Evermifugação utilizando levamizol, ivermectina e alho desidratado (Allium sativum) em ovelhas da raça Santa Inês

Natália da Silva Sunada, Marco Antonio Previdelli Orrico Junior, Ana Carolina Amorim Orrico, Arley Borges de Moraes Oliveira, Stanley Ribeiro Centurion, Sarah Rafaela de Novaes Lima, Alexandre Rodrigo Mendes Fernandes, Fernando Miranda de Vargas Junior

Resumo


Objetivou-se avaliar a utilização de alho como vermífugo, isoladamente ou em combinação com princípios comerciais, além dos princípios comerciais também isoladamente, sobre a redução dos parasitas gastrintestinais em ovinos. Para tanto foram utilizadas 30 ovelhas da raça Santa Inês, distribuídas nos tratamentos: alho, alho + levamizol, alho + ivermectina, ivermectina, levamizol e controle, respeitando-se a utilização de 6 gramas de alho desidratado por animal ao dia nos tratamentos que o continham e no caso dos princípios comerciais  doses segundo recomendação dos fabricantes. Em intervalos de 10 dias foram feitas coletas de fezes e contagem de ovos por grama de fezes (OPG). Aos 10 dias do início do tratamento houve redução de 22,0; 34,2; 16,9; 10,9; 19,9 e 10,3%, aos 20 dias de 35,4; 40,8; 32,2; 36,1; 45,9 e 41,3% e após 30 dias 71,3; 63,5; 60,9; 62,6; 65,9 e 68% para os tratamentos alho, alho + levamizol, alho + ivermectina, ivermectina, levamizol e controle, respectivamente. Nos grupos que receberam alho ocorreu redução média aos 10, 20 e 30 dias de 24,4; 36,1 e 65,2% e para aqueles que não receberam: 13,7; 41,1 e 65,8%, respectivamente. Com base nos resultados, recomenda-se a utilização de medicamentos fitoterápicos contra parasitas gastrintestinais e como alternativa à resistência helmíntica.


Texto completo:

PDF




Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.