A Lei 11.645/08 e as Diferenças Étnico-Racial em Sala de Aula

Representações Docentes

Autores

Palavras-chave:

Diferenças, Indígena, Lei 11645/2008, Formação de professores, Currículo

Resumo

Com objetivo de apresentar como os/as professores/as de uma escola de Campo Grande/MS percebem as relações étnico-raciais presentes nas salas de aula e os desafios para a formação docente na implementação da lei nº 11.645/2008, o texto que resulta de reflexões de uma pesquisa em andamento, no Grupo de Pesquisa Educação Intercultural e Povos Tradicionais possui uma abordagem teórica amparada em autoras e autores que refletem sobre a diferença, em especial nos assuntos que discutem o espaço escolar e o currículo com base numa perspectiva inter/multicultural. A metodologia de caráter qualitativa, mostra que os dados do trabalho foram construídos por meio de entrevista semiestruturada com os/as professores/as. A pesquisa mostra a necessidade de pensar um currículo inter/multicultural que rompa com a lógica do currículo monocultural que inviabiliza os/as professores/as a pensar as diferenças étnico-raciais e culturais como uma vantagem pedagógica. O currículo monocultural não permite perceber que os processos de exclusão e o não reconhecimento das diferenças interferem no processo ensino/aprendizagem dos/as alunos e alunas. A análise explicita que o caminho da implementação da lei n° 11.645/08 ainda está em fase inicial. Enfatiza que a educação para as relações étnico-raciais e culturais é imprescindível para romper com o racismo, preconceitos e estereótipos ainda vigentes na sociedade brasileira e, sobretudo, para a construção de uma sociedade com relações radicalmente democráticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Magno Naglis Vieira, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB

Historiador e Pedagogo. 

Professor e Pesquisador do Programa de Pos-Graduacão em Educacao. 

Coordenador da Linha de Pesquisa Diversidade Cultural e Educação Indígena

Líder do Grupo de pesquisa Educação Intercultural e Povos Tradicionais

Daniele Gonçalves Colman, Universidade Católica Dom Bosco - UCDB

Historiadora.

Doutoranda do Programa de Pos-Graduacão em Educacao. 

 

Referências

ACOSTA, Alberto. El Buen Vivir en el camino del post-desarrollo. Una lectura desde la Constitución de Montecristi. Policy Paper, v. 9, n. 5, p. 1-36, 2010.

APPLE, Michael W. As tarefas do estudioso/ativista crítico em uma época de crise educacional. Revista Pedagógica - UNOCHAPECÓ - Ano -17 - n. 30 vol. 01 - jan./jun. 2013

BACKES, José Licínio; PAVAN, Ruth. A ressignificação das representações sobre as crianças indígenas pelos estudantes de pedagogia: desafio para uma formação docente intercultural. In: NASCIMENTO, Adir Casaro. (Orgs.)...[et al.]. Crianças indígena: diversidade cultural, educação e representações sociais. Brasília: Liber Livro, 2011. p. 205-226.

_____________; NASCIMENTO, Adir Casaro. Aprender a ouvir as vozes dos que vivem nas fronteiras étnico-culturais e da exclusão: um exercício cotidiano e decolonial. Série-Estudos - periódico do PPGE/UCDB. n. 31, p. 25-34, jan./jun. 2011.

_____________; A escola indígena intercultural: espaço/tempo de afirmação da identidade étnica e de desconstrução da matriz colonial. Interações, Campo Grande, v. 15, n. 1, p. 13-19, jan./jun. 2014.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida. A criança guarani: um modo próprio de aprender. In: NASCIMENTO, Adir Casaro. (Orgs.)...[et al.]. Crianças indígena: diversidade cultural, educação e representações sociais. Brasília: Liber Livro, 2011. p. 131-153.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2019.

BRASIL. Lei nº 11.645 de 15 de abril de 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11654.htm>. Acesso em: 13/02/2016.

CALDERONI, Valéria Aparecida Mendonça de Oliveira. Professores indígenas e educação superior: traduções e negociações na escola indígena Ñandejara da aldeia Te’ýikue, Caarapó/MS. 2016. 305 f. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande-MS.

CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 37, jan./abr. 2008.

_____________; Cotidianos escolar e práticas interculturais. Cadernos de pesquisa: v. 46, n. 161, p. 802-820, jul./set. 2016.

COELHO, Wilma de Nazaré Baía; COELHO, Mauro Cezar. Por linhas tortas – a educação para a diversidade e a questão étnico-racial em escolas da região norte: entre virtudes e vícios. Revista da ABPN, v. 4, n. 8, jul.-out., 2012. p. 137-155.

COLMAN, Daniele Gonçalves. A implementação da lei nº 11.645/08 no ensino fundamental. Campo Grande, 2018, 131p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Católica Dom Bosco –UDCB.

FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e educação. In: Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 16-35, maio/ago., 2003.

LAZZAROTTO, Gislei Domingas Romanzini, CARVALHO, Julia Dutra de. In: Tania Mara Galli Fonseca, Maria Lívia do Nascimento, Cleci Maraschin (Orgs.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre, Sulina, 2012. 261 p.

MELIÁ, Bartolomeu. Educação indígena na escola. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 49, Dezembro/1999, (p. 11-17).

MELIÁ, Batolomeu S. J.; GUASCH, Antonio S. J.. Diccionario básico: Guaraní/Catellano, Castellano/Guaraní. Asuncíon/Paraguay: Centro de estúdios paraguayos, Antonio Guasch. 2005. 367p.

NASCIMENTO, Adir Casaro; URQUIZA, Antônio H.; VIEIRA, Carlos M. N..A cosmovisão e as representações das crianças kaiowá e guarani: o antes e o depois da escolarização. In: NASCIMENTO, Adir Casaro. (Orgs.)... [et al.]. Crianças indígena: diversidade cultural, educação e representações sociais. Brasília: Liber Livro, 2011. p. 21-44.

_____________; VIEIRA, Carlos Magno Naglis; LANDA, Beatriz dos Santos. Experiências interculturais na universidade: a presença dos indígenas e as contribuições à lei n° 11.645/08. Cadernos Cedes (UNICAMP) impresso, v. 39, p. 397-416, 2019.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Consejo Latino Americano de ciências Sociais- CLACSO, 2005.

RUSSO, Kelly; PALADINO, Mariana. A lei n. 11.645 e a visão dos professores do Rio de Janeiro sobre a temática indígena na escola. Revista Brasileira de Educação, v. 21 n. 67 out.-dez., 2016. p. 897-921.

SANTIAGO, Mylene Cristina; AKKARI, Abdeljalil; MARQUES, Luciana Pacheco. Educação Intercultural: desafios e possibilidades. Petrópolis: Vozes, 2013.

SANTOMÉ, Torres Jurjo. Currículo escolar e justiça social: o cavalo de troia da educação. Porto Alegre: Penso, 2013, p. 223- 289.

VIEIRA, Carlos Magno Naglis. A criança indígena no espaço escolar de Campo Grande/MS: identidade e diferença. Campo Grande, 2015, 228 p. Tese de Doutorado em Educação – Universidade Católica Dom Bosco/UCDB.

WALSH, Catherine. Interculturalidade, Crítica e pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e reviver. In: CANDAU, Vera Maria. (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Naglis Vieira, C. M., & Colman, D. G. (2022). A Lei 11.645/08 e as Diferenças Étnico-Racial em Sala de Aula: Representações Docentes. Revista Eletrônica História Em Reflexão, 16(31), 152–158. Recuperado de https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/historiaemreflexao/article/view/14830