Dimensões acadêmicas da cegueira moral: um relato de experiência

Autores

  • José Paulo dos Santos Rosas de Castro Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Rita de Fátima da Silva Rosas de Castro Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Vera Lucia Gomes Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.30612/hre.v7i14.10036

Palavras-chave:

Formação de professores. Cegueira moral. Moralidade.

Resumo

O artigo constitui-se na apresentação de um relato de experiência fruto de um estudo descritivo fenomenológico sobre as implicações das novas tecnologias na moralidade acadêmica no processo de formação de professores, no município de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul. Fizemos um estudo exploratório bibliográfico sobre a Moral que teve como objetivo auxiliar na identificação dos atos morais-interpessoais e sócio-convencionais percepcionados durante três semestres num curso de formação de professores a nível superior. Visamos também compreender o tipo de fenômenos atitudinais, em termos sócio-morais e analisar a presença no ambiente acadêmico de estímulos para a construção da moralidade, especialmente aqueles relacionados às atitudes sócio-morais basilares. Objetivamos, a partir desses fenômenos, problematizar a importância e implicações da moralidade acadêmica e o impacto desta sobre o indivíduo em formação, obtendo deste caso particular, importantes inferências que poderão ser generalizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Paulo dos Santos Rosas de Castro, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Graduando em Pedagogia pela UFMS

Rita de Fátima da Silva Rosas de Castro, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Pedagoga pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Professora de Educação Física pela Faculdade Adventista de Hortolândia. Especialista em Educação Especial. Possui mestrado e doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em: Educação Especial, metodologia de pesquisa e Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: inclusão educacional, pessoa em condição de deficiência, formação do professor, deficiência e educação física inclusiva, metodologia da pesquisa, iniciação científica, Braile, gestão empresarial e inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Em seu estudo de pós doutoramento na Universidade de Barcelona, reflete sobre o multiculturalismo na região de fronteira Brasil/Paraguai, Os fenômenos evidenciados são: identidade fronteiriça; aspectos relacionados ao multilinguismo; pessoas em condição de deficiência; inclusão; a escola fronteiriça e as relações estabelecidas nesse contexto; formação de professor(a) em região de fronteira. Tem buscado estabelecer uma rede de interação com pesquisadores de diversos lugares (por exemplo UNICAMP), propondo convênios, inclusive internacionais (Universidade de Barcelona), por meio do grupo de estudo e pesquisa que coordena. Considera importante a estreita interação entre a universidade e a escola, principalmente a pública, mantendo desde 2014 projeto de extensão que abarca os (as) professores(as) do Estado e do Município em atuação na Educação Especial e que se desenvolve no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul em Ponta Porã.

Vera Lucia Gomes, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Pedagogia (1995), pós graduada em Educação Especial e Inclusiva pela UNIDERP (2003) e mestrado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2008) e doutoranda pela mesma Universidade. Atuou como Coordenadora de Educação Especial do Estado de MS (2007-2014). Atua como professora da Universidade Federal do MS - Câmpus Aquidauana, nas disciplinas de Educação Especial, Políticas Públicas da Educação. Integrante do Conselho Editorial da revista Diálogos Interdisciplinares - GEPFIP. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação Interdisciplinar de Professores (GEPFIP), do Laboratório de acessibilidade - LABAC UFMS/Ponta Porã e Grupo de Pesquisa Políticas Públicas e Gestão da Educação (GEPPE). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação especial e inclusiva, políticas educacionais, atendimento educacional especializado e tecnologia assistiva.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, v. 70, p. 225, 1977.

BAUMAN, Z; DONSKIS, D. Cegueira Moral. A perda da sensibilidade na modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

DE LA BOÉTIE, Etienne; JÚNIOR, José Cretella; AGNES (*) CRETELLA. Discurso da servidão voluntária. Ed. Antígona, 1986.

DURKHEIM, E. A educação moral. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2012.

_____________. Ética e sociologia da moral. São Paulo: Martin Claret, 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PIAGET, J. O juízo moral na criança. 4. ed. São Paulo: Summus Editorial, 1994.

SILVA, Rita de Fátima da; Araújo, Paulo Ferreira de. Os caminhos da pesquisa em atividade motora adaptada. São Paulo: Phorte Editora, 2012.

TURIEL, E. El desarrollo del conocimiento social: moralidad y convención. Debate, 1984.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

WAAL, F. D. Primates and philosophers: How morality evolved. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2009.

Downloads

Publicado

19/12/2019

Como Citar

Castro, J. P. dos S. R. de, Castro, R. de F. da S. R. de, & Gomes, V. L. (2019). Dimensões acadêmicas da cegueira moral: um relato de experiência. Horizontes - Revista De Educação, 7(14), 258–272. https://doi.org/10.30612/hre.v7i14.10036

Edição

Seção

Relatos de Experiência