‘Pacificando’ doutrinas cristãs: protestantismo/pentecostalismo e seu apoderamento por sociedades indígenas

Graziele Acçolini

Resumo


Neste artigo pretendo apresentar uma breve discussão acerca do protestantismo e mais especificamente do pentecostalismo e sua chegada ao Brasil, país cuja formação se deu sob o cristianismo católico, vide a atuação da companhia de jesus e suas missões ‘civilizadoras’ ainda no século xvi. Assim pretendo dar especial atenção à inserção dessas doutrinas cristãs, o protestantismo e o pentecostalismo, entre algumas sociedades indígenas. Para tanto, esboçarei posicionamentos teóricos sobre o tema, bem como apontamentos sobre o pentecostalismo presente nas terras indígenas do oeste paulista constituídas pelos terena, aqui minha inspiração a tal artigo, e também pelos guarani nhandeva, kaingáng e os krenák desde o início do século xx., são elas: Vanuíre (município de Arco-Iris/SP), Icatú (Braúna/SP) e Araribá (Avaí/SP). Particularmente, me aterei a Vanuíre, pois se trata da área a que tive maior acesso especialmente durante 2009 e 2010.

Palavras-chave


Protestantismo/pentecostalismo. Terena. T. I. Vanuíre/oeste paulista.

Texto completo:

PDF

Referências


ACÇOLINI, Graziele. 2004. Protestantismo à moda Terena. Tese de Doutorado em Antropologia, Universidade Estadual Paulista.

BITTENCOURT FILHO, José. 1989. “Remédio Amargo”. In: ANTONIAZZI, Alberto et al. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. 2 ed., Petrópolis, Vozes, p. 24-33.

D’ANGELIS, 1994. “O SIL e a redução da língua Kaingang à escrita: um caso de missão ‘por tradução’”. In: WRIGHT, Robin (org.). Transformando os deuses. Igrejas evangélicas, pentecostais e neopentecostais entre os povos indígenas no Brasil. V. II, Campinas, Ed. da UNICAMP, p. 112.

FRESTON, Paul. 1994. “Breve história do pentecostalismo brasileiro”. In: ANTONIAZZI, Alberto et al. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis, Vozes, p. 67-99.

FRESTON, Paul. 1998. Pentecostalism in Latin America: characteristics and controversies. Social Compass. International Review of Sociology of Religion, v. 3, n.45, p. 335-358.

GARCIA, Carlos Martinez. 1994. Las iglesias indígenas protestantes y la situacion politica en Chiapas. Ponencia presentada en la Third Interamerican Missiological Consultation: the social and religious significance of the grown of Latin America Protestantism. Philadelfia, october 6-8, p.1-26.

MARIANO, Ricardo. 1999. Pentecostais. Sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo, Loyola.

MARIZ, Cecília Loreto. 1994. “Libertação e ética: uma análise do discurso de pentecostais que se recuperaram do alcoolismo”. In: ANTONIAZZI, Alberto. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis, Vozes, p. 204-224.

MENDONÇA, Antonio Gouvea e Velasques Filho. 1990. Procópio: Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo, Loyola.

MENDONÇA, Antonio Gouvea. 1982. O celeste porvir: um estudo sobre a inserção do protestantismo na sociedade brasileira. Tese de doutorado em Antropologia, FFLCH/Universidade de São Paulo.

NAVARRO, Carlos Garma. 1984. Liderazgo protestante en una lucha campesina. México: América Indígena, v. 44, n. 1, enero-marzo, p. 127-141.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. 1998. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. MANA. Rio de Janeiro, Estudos de Antropologia Social, v. 4, n.1, p. 47-76.

PARAÍSO, Maria Hilda B. 1992. “Os Botocudos e sua trajetória histórica”. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (org). História dos índios no Brasil. São Paulo, Cia. das Letras, FAPESP, p. 413-430.

PINHEIRO, Niminon Suzel. 1999. Vanuíre: conquista, colonização e indigenismo. Oeste paulista, 1912-1967. Tese de Doutorado em Antropologia, FCL/Universidade Estadual Paulista.

RAPPAPORT, Joanne. 1984. Las misiones protestantes y la resistencia indígena en el sur de Colombia. México. América Indígena, v. 44, n.1, enero-marzo, p. 111-141.

RODRIGUES, Robson Antonio. 2007. Os caçadores-ceramistas do sertão paulista: um estudo etnoarqueológico da ocupação Kaingang no vale do rio Feio/Aguapeí. Tese de Doutorado em Arqueologia, Universidade de São Paulo.

SCHADEN, Egon. 1969. Aculturação Indígena. São Paulo, Ed. da Universidade de São Paulo.

WRIGHT, Robin. 2004. Transformando os Deuses. Igrejas evangélicas, pentecostais e neopentecostais entre os povos indígenas no Brasil. São Paulo, Editora da Unicamp.

WRIGHT, Robin. 2004. Transformando os Deuses. 1999. Os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas no Brasil. Campinas, Editora da Unicamp.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i9.9521

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.