Cultura política, universalismo e as relações de gênero como categorias históricas: um diálogo possível?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/frh.v23i42.15776

Palavras-chave:

Cultura Política, Universalismo, Relações de Gênero, Representação

Resumo

A proposta deste artigo é fazer uma reflexão a partir das categorias cultura política, universalismo e relações de gênero. Mais do que caracterizar exaustivamente cada uma delas meu propósito principal é identificar quais são as fundamentações das restrições que as duas primeiras categorias tecem sobre a última. Depois, analisarei se essas restrições possuem razoabilidade epistêmica e se fazem “justiça” para com as pesquisas sobre as relações de gênero. Para construir esse processo farei uso de algumas questões apontadas pelo lugar de fala, pautas identitárias e a interseccionalidade. Não pretendo exaurir todos os problemas que envolvem os estudos sobre a categoria gênero, mas discutirei porque há um incômodo presente na academia sobre essa ferramenta de análise. Tal ferramenta já apontou explicações que têm ajudado na compreensão de muitos problemas sociais como o preconceito, a intolerância e outros tipos de violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hélio Secretário dos Santos, Professor do Centro de Formação Antonino Freire (CFAF/UESPI)

Doutorando em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro / Pólen, 2019.

BAIRROS, Luíza. Nossos feminismos revisitados. In: RIBEIRO, Matilde (Org.). Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 3, 1995.

BERNSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: AZEVEDO, Cecília et al (org.). Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, pp. 29-46, 2009.

DAMICO, Jose Geraldo; DAVID, Emiliano de Camargo; SOUZA, Tadeu de Paula. Paradoxos das políticas identitárias: (des)racialização como estratégia quilombista do comum. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 42, e56465, 2020.

DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. Tradução de Joaquim Torres Costa e Antônio M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991.

FACCHINI, Regina; CARMO, Íris Nery do; LIMA, Stephanie Pereira. Movimentos feminista, negro e LGBTI no Brasil: sujeitos, teias e enquadramentos. Educação & Sociedade, Campinas, v. 41, e230408, 2020.

GOMES, José Henrique de Oliveira Souza. Políticas identitárias- um diálogo com as críticas de Francis Fukuyama e Mark Lilla. Caderno Eletrônico de Ciências Sociais, Vitória, v. 8, n. 1, pp. 91-107, 2020.

GROSFOGUEL, Ramón. Racismo, sexismo epistémico. Tabula Rasa, Bogotá, n.19, pp. 31-58, 2013.

HOBSBAWM, Eric. Manifesto para a renovação da história. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, João Pessoa, n. 23, pp. 461-476, 2009.

LACLAU, Ernesto. Universalismo, particularismo e a questão da identidade. Novos Rumos, Marília, n. 21 (8), pp. 30-36, 1993.

MOMBAÇA, Jota. Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala. (2017). Disponível em: < https://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicas-quanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala >. Acesso em: 28 set. 2021.

PATROCÍNIO, Paulo Roberto Tonani. Diferença: um conceito necessário. Revista Transversos. Rio de Janeiro, nº. 09, pp. 12-30, 2017.

PIERUCCI, Antônio Flavio. Ciladas da diferença. Tempo Social / Revista Sociologia da USP, São Paulo, n. 2 (2), pp. 7-33, 1990.

PITKIN, Hanna Fenichel. Representação: palavras, instituições e idéias. Lua Nova, São Paulo, n. 67, pp. 15-47, 2006.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento / Justificando, 2017.

SANTIAGO, Silviano. Glossário de Derrida: trabalho realizado no Departamento de Letras da PUC/RJ. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Reconhecer para libertar. Os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Vol. 3. Coleção Reinventar a emancipação social para novos manifestos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

YOUNG, Iris Marion. Representação política identidade e minorias. Lua Nova, São Paulo, n. 67, pp.139-190, 2006.

Downloads

Publicado

15/12/2021

Como Citar

Santos, H. S. dos. (2021). Cultura política, universalismo e as relações de gênero como categorias históricas: um diálogo possível?. Fronteiras, 23(42), 16–40. https://doi.org/10.30612/frh.v23i42.15776

Edição

Seção

DOSSIÊ 18: HISTORIAS MARGINAIS, ALTERIDADES E CRÍTICAS EPISTÉMICAS