A Revista Bem-Te-Vi e a educação para os indígenas na reserva de Dourados/MT na primeira metade do século XX

Cristiane Pereira Peres, Alessandra Cristina Furtado

Resumo


O projeto de civilização e educação desenvolvido pelos missionários protestantes na primeira metade do século XX para as etnias, Kaiowá, Guarani e Terena da Reserva Indígena de Dourados (RID), região Sul de Mato Grosso (MT), contou com a circulação da revista metodista Bem-te-vi, a partir de 1922. Assim, o artigo analisa a educação ministrada aos indígenas nesse período com base nos conteúdos abordados na Revista, buscando relacionar o projeto de educação à teoria positivista. Para compor as análises realizadas neste texto, foi preciso recorrer a documentos do Posto Indígena Francisco Horta, disponíveis nos arquivos do Museu do Índio do Rio de Janeiro, ao jornal protestante O Estandarte, disponibilizado para consulta online e a revista Bem-te-vi. Os resultados apontaram que a imprensa evangélica contribuiu com o projeto de educação, evangelização e “civilização” direcionado aos indígenas, por meio de conteúdos. Assim, podemos constatar que essa imprensa priorizava a formação de sujeitos cristãos e civilizados, alcançando desse modo, o estado de desenvolvimento.


Palavras-chave


História da educação. Ensino para os indígenas. Revista Bem-te-vi. Positivismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel Gonzáles. Educação e exclusão da cidadania. In: BUFFA, Ester; ARROYO, Miguel; NOSELLA, Paolo. Educação e cidadania: quem educa o cidadão 11. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

BURKE, Peter. Origens da história cultural e unidade e variedade na história cultural. In:______. Variedades de história cultural. Tradução de Alda Porto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

BURKE, Peter. História e teoria social. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

CARVALHO, Raquel Alves de. A Missão Evangélica Caiuá: instalação e organização. Revista de Educação do Cogeime. Ano 13 – nº 25, dezembro de 2004.

COMTE, Auguste. Discurso preliminar sobre o conjunto do positivismo. In: _______. Os pensadores. (Coleção). Tradução José Arthur Giannotti. São Paulo: Nova Cultural, 2000, p. 69-75.

COMTE, Auguste. Catecismo positivista. In: _______. Os pensadores. (Coleção). Tradução Miguel Lemos. São Paulo: Nova Cultural, 2000, p. 95-131.

CHARTIER, Roger. Defesa e Ilustração da Noção de Representação. Fronteiras: Revista de História/Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, v.13, n 24, p. 15-29, jul./dez. 2011.

CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria Manuela Galhardo. Lisboa: DIFEL; Rio de janeiro: Bertrand Brasil. (Memória e Sociedade), 1990.

HUNT, Lynn. Nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LOURENÇO, Renata. O Serviço de Proteção aos Índios e o estabelecimento de uma política indigenista republicana junto aos índios da Reserva de Dourados e Panambizinho na área da educação escolar (1929 a 1968). 2007. 250f.Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual Paulista, Campus de Assis, São Paulo, 2007.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa. O celeste porvir: a inserção do protestantismo no Brasil. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

NUNES, Clarice. Interrogando a avaliação dos trabalhos de história da educação: o inventário de uma prática. In: GONDRA, José Gonçalves (Org.). Pesquisa em História da Educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 63-83.

PANIZZOLO, Claudia. A revista Bem-te-vi e o projeto civilizatório metodista nas mãos da criança brasileira. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá-PR, v. 14, n. 2 (35), p. 271-293, maio-ago., 2014.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil (1930-1973). 40. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SILVA, C. M. N.; NASCIMENTO, C. V.; ZICA, M. C. Imprensa e educação na segunda metade dos oitocentos. In: MIZUTA, C. M. M.; FARIA FILHO, L. M.; PERIOTTO, M.R. Império em Debate: imprensa e educação no Brasil oitocentista. Maringá: EDUEM, 2010. p. 223-251.

Documento

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Documento do Posto Indígena Francisco Horta. julho 1966. Museu do Índio, Rio de Janeiro. (microfilme n. 7, planilha 91).

Periódicos

O ESTANDARTE, n. 15, abril – 1929.

O ESTANDARTE, n. 17, maio – 1929.

O ESTANDARTE, n. 13, junho – 1940.

O ESTANDARTE, n. 5, fevereiro, 1942.

O ESTANDARTE, n. 9, maio, 1950.

O ESTANDARTE, n. 7, abril, 1946.

REVISTA BEM-TE-VI, Ano XI, n. 12, dez. 1933.

REVISTA BEM-TE-VI, Ano XVI, n. 4, abr. 1938.

REVISTA BEM-TE-VI, Ano XIX, n. 2, fev. 1941.

REVISTA BEM-TE-VI, Ano XX, n. 3, mar. 1942.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v9i16.13104

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.