estruturante do conhecimento físico. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 1, p. 93–114, 2002.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e imaginação: os caminhos do conhecimento nas ciências, nas artes e no ensino. In: CARVALHO, A. M. P. (Ed.). Inovação no Ensino de Ciências. São Paulo: Thomson, 2004.

REIS, J. C.; GUERRA, A.; BRAGA, M. Física e arte: a construção do mundo com tintas, palavras e equações. Ciência e Cultura, v. 57, n. 3, p. 29-32, set. 2005.

RODARI, G. Gramática da fantasia. Tradução Antonio Negrini. São Paulo, SP: Summus, 2000.

SALLES, C. A. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: Fapesp, 1998.

SHAKESPEARE, W. A Trágica História de Hamlet - Príncipe da Dinamarca. Tradução Ridendo Castigat Mores. [S.l.] eBooksBrasil.com, 2000.

SNOW, C. P. As duas culturas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1997.

SUTTON, C. Figuring out a scientific understanding. Journal of Research in Science Teaching, v. 30, n. 10, p. 1215-1227, 1 dez. 1993.

ZANETIC, J. Física também é cultura. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1989.

ZANETIC, J. Literatura e cultura científica. In: ALMEIDA, M. J.; SILVA, H. C. (Eds.). Linguagens, leituras e ensino da ciência. Campinas: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil, 1998.






Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.