Relações entre a matemática, a geografia e a educação física: proposta de uma educação inclusiva e integradora

Regerson Franklin Santos, Eduardo Francisco de Oliveira

Resumo


Possibilitar uma educação básica de qualidade nas escolas é o grande desafio da sociedade brasileira. Não é mais passível metodologias unívocas que se traduzem somente na centralidade no/do docente e no instrucionismo; urge apresentar aos estudantes um leque mais amplo, com diversidade metodológica e avaliativa que, aliada aos avanços tecnológicos, propicie aprendizado significativo a sua vida pessoal e profissional. Nesse sentido, as relações interdisciplinares são instrumentos com aplicabilidade no cotidiano escolar, corroborando a ideia de que é preciso aproximar os conteúdos à realidade do jovem. Outrossim, neste trabalho, a matemática, a geografia e a educação física são pontos nodais de um planejamento que se volta para, pelo e com o estudante do Ensino Médio, que desenvolve sua aprendizagem realizando pesquisa com viés autoral, utilizando os conhecimentos para compreender uma realidade holística à qual está inserido e sendo capaz de transformá-la positivamente.

Palavras-chave


Escola. Aprendizagem. Autoria

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. A. B.; GUTIERREZ, G.L. e MARQUES, R. Qualidade de vida: definição, conceitos e interfaces com outras áreas, de pesquisa. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades - – EACH/USP, 2012.

BARBOSA, Jane Rangel Alves. A Avaliação da Aprendizagem como Processo Interativo: Um Desafio para o Educador. Democratizar, v. II, n. 1, jan./abr. 2008. RJ.

BENDER, William N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2014. 159p.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da problematização: experiências com questões de ensino superior, ensino médio e clínica. Londrina: EDUEL, 1998. 251p.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da Problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: Editora UEL, 1999.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. (Org.). Conhecer e intervir: o desafio da metodologia da problematização. Londrina: EDUEL, 2001.

BIAGGI, Geraldo Vitória. Uma nova forma de ensinar matemática para futuros administradores: uma experiência que vem dando certo. Revista de Ciências da Educação. XXXX, v. xx, p. 103-113. 2000.

BOROCHOVICIUS, Eli; TORTELLA, Jussara Cristina Barbosa. Aprendizagem Baseada em Problemas: um método de ensino-aprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, vol. 22, núm. 83, abri-jun, 2014, pp. 263-293. Fundação Cesgranrio, Rio de Janeiro, Brasil.

BRASIL. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Diário Oficial da União de 11/07/2001 e retificado em 17/07/2001.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Diário Oficial da União de 08/01/2007 e retificado em 11/012007.

Campo Grande - MS. Lei Complementar n. 74, de 6 de setembro de 2005. Dispõe sobre o ordenamento do uso e da ocupação do solo no município de Campo Crande e dá outras providências. Diário Oficial de Campo Grande – MS. Republicado 31/12/2012.

CANDIDO, Elisabete Luisa; CIRINO, Roseneide M. Batista. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: Concepções e práticas. OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE. Cadernos PDE, v. 1, 2014. Paraná.

CORTELLA, Mario Sergio; RIBEIRO, Renato Janine. Política: para não ser idiota. 9. ed. Campinas, Papirus, 2012.

CORTELLA, Mario Sergio. Educação, escola e docência – novos tempos novas atitudes. São Paulo: Cortez, 2014.

CORTELLA, Mario Sergio. Pensar bem nos faz bem! 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

D’ AMBROSIO, Ubiratan. Educação matemática: Da teoria a prática. Campinas, SP: Papirus, 1996. – (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

DEMO, Pedro. Escola de tempo integral. UNB. Brasília, 2007.

DEMO, Pedro. Outro Professor – alunos podem aprender bem com professores que aprendem bem. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2011.

DEMO, Pedro. Professor eterno aprendiz. Ribeirão Preto: Editora Alphabeto, 2015.

DEMO, Pedro. Atividades de aprendizagem: sair da mania do ensino para comprometer-se com a aprendizagem do estudante [recurso eletrônico]. Campo Grande, MS: Secretaria de Estado de Educação do Mato Grosso do Sul – SED/MS, 2018. 180 p., 1,27 MB; ePDF. Disponível em: http://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/67/2018/12/eBook-Atividades-de-Aprendizagem-Pedro-Demo.pdf. Acesso 20/01/2019.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, 2017, Vol. 14, nº 1. Lajeado, RS.

FIGUEIREDO, E. M. P. Educação matemática na sala de aula: problemáticas e possíveis soluções. Millenium (Viseu), v. 29, p. 240-248, 2004. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium29/31.pdf. Acesso em 14/03/19.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GOLDBERG, Marco César. Educação e qualidade: repensando conceitos. Revista brasileira de estudos pedagógicos. São Paulo, v. 79, p. 35-45, set./dez. 1998.

GONÇALVES, C. W. P. Os Porquês da desordem mundial. Mestres explicam a globalização. O desafio ambiental. Organizado por Emir Sader. 4ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2013

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à Universidade. 32. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar – respeitar primeiro educar depois. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

MINAYO, M.C.S.; HARTZ, Z.M.A. e BUSS, P.M. “Qualidade de vida e saúde: um debate necessário” In: Revista Ciência e Saúde Coletiva, 5(1):7-18, 2000.

MOSÉ, Viviane. A escola e os desafios contemporâneos. 2 ed. Rio de Janeiro: civilização Brasileira, 2013.

PEREIRA, E.F.; TEIXEIRA, C.S. e SANTOS, A. “Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliações” In: Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.26, n.2, p.241-50, abr./jun. 2012.

RODRIGUES, Disnah Barroso. Avaliação da Aprendizagem no Ensino Médio: As Concepções dos Professores de Física Sobre o uso da Observação e dos Registros para Avaliar. Educação em Debate, Fortaleza, anos 35-38 - nºs. 66-71 jul/dez. 2013, jan./jun., jul/dez. 2014, jan./jun., jul/dez. 2015, jan./jun. 2016.

SANTOS, Regerson F. dos. A Escola de tempo integral no contexto do século XXI: ensinar ou pesquisar? In: VII Seminário Internacional: fronteiras étnico-culturais e fronteiras da exclusão, 2016. Campo Grande-MS. Anais VII Seminário Internacional: fronteiras étnico-culturais e fronteiras da exclusão. UCDB.

SANTOS, Regerson F. dos. Os percalços docentes acerca das novas metodologias de aprendizagem na escola integral. III Seminário da Rede Internacional de Escolas Criativas (RIEC), educação transdisciplinar: escolas Criativas e transformadora, Palmas - TO – 2017a.

SANTOS, Regerson F. dos. Políticas educacionais e a formação do estudante na escola de tempo integral em Mato Grosso do Sul. II Jornada Ibero-Americana de Pesquisas em Políticas Educacionais e Experiências Interdisciplinares na Educação, Natal, 2017b.

SANTOS, Regerson F. dos. Avaliação e Planejamento no contexto do Educar pela Pesquisa - e agora Professor?. In: Alessandra Ferreira Beker Daher; Éverton Paulino Damaceno; Estela Mara Andrade. (Org.). Teia da educação: pesquisa e autoria nas vozes dos professores de Mato Grosso do Sul. 1ed. Campo Grande - MS: Secretaria de Estado de Educação, 2018, p. 116-132. Disponível em: http://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/67/2018/12/Pesquisa-e-Autoria-nas-Vozes-dos-Professores-do-MS.pdf. Acesso 20/01/2019.

VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; GERALDINI, Alexandra Fogli Serpa. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 17, n. 52, p. 455-478, abr./jun. 2017.

WERNECK, Hamilton. Se você finge que ensina, eu finjo que aprendo. 8. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

WERNECK, Hamilton. Se a boa escola é a que reprova, o bom hospital é o que mata. 10. Ed., RJ: Vozes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v9i16.10057

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.