Análise de crescimento de plantas de umbuzeiro sob diferentes concentrações de giberelina

Ednei de Souza Pires, Camila Lariane Amaro, Igor Alberto Silvestre Freitas, Gabriel Henrique Ferreira de Lima, Eduardo Luis de Oliveira Ganem, Fabio Santos Matos

Resumo


A utilização de fitohormônios em espécies nativas, especificamente umbuzeiro, é escassa, no entanto, o uso de reguladores de crescimento pode tornar-se uma prática inovadora de manejo da espécie ao interferir decisivamente na precocidade. O presente estudo teve como objetivo identificar o efeito do ácido giberélico no crescimento de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda). O trabalho foi conduzido sob bancada em casa de vegetação coberta com plástico transparente e laterais com sombrite que interceptam 50% da radiação solar na Universidade Estadual de Goiás. O experimento foi conduzido seguindo o delineamento inteiramente casualizado com cinco tratamentos (plantas de Spondias tuberosa com 250 dias de idade foram tratadas com solução de 30 ml de ácido giberélico (GA3) por planta, nas concentrações de 0 mg L-1; 100 mg L-1; 200 mg L-1; 300 mg L-1 e 400 mg L-1; em aplicação única via foliar com auxílio de borrifador manual), seis repetições e parcela de uma planta útil por vaso. A giberelina intensificou o crescimento vegetativo de mudas de umbuzeiro e proporcionou a formação de plantas com sistema radicular vigoroso, caule espesso e comprido e área foliar abundante e exuberante com máxima biomassa obtida na concentração de 337 mg L-1 de GA3. A aplicação de giberelina pode constituir importante prática de manejo de plantas de umbuzeiro no sentido de obter plantas precoces com menor tempo de fase juvenil e, com isso, antecipar o período produtivo, no entanto, trabalhos posteriores a nível de campo são necessários para validação e recomendação. 


Palavras-chave


Fruticultura. Regulador de crescimento. Spondias tuberosa.

Texto completo:

PDF

Referências


ABF-ANUÁRIO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA 2016. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta, 2016. 88 p.

ANDERSON, M.J. A new method for non-parametric multivariate analysis of variance. Austral Ecology, v.26, p.32-46, 2001.

AMARO, C. L.; CUNHA, S.D.; GRUPIONI, P.H.F.; SOUZA, P. V. DE.; D’ABADIA, K.L. BARROS,; I.B. MATOS, F.S. Análise do crescimento de mudas de Eucalyptus sp. submetidas a diferentes doses de giberelina. Revista Agri-Environmental Sciences, Palmas-TO, v. 3, n. 1, 2017.

BATISTA, F.R.C.; SILVA, M.M.A.; ARAÚJO, V.S. Uso sustentável do umbuzeiro: estratégia de convivência com o semiárido. Campina Grande: INSA, 2015.

BJÖRKLUND, S.; ANTTI, H.; UDDESTRAND, I.; MORITZ, T.; SUNDBERG, B. Cross‐talk between gibberellin and auxin in development of Populus wood: gibberellin stimulates polar auxin transport and has a common transcriptome with auxin. The Plant Journal, v. 52, n. 3, p. 499-511, 2007.

BOEGER, M.R.T.; WISNIEWSKI, C. Morfologia foliar de espécies arbóreas da Floresta Atlântica. Revista Brasileira de Botânica, v.26, n.1, p.61-72, 2003.

CEULEMANS, R., ZEANPRAET, L., JIANG, X. N. Efects of CO2 enrichment, leaf position and clone on stomatal index and epidermal cell density in poplar (Populus). New Phytology, v.131, p.99-107, 1995.

DANIEL, O.; VITORINO, A.C.T.; ALOVISI, A.A.; MAZZOCHIN, L.; TOKURA, A.M.; PINHEIRO, E.R.; SOUZA, E.F. Aplicação de fósforo em mudas de Acacia mangium Willd. Revista Árvore, Viçosa v. 21, p. 163-168, 1997.

COSTA, F. R.; RÊGO; E. R.; RÊGO; M. M.; NEDER; D. G.; SILVA; S. M.; SCHUNEMANN, A. P. P. Análise biométrica de frutos de umbuzeiro do semiárido Brasileiro. Bioscience Journal, v. 31, n. 3, p. 682-690, 2015.

CRUZ, F. R. S.; ANDRADE, L. A.; FEITOSA, R. C. Produção de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda Câmara) em diferentes substratos e tamanho de recipientes. Ciência Florestal, v. 26, n. 1, p. 69-80, 2016.

GOMES, R. P. O umbuzeiro. In: GOMES, P. Fruticultura brasileira. 11. ed. São Paulo: Nobel, 1990. p. 426-428.

GONZAGA NETO, L.; BEZERRA, J. E. F.; LEDERMAN, I. E.; DANTAS, A. P. Métodos de indução de germinação de sementes de umbu. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 9., 1988, Campinas. Anais... Campinas: Sociedade Brasileira de Fruticultura, 1988. p. 711-716.

LEITE, V.M., ROSELEM, C.A., RODRIGUES, J.D. Gibberellin and cytokinin effects on soybean growth. Scientia Agricola, v.60, n.3, p.537-541, 2003.

LOPES, V. A.; SOUZA, B. R.; MOURA, D. R.; DA SILVA, D. Z.; SILVEIRA, P. S.; MATOS, F. S. Crescimento inicial de plantas de eucalipto tratadas com giberelina. Academic Journal, v. 10, n.11, 1251-1255, 2015.

MATOS, F.S.; SILVA, D.Z.; SOUZA, B.R.; MOURA, D.R.; LOPES, V.A.; CARVALHO, D.D.C. e ARAUJO, M.S. Análise de crescimento, incidência de Rhizoctonia sp. e efeito antixenose para a formiga-cortadeira Atta sexdens rubropilosa F. Em clones de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla tradados com giberelina. Revista Árvore v.39, n.5: p.915-922, 2015.

MERTENS, J.; ALMEIDA-CORTEZ, J. S.; GERMER, J.; SAUERBORN, J. Umbuzeiro (Spondias tuberosa): a systematic review. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 36, p.87-106, 2015.

OECD/FAO (2015), OCDE-FAO Perspectivas Agrícolas 2015, OECD Publishing, París. 152p. .

PAULA, B.; CARVALHO FILHO, C. D.; MATTA, V. M. DA; MENEZES, J. DA S.; LIMA, P. DA C.; PINTO, C. O.; CONCEIÇÃO, L. E. M. G. Produção e caracterização físico-química de fermentado de umbu. Ciência Rural, Santa Maria, v.42, n.9, p.1688-1693, 2012.

REIS, G. G.; REIS, M. G. F.; FONTAN, I. C. I.; MONTE, M. A.; GOMES, N. A.; OLIVEIRA, C. H. R. Crescimento de raízes e da parte aérea de clones de híbridos de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla e de Eucalyptus camaldulensis x Eucalyptus spp submetidos a dois regimes de irrigação no campo. Revista Árvore, v. 30, n. 1, p.921-931, 2006.

RIOS, E. S.; PEREIRA, M. de C.; SANTOS, L. de S.; SOUZA, T. C. de; RIBEIRO, V. G. Concentrações de ácido indolbutírico, comprimento e época de coleta de estacas, na propagação de umbuzeiro. Revista Caatinga, v. 25, n. 1, p. 52-57, 2012.

R CORE TEAM, R: A language and environment for statistical computing, R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, Disponível em: http://www,R-project,org/, Acesso em: 15 abril de 2018.

SOKAL, R. R.; ROHLF, F. J. The principles and practice of statistics in biological research. San Francisco: WH Freeman and company, Fourth edition, p.222-223, 1969.

SYSTAT SOFTWARE. SigmaPlot for windows. Version 10.0. San Jose: Systat Software, 2006.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I.M.; MURPHY, A. Fisiologia Vegetal. 6 ed.

Porto Alegre: Artmed, 2017. 888p.

WAGNER JÚNIOR, A.; COSTA E SILVA, J. O.; SANTOS, C. E. M.; PIMENTEL, L. D.; NEGREIROS, J. R. S.; ALEXANDRE, R. S.; BRUCKNER, C. H. Ácido giberélico no crescimento inicial de mudas de pessegueiro. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, n. 4, p. 1035-1039, 2008.

WEISS, D.; ORI, N. Mechanisms of cross talk between gibberellin and other hormones. Plant Physiology, v.144, n.3, p.1240-6, 2007.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v13i48.7990

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.