A institucionalização do MOODLE como estratégia de experimentação do ensino híbrido nos cursos presenciais

Daiani Damm Tonetto Riedner, Carina Elisabeth Maciel

Resumo


O presente estudo analisa o processo de institucionalização da Educação a Distância (EaD) na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, por meio da implementação do ambiente virtual de aprendizagem Moodle para os cursos de graduação presenciais. O objetivo central desta investigação é analisar de que forma a institucionalização do Moodle se constituiu como uma estratégia de experimentação do ensino híbrido nos cursos presenciais. Os dados sobre a institucionalização da EaD fazem parte de uma pesquisa interinstitucional realizada no período de 2016 a 2018 apoiada pelo CNPq. A base empírica das análises de uso do Moodle está respaldada em documentos e relatórios institucionais do ano de 2019, além de um questionário aplicado aos professores que trabalharam com o Moodle nos cursos de graduação presenciais no primeiro semestre de 2019. As percepções e análises apontam que o processo de institucionalização da EaD ter tencionado a implementação do Moodle nos cursos presenciais, fomentou o trabalho pedagógico na perspectiva da aprendizagem híbrida. O perfil dos professores demonstra um potencial de inovação das práticas pedagógicas, pois se mostraram disponíveis para encarar o desafio da gestão da sala de aula virtual, para além de todas as responsabilidades pedagógicas no desenvolvimento das aulas presenciais. Trabalhar na perspectiva da aprendizagem híbrida é um desafio que não depende apenas da vontade do professor, mas de um conjunto de ações institucionais e um clima institucional que seja favorável à inovação pedagógica e que tenha como princípio norteador o sucesso na aprendizagem dos estudantes.


Palavras-chave


Institucionalização da Educação a Distância (EaD); Ambiente Virtual de Aprendizagem; Moodle; Ensino Híbrido.

Texto completo:

PDF

Referências


BACICH, Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello. (Org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BATISTA, Erlinda Martins; GOBARA, Shirley T. As concepções de professores de um curso a distância sobre o papel do fórum on-line. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 87, n. 216, maio/ago. 2006. Disponível em: http://bit.ly/2LIKusN. Acesso em: 26 jul. 2019.

BRASIL. Portaria nº 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior - IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial. Brasília: Diário Oficial da União. [2018]. Disponível em: http://bit.ly/2GWyiAr. Acesso em: 20 jul. 2019.

BOLETIM OFICIAL. Resolução nº 43, de 18 de abril de 2013. Fixa as competências das Unidades integrantes da Estrutura Organizacional da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Boletim Oficial nº 5524 UFMS. [2013]. Disponível em: https://boletimoficial.ufms.br/bse/boletim?numero=5524. Acesso em: 20 jul. 2019.

COSTA, Celso José. Modelos de Educação Superior a Distância e Implementação da Universidade Aberta do Brasil. Revista Brasileira de Informática na Educação, Porto Alegre, v. 15, n. 2, maio./ago. 2007. Disponível em: http://bit.ly/2YwKlhY. Acesso em: 28 jul. 2019.

FERREIRA, Marcello; MILL, Daniel. Institucionalização da educação a distância no ensino superior público brasileiro: desafios e estratégias. In: FIDALGO, F. S. et al. (Org.). Educação a distância: meios, atores e processos. Belo Horizonte: CAED-UFMG, 2013.

HORN, M. B.; STAKER, H. Blended: Usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. [tradução: Maria Cristina Gularte Monteiro]. Porto Alegre: Penso, 2015.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e tempo docente. Campinas, SP: Papirus, 2013.

KESAR, Adrianna; SAM, Cecile. Strategies for implementing and institutionalizing new policies and practices: understanding the change process. In: KESAR, Adrianna (Ed.). Embrancing non-tenure track faculty: changing campuses for the new faculty majority. New York: Routledge, 2012.

KESAR, Adrianna. Tools for a Time and Place: Phased leadership Strategies to Institutionalize a Diversity Agenda. The Review of Higher Education, v. 30, n. 4, 2007. Disponível em: http://bit.ly/2GBxUHt. Acesso em: 28 jul. 2019.

MACIEL, Carina Elisabeth. et al. A institucionalização da educação superior a distância na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: processos, organização e práticas. Acta Qualidade, Tecnologias e Educação a Distância, Campo Grande, v. 1, n. 4, abr. 2018.

MARCOVITCH, Jacques. A informação e o conhecimento. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 16, n. 4, dez. 2002.

MARTÍN-BARBERO, JESÚS. Nuevos regímenes de visualidad y des-centramientos educativos. Revista de Educación, Espanha, n. 338, set./dez., 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 maio. 2018.

PLATT, Phyllis A. Promoting Change Through a school-Based Model of Comprehensive Student and Family Support. Kentucky’s Family Resource and Yuoth Services Centers. In: 2009 - 21st National Symposium on Doctoral Research in Social Work. Ohio State University. College of Social Work. University of Kentucky. Lexington, KY. Disponível em: http://bit.ly/2K9025F. Acesso em: 28 jul. 2019.

RIEDNER, Daiani Damm Tonetto Riedner. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais no ensino superior: formação inicial de professores e inovação na UFMS. Rio de Janeiro, 2018. 181p. Tese de Doutorado – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

RIEDNER, Daiani Damm Tonetto; BATISTA, Erlinda Martins. Trajetória da educação a distância na UFMS: desafios para a institucionalização. Revista Intersaberes, v. 13, n. 29, mai./ago, 2018. Disponível em: http://bit.ly/2X5AgnM. Acesso em: 26 jul. 2019.

SCHLÜNZEN JUNIOR, Klaus. A institucionalização da educação a distância no Brasil: cenários e perspectivas. Rev. Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 16, n. 1, Jan./Abr. 2013. Disponível em: http://bit.ly/2Yw1Wqq. Acesso em: 26 jul. 2019.

SILVA, Marco. Indicadores de interatividade para o professor presencial e online. Revista Diálogo Educacional, v. 4, n. 12, maio./ago. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 maio. 2018.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v7i14.10214

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.