Artefatos, história e cultura: urnas mortuárias e dinâmicas dos contatos

Marcel Mano, Tayná Bonfim Mazzei Mazza

Resumo


O artigo conjuga interesses da antropologia, da arqueologia e da história ao discutir registros arqueológicos de urnas mortuárias na região do triângulo mineiro, norte de São Paulo e sul de Goiás durante o período colonial. Com base numa série de materiais arqueológicos, documentais e bibliográficos disponíveis busca-se compreender esses registros a partir dos contextos de contatos intertribais e interétnicos que se desenvolviam nos séculos XVIII e XIX, conforme se depreende da documentação histórica. A partir do contexto dos contatos espera-se problematizar a presença das urnas mortuárias nessa região no período histórico, sobretudo em relação aos contextos fossilizados das classificações e das tradições, e apontar para os processos dinâmicos de redes e trocas entre diferentes alteridades, para os quais os registros parecem apontar.

Palavras-chave


História indígena. Jê meridionais. Cultura.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Marisa C.; MORAES, Camila A. 2005-2006. “O sítio Água Branca: interações culturais dos grupos ceramistas no norte do estado de São Paulo”. Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, nº15-16.

ALVES, M. A. 1992. “As estruturas arqueológicas do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro — Minas Gerais”. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 2:27-47.

ALVES, M. A.; FAGUNDES, M. 2003. “Tecnotipologia da cerâmica pré-histórica do Projeto Quebra Anzol, Minas Gerais”. Anais do XII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, São Paulo.

ALVES, Daniela Santos. 2017. Do Alto do Espia: gentios, calhambolas e vadios no sertão do Campo Grande – séc. XVIII. Dissertação de Mestrado em Ciências Humanas, Universidade Federal de Uberlândia.

BAHBBA, Homi K. 1998. O local da Cultura. 2ª ed. Tradução de Myrian Ávila; Eliana Lourenço de Lima Reis; Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte, Editora da UFMG. (Introdução: Locais da Cultura, p. 09-42).

BARTH, Fredrik. 2000. O Guru o iniciador: E outras variações antropológicas. Organização de Tomke Lask. Tradução de John Cunha Comerford. Rio de Janeiro, Editora Contra Capa.

BROCHADO, J. P. 1980. “A tradição cerâmica Tupiguarani na América do Sul”. Revista de Pesquisa Histórica, Pernambuco, nº 03, p. 47-60.

BROCHADO, J. P. 1989. A expansão dos Tupi e da cerâmica da tradição policrômica amazônica. Dédalo: Revista de Arte e Arqueologia, São Paulo.

CAMPOS, Antonio Pires de. 1976. “Breve notícia do gentio bárbaro que há na derrota das minas de Cuiabá e seu recôncavo, na qual declara-se os reinos [...]”. In: TAUNAY, Afonso d’E. (org). Relatos sertanistas. 2a ed, São Paulo, Editora Livraria Martins, p. 181-200.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 2009. Cultura com aspas e outros ensaios. 1ª ed. São Paulo, COSACNAIFY.

CARVALHO, Maria do Rosário de. 2011. “De índios misturados a índios regimados”. In: CARVALHO, Maria do Rosário de; REESINK, Edwin; CAVIGNAC, Julie (orgs). Negros no mundo dos índios: imagens, reflexos, alteridades. Natal, Editora EDUFRN, p. 337-356.

DELEUZE, Guiles; GUATTARI, Félix. 2011. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia, Vol. 1, São Paulo, Editora 34 Ltda.

FAGUNDES, Marcelo. 2015. “Histórico das pesquisas arqueológicas no Triângulo Mineiro: a história indígena pré-colonial”. In: FERREIRA FILHO; José Aurelino. Índios do Triângulo Mineiro: História, arqueologia, fontes e patrimônio, pesquisas e perspectivas. Uberlândia, Editora EDUFU.

FAUSTO, Carlos. 2001. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. 1ª ed. São Paulo, Editora EDUSP.

FERREIRA FILHO, Aurelino. 2015. “Índios no Triângulo Mineiro: autoreconhecimento e direitos étnico-culturais”. In: FERREIRA FILHO; José Aurelino. Índios do Triângulo Mineiro: História, arqueologia, fontes e patrimônio, pesquisas e perspectivas. Uberlândia, Editora EDUFU.

GINZBURG, C. 1989. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2ª ed. São Paulo, Editora Cia das Letras.

GIRALDIN, Odair. 2001. “Fazendo Guerra; Criando Imagens; Estabelecendo Identidades. A ocupação do centro-oeste e os conflitos com os Kayapó no século XVIII”. Revista História Revista, nº6 (1), Goiânia, 55 – 74.

GORDON, César. 2006. Economia selvagem: ritual e mercadoria entre os índios Xikrin-Mebêngôkre. São Paulo, Editora UNESP, Cap. 2, 10, conclusão.

INGOLD, Tim. 2015. Estar Vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Rio de Janeiro, Editora Vozes.

JUNQUEIRA, Gabriela G. 2017. O visível e o invisível nas relações de contato dos grupos Jê meridionais: uma análise da caça, guerra e dos rituais funerários como relações de predação e controle dos poderes latentes da alteridade. Dissertação de Mestrado em Ciências Humanas, Universidade Federal de Uberlândia.

LEA, Vanessa. 2012. Riquezas intangíveis de pessoas partíveis: os Mebêngôkre (Kayapó) do Brasil Central. São Paulo, Editora EDUSP. Cap. 8 e 9.

MANO, Marcel. 2006. Os campos de Araraquara: Um estudo de história indígena no interior paulista. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

MANO, Marcel. 2009. “A cerâmica e os rituais funerários: Xamanismo, Antropofagia e Guerra entre os Tupi-Guarani”. Revista Interações – Cultura e Comunidade, Uberlândia, Editora Católica, v.4 n. 5; p. 111-128.

MANO, Marcel. 2011. “Contato, guerra e paz: problemas de tempo, mito e história”. Revista Política e Trabalho, vol. 27, nº 34, João Pessoa, p.193-211.

MANO, Marcel. 2012. “Sobre as penas do gavião mítico: história e cultura entre os Kayapó”. Revista Tellus, ano 12, n. 22, Campo Grande, p. 133-154.

MANO, Marcel. 2015. “Índios e negros nos sertões das minas: contatos e identidades”. Revista Varias Histórias, vol. 31, n. 56, Belo Horizonte, p. 511-546.

MANO, Marcel. Itinerários e encontros culturais: índios e negros na história dos contatos dos Kayapó meridionais – séculos XVIII e XIX. Relatório final de pesquisa. CNPq, Processo: 477230/2012-1 –APQ, 2015b.

MATTOS, Izabel Missagia de. 2006. “O litígio dos Kayapó no Sertão da Farinha Podre (1847-1880)”. Revista Dimensões, vol. 18, Vitória, p. 139-148.

MEDEIROS, João Cabral. 2007. Cultura material lítica e cerâmica das populações pré-coloniais dos sítios Inhazinha e Rodrigues Furtado, município de Perdizes, MG estudo de cadeias operatórias. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.

MONTEIRO, John Manuel. 1994, Negros da terra - índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo, Editora Cia. das Letras.

MONTEIRO, John Manuel.. 2001. Tupis, Tapuias e os historiadores: Estudos de História Indígena e do Indigenismo. Campinas, Editora Unicamp.

MONTERO, Paula. 1997. "Globalização, identidade e diferença". Revista Novos Estudos Cebrap. Nº 49, São Paulo, p. 47-64.

MORI, Robert. 2015. Os aldeamentos indígenas no Caminho dos Goiases: guerra e etnogênese no sertão do Gentio Cayapó (Sertão da Farinha Podre) séculos XVIII e XIX. 2015. 232 f. Dissertação de Mestrado em Ciências Humanas, Universidade Federal de Uberlândia.

MUSEU DO ÍNDIO. 2018 Os Kayapó. Disponível In: http://prodocult.museudoindio.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=103&Itemid=262 (acessado em 29 de Novembro de 2018).

PONTES, Hildebrando. 1978. História de Uberaba e a Civilização no Brasil Central. 2ª ed. Uberaba, Editora Academia de Letras do Triângulo Mineiro.

RASTEIRO, Renan Pezz. 2015. Arqueologia dos Jê da Bacia do Rio Grande: História Indígena no norte de São Paulo e no Triângulo Mineiro. Dissertação de mestrado em Arqueologia, Universidade de São Paulo.

ROBRAHN-GONZÁLEZ, E. M. 2000. “São Paulo: terra de fronteiras: a ocupação de grupos ceramistas pré-coloniais”. IN: Anais do IX Congresso da Sociedade de Arqueologia. Rio de Janeiro.

SAHLINS, Marshall. 1987. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Zahar Editor.

SCHMITZ, P.I et. al. 1982. “Arqueologia do Centro Sul de Goiás. Uma fronteira de horticultores indígenas no Centro do Brasil”. Revista do Instituto Archietano de Pesquisas, n. 33, São Leopoldo, p. 49-102.

TURNER, Terence. 1992. “Os Mebengokre Kayapó: história e mudança social, de comunidades autônomas para a coexistência interétnica”. In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (org). História dos índios no Brasil, São Paulo, Editora Cida das Letras, p. 311-338.

VASCONCELOS, Eduardo Alves. 2013. Investigando a hipótese Cayapó do Sul-Panará. Tese de Doutorado, Universidade de Campinas.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i9.9516

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.