A sala de aula de física: ludicidade e diálogo

Edmilson de Souza, Rosemeire Aparecida Nunes de Oliveira

Resumo


O Ensino de Ciências, atualmente, passa por grandes transformações, em especial, a necessidade de maior reflexão, por parte do docente sobre sua prática e as possibilidades pedagógicas que cercam seu fazer. A sala de aula se tornou foco de investigação, justamente por que é nesse espaço, oficial, em que o ato educacional legalmente estabelecido ocorre; se desenrola; se perpetua no modelo atual brasileiro. Dessa maneira, a abordagem do conhecimento, em sala, através de momentos com caráter lúdico, pode auxiliar no processo de comunicação professor-estudante, e, ao mesmo tempo introjetar no educando percepções sobre sua participação no meio social, através do uso de temas geradores, que estimulam o diálogo e a formação crítica do estudante. No presente trabalho, a partir do planejamento e aplicação de um grupo de aulas com elementos que implicam na participação direta dos estudantes através da manipulação de objetos, da construção de discursos com fatos hipotéticos, da criação de momentos de diálogo e conflito de ideias, e uso de mídias com animações, se buscou compreender a abrangência dessa prática. Os resultados evidenciam que a ação lúdica auxilia na integração entre os estudantes, fortalecendo as relações pessoais, o processo criativo de cunho social; também se percebe um campo de oportunidades para compreender os processos emocionais envolvidos na aprendizagem, além, de estimular a formação de criticidade no estudante sobre a sociedade em que ele vive. O tema explorado, a energia elétrica, através de conceitos de eletricidade, também evidencia os limites das práticas lúdicas, o tempo. Educar não é um processo isolado dos demais fatos sociais em que o estudante está envolvido. A construção coletiva necessita de tempo para sua maturação, e, esse tempo, dentro da estrutura atual da escola desencoraja essa prática, e pode, facilmente, causar prejuízos quando mal planejadas e, não observadas as características intrínsecas do conhecimento cientifico envolvido e suas reais demandas, cedendo espaço a “pirotecnia” em detrimento de uma aprendizagem sólida em Física. Finalmente, é possível afirmar, mediante os resultados obtidos, que a construção de espaços e momentos lúdicos, em sala de aula, representa um ato motivacional e, principalmente, uma estratégia que favorece a aprendizagem e a percepção do docente como facilitador do processo educacional.

Palavras-chave


Ensino de Física. Ludicidade. Diálogo. Eletricidade. Pequenos Grupos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA Jr, J. B. A Evolução do Ensino de Física no Brasil. Faculdade de

Educação UNICAMP: São Paulo, 2008.

BROUGÈRE, G. O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning,

DANTAS, Heloysa. Brincar e Trabalhar. IN KISHIMOTO, Tizuko

Morchida (org.). Brincar e suas teorias. Pioneira Thomson Learning: São

Paulo, 2002.

FREIRE, P; HORTON, M. O caminho se faz caminhando: conversas sobre

educação e mudança social. Vozes: Petrópolis, 2003.

KISHIMOTO, T. M. O Brincar e suas Teorias. Cengage Learning: São

Paulo, 2010.

KLAJN, S. Física a vilã da escola. UPF: Passo Fundo, 2002.

MIZIARA, K.B.; MAHFOUD, M. Contar histórias como experiência

enraizadora: análise de vivências do Grupo de Contadores de Estórias

Miguilim. Memorandum, 10, 98-122.2006

MOREIRA, M. A. Ensino de Física no Brasil: Retrospectiva e Perspectivas.

Instituto de Física, UFRGS: Porto Alegre, 2000.

MORETTO, V. P. Construtivismo a produção do conhecimento em aula.

DP&A: Rio de Janeiro, 2003.

OLIVEIRA, N. Atividade de Experimentação Investigativa Lúdicas no

Ensino de Química: um estudo de caso. Tese apresentada para obtenção do título de Doutor em Química. UFG/UFMS/UFU: Goiânia, 2009.

PARO, V. H. Educação como exercício do poder – critica ao senso comum

em educação. Cortez: São Paulo, 2008.

PENA, F. L. A. Por que, apesar do grande avanço da pesquisa acadêmica

sobre ensino de física no Brasil, ainda há pouca aplicação dos resultados em sala de aula? Carta ao Editor. Revista Brasileira de Ensino de Física, V. 26, n. 4, p. 293 – 295, IF/UFBA: Bahia 2004.

ROGERS, C. R. Tornar-se pessoa. Ed. WMF Martins Fontes: São Paulo,

WHITAKER, T.; WHITAKER, B.;LUMPA, D. Motivating and Inpiring

Teachers. Eye on Education: Lanrchmont, 2009.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.