Prática argumentativa internacional: breve análise da implicação de validade social em questões ambientais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/videre.v12i23.9718

Palavras-chave:

Argumentação Internacional Ambiental. Campo Jurídico. Implicações Argumentativas. Justiça Ambiental.

Resumo

O artigo tem o objetivo de delimitar o campo argumentativo de Direito Internacional ambiental a partir da teoria de campo proposta por Bourdieu para, então, verificar as implicações da prática argumentativa propostas por Jean D’Aspremont, com ênfase na validade social do argumento. Tal análise decorre do frequente embate entre interesses econômicos e socioambientais em sistemas de peticionamento, razão pela qual se torna relevante perquirir como se manifesta a implicação de validade do argumento de acordo com o interesse social na busca por justiça socioambiental. Com amparo na revisão bibliográfica e na análise de casos ambientais da Corte Interamericana de Direitos Humanos, primeiramente, propõe-se uma delimitação do campo jurídico-argumentativo internacional para, em seguida, evidenciar as implicações que a prática argumentativa internacional possa apresentar nesse campo. A partir das implicações destacadas, realiza-se a análise da implicação de validade social da prática argumentativa internacional ambiental, concluindo-se que tal implicação pode ser moldada, com objetivo precípuo de reafirmação discursiva do elemento de validade na arena argumentativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Augusto Giuriatto Ferraço, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando e mestre em Direito pela Universidade de Brasilia - UnB - na Linha Internacionalização, Trabalho e Sustentabilidade, com ênfase em Sustentabilidade, Meio Ambiente e Direitos Humanos. Membro do Grupo de Estudos em Direito, Recursos Naturais e Sustentabilidade, da Universidade de Brasília - GERN/UnB. Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Vitória - FDV. 

Referências

BARRAL, Virginie, DUPUY, Pierre-Marie. 8 principle 4. The Rio Declaration on Environment and Development: A Commentary. Org. Jorge E. Viñuales. Oxford Public International Law. Oxford University Press, 2015.

BARBOZA, Julio, International liability for the injurious consequences of acts not prohibited by international law and protection of the environment, The Hague Academy of International Law, Recueil des Cours, Volume 247 (1994-III) , chapitre III et IV.

BAYLIS, J., SMITH, S., OWENS, P. The globalization of world politics. Oxford University Press. 4 ed. Nova Iorque, 2008.

BECK, Ulrich. Sociedade de Risco. Rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2013.

BÖLTER, Serli Genz; DERANI, Cristiane. Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: uma análise da judicialização das relações sociais. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 15, n. 33, p. 209-242, set./dez. 2018

BOURDIEU, Pierre. A gênese dos conceitos de habitus e de campo. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 5 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

BUERGENTHAL, Thomas. The interamerican system for the protection of human rights, In Theodor Meron (ed.), Human rights in international law - Legal and policy issues. Oxford: Claredon Press, 1984. In O sistema interamericano de proteção dos direitos humanos e o direito brasileiro. Coord. Luiz Flávio Gomes e Flávia Piovesan. São Paulo: Revista dos tribunais, 2000.

COHN, M.G., La théorie de la responsabilité internationale, The Hague Academy of International Law, Recueil des cours, Volume 68 (1939-II).

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Documentos Básicos em Matéria de Direitos Humanos no Sistema Interamericana, 2010, p. 2.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Informe nº. 20/14. Petición 1566-07. Admisibilidad. Comunidades del Pueblo Maya Sipakepense y Mam de los Municipios de Sipacapa y San Miguel Ixtahuacán vs. Guatemala. 3 de abril de 2014. Disponível em: http://www.oas.org/es/cidh/decisiones/2014/GTAD1566-07ES.pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Medidas Cautelares, 2010. Disponível em: http://www.oas.org/es/cidh/decisiones/cautelares.asp. Acesso em: 20 maio 2017.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Informe nº. 76/09, Petición 1473-06, Admisibilidad, Comunidad de la Oroya, 2009. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/annualrep/2009sp/Peru1473-06.sp.htm. Acesso em: 20 maio 2017.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Informe Anual De La Comisión Interamericana de Derechos Humanos. 2009. Disponível em: http://www.cidh.oas.org/annualrep/2009sp/cap.3e2.09.sp.htm. Acesso em: 20 maio 2017.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Informe de nº. 69/04, caso das comunidades indígenas San Mateo Huanchor contra o Peru, OEA/Ser.L/V/II.122, Doc. 05, rev. 01, de out. de 2004, pars. 42-43.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Comunidades Indígenas Maias v. Belize. 12 out. 2004, par.196.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Caso Ramón Martínez Villareal vs. Estados Unidos da América. Relatório Anual da CIDH de nº. 52/02. par.60.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Caso Velásquez Rodríguez vs. Honduras. Sentença de 29 de jul. 1988.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Caso do Massacre de Río Negro Vs. Guatemala. Exceção Preliminar, Mérito, Reparações e Custas. Sentença de 4 de setembro de 2012 Série C N° 250.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Caso das comunidades indígenas Yakye Axa contra o Paraguai, sentença de 17 de jun. 2005, Série C, nº. 125.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Documentos Básicos em Matéria de Direitos Humanos no Sistema Interamericana, 2010, p. 8.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião Consultiva (OC) de nº. 10/89. 14 de jul. de 1989, Série A, nº. 10, par. 37.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião Consultiva (OC) de nº. 01/82. 24 de set. de 1982, Série A, nº. 1, pars. 21 e 43.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião Consultiva (OC) de nº. 16/99. 01 de out. de 1999, Série A, nº. 16, pars. 76 e 115.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião Consultiva (OC) de n°. 18/03 sobre a Condição Jurídica e Direitos dos Imigrantes Irregulares, de 17/09/2003.

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA. Case Concerning The Gabcikovo-Nagymaros Project. voto do vice-presidente da Corte, o juiz Christopher Gregory Weeramantry, 1997.

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA. Caso Relativo às Fábricas de Celulose no Rio Uruguai (Argentina v. Uruguai). Reports of Judgments, Advisory Opinions and Orders, 2010.

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA. Certain Activities carried out by Nicaragua in the Border Area (Costa Rica v. Nicaragua) – Provisional Measures, 2013.

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA. Certain Activities Carried Out by Nicaragua in the Border Area (Costa Rica v. Nicarágua) and Construction of a Road in Costa Rica Along the San Juan River (Nicarágua v. Costa Rica). 2015.

D’AMATO, Anthony. Groundwork for International Law. American Journal of International Law; Northwestern Public Law Research Paper. 2014.

D’ASPREMONT, Jean. Wording in International Law 25. Leiden Journal of International Law, 2012.

D’ASPREMONT, Jean. The Idea of ‘Rules’ in the Sources of International Law. The British Yearbook of International Law. 2014.

D’ASPREMONT, Jean. Send Back the Lifeboats: Confronting the Project of Saving International Law. American Journal of International Law. 2014.

D’ASPREMONT, Jean. Fundamental Concepts for International Law: The Construction of a Discipline, Cheltenham: Elgar, 2016.

DINIZ, Pedro Ivo. Natureza jurídica do desenvolvimento sustentável no direito internacional. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 12, n. 2, 2015.

FERRAZ, Deise Brião. O que é justiça socioambiental? in. Raízes Jurídicas. v. 9. n. 2. 2017.

FINCK, François. L’imputabilité dans le droit de la responsabilité internationale, Thèse: Droit, Université de Strasbourg, École Doctorale Droit, Science Politique et Historie, 2011.

GALINDO, George Rodrigo Bandeira. Dialogando na multiplicação: uma aproximação. Revista de Direito Internacional. Brasília, v. 9, n. 2, 2012.

JUAREZ FREITAS. Sustentabilidade: direito ao futuro. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

LIMA, Gabriela Garcia Batista; SCUDELER, M. A responsabilidade internacional ambiental na Corte Internacional de Justiça: a proteção ambiental transfronteiriça como diligência devida. Revista Internacional de Direito Ambiental, v. IV, p. 135-154, 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. 45ª Sessão Doc. A/RES/45/94, Need to Ensure a Healthy Environment for the Well Being of Individuals, 1990.

SCHLOSBERG, D. The justice of environmental justice: reconciling equity, recognition, and participation in a political movement. A. LIGHT, A. DE-SHALIT (eds.), Moral and Political Reasoning in Environmental Practice. Cambridge: MIT Press, 2003.

SCHLOSBERG, D. Reconceiving environmental justice: global movements and political theories. Environmental Politics, v.13, n. 3, 2004.

SCHLOSBERG, D. Defining Environmental Justice: Theories, Movements, and Nature. Oxford University Press, Oxford, 2007.

UNIVERSITY OF OREGON. International Environmental Agreements (IEA) Database Project. Disponível em: https://iea.uoregon.edu/. Acesso em: 09 fev. 2020.

Downloads

Publicado

13/08/2020

Como Citar

Ferraço, A. A. G. (2020). Prática argumentativa internacional: breve análise da implicação de validade social em questões ambientais. Revista Videre, 12(23), 22–35. https://doi.org/10.30612/videre.v12i23.9718

Edição

Seção

Artigos