Revisitando a Lei 11645/2008

A Contribuição das Cosmologias Indígenas em Sala de Aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/rehr.v16i31.14849

Palavras-chave:

Cosmologias, Indígenas, Educação básica, Sala de Aula

Resumo

A temática indígena em sala de aula efetivou-se como um campo do saber fundamental para o estabelecimento da sociedade plural. Através do presente artigo desejamos identificar os avanços conquistados até o presente e os desafios que ainda persistem.  Através de um estudo bibliográfico – livros, teses, dissertações e artigos – constatamos que, em que pesem os avanços persiste uma superficialidade na abordagem da temática em sala de aula, fruto do desconhecimento, mas fundamentalmente por receio de que a temática possa ser questionadora das próprias certezas epistêmicas estabelecidas na escola. Insistimos que para avançarmos no tema de efetivar o diálogo de saberes é fundamental que as cosmologias indígenas sejam as bases dos novos conteúdos, da mesma forma que os educadores devem estar preparados para conhecer a fundos as cosmologias da sociedade ocidental, evitando assim tomá-la como valor universal ou balizadora dos conhecimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis Antonio Brighenti, UNILA

Professor de História. Trabalha com pesquisa, ensino e extensão com povos indígenas.

Referências

ALMEIDA, Maria Celestino. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

BANIWA, Gersem. Entrevista. 2013. Disponível em: http://www.ebc.com.br/cidadania/2013/04/indigena-e-doutor-em-antropologia-social-fala-sobre-projeto-indigenista-para-o. Acesso em: 10 de julho de 2015.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório / Comissão Nacional da Verdade. – Recurso eletrônico. – Brasília: CNV, 2014.

BRIGHENTI, Clovis A. Colonialidade e decolonialidade no ensino da história e cultura indígena. In: WITTMANN, Luisa Tombini; FELTRIN DE SOUZA, Fábio. Protagonismo indígena na História. Chapecó: Tubarão: EdUFFS; Copiart Editora, 2016.

CASTRO, E. V. de. O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem. Revista de Antropologia, 35, 21-74. (1992).

CUNHA, Manuela C. da. org. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Cia da Letra e Secretaria. Municipal da cultura, Fapespe, 1992.

GORDILLO SÁNCHEZ Daniel Guillermo Ausências ou presenças ausentes? Os povos indígenas nos livros didáticos de Foz do Iguaçu. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina. 182 fl. Florianópolis, 2018.

ECHEVERRÍA, Olaya Sanfuentes. Europa y su percepción del nuevo mundo a través de las especies comestibles y los espacios americanos en el siglo xvi. Scielo versión On-line. Historia (Santiago) v.39 n.2 Santiago dic. 2006

SILVA, Edson; SILVA, M. da Penha da (Ogs.). A temática Indígena na sala de aula: reflexões para o ensino a partir da Lei 11.645/2008. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2015.

LE GOFF, Jacques. A história deve ser dividida em Pedaços? São Paulo: EdUNESP, 2015.

LOPES DA SILVA, Aracy e GRUPIONI, Luís Donizete Benzi (org) A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus /— Brasília, MEC/MARI/UNESCO, 1995.

MARQUES. Patrícia B.; SIQUEIRA CASTANHO, Marisa I. O que é a escola a partir do sentido construído por alunos. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. Volume 15, Número 1, janeiro/junho de 2011:

MELIÀ, B. El Guaraní Conquistado y Reducido. Ensaios de Etnohistoria. 4ª Ed. Asunción: CADUC: CEPAG, 1997.

MELO FRANCO, Afonso A. O índio brasileiro e a Revolução Francesa: As origens brasileiras da teoria da bondade natural. 2ª Edição. Rio de Janeiro; Brasília: J. Olympio; INL, 1976.

MONTEIRO, John Manuel. O desafio da história indígena no Brasil. In: LOPES DA SILVA, Aracy e GRUPIONI, Luís Donizete Benzi (Org.) A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus /— Brasília, MEC/MARI/UNESCO, 1995.

MOTA, Lúcio T. O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e as propostas de integração das comunidades no estado nacional. Diálogos, Maringá, v.2, p.149-175, 1998.

PAIVA, Eunice, JUNQUEIRA, Carmen. O Estado contra o Índio. Textos em Ciências Sociais, apud MOTA, L.T. O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e as propostas de integração das comunidades no estado nacional. Diálogos, Maringá, v.2, p.149-175, 1998.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Mitos ameríndios e o princípio da diferença. In: NOVAES, Adauto. Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

PREZIA, Benedito. HOORNAERT, Eduardo. Esta terra tinha dono. São Paulo: FTD, 1992.

SILVA, Aracy L. A questão indígena na sala de aula. São Paulo: Brasiliense, 1987.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VACA, Á. N. C. Naufrágios e Comentários. Tradução de Jurandir Soares dos Santos. – Porto Alegre: L&PM, 1999.

WITTMANN, Luisa Tombini (Org). Ensino (d)e História Indígena. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

WITTMANN, Luisa Tombini; FELTRIN DE SOUZA, Fábio. Protagonismo indígena na História. Chapecó: Tubarão: EdUFFS; Copiart Editora, 2016.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Brighenti, C. A. (2022). Revisitando a Lei 11645/2008: A Contribuição das Cosmologias Indígenas em Sala de Aula. Revista Eletrônica História Em Reflexão, 16(31), 3–21. https://doi.org/10.30612/rehr.v16i31.14849