O silêncio como discurso: o projeto de lei “escola sem partido” e a invisibilidade da juventude LGBT na lógica da mordaça

Maria Eduarda Parizan Checa, Andrea Cristina Coelho Scisleski

Resumo


Este artigo problematiza a interdição à cidadania da juventude LGBT a partir tanto da atual tramitação do PL (Projeto de Lei) “Escola sem Partido” na Câmara Municipal de Campo Grande – MS quanto das reverberações dos discursos que o permeiam em nível nacional. O PL tem como determinação a proibição da abordagem de temas como gênero e sexualidade nas escolas, com a justificativa de que tais temas marcariam uma postura “partidária” da escola, enquanto a mesma deveria ser politicamente neutra, deixando a abordagem de tais questões exclusivamente no âmbito familiar. Um dos questionamentos que o presente trabalho suscita é “Em um cenário em que a juventude LGBT é majoritariamente violentada por familiares e conhecidos (GRUPO GAY DA BAHIA, 2017), a escola, enquanto espaço de produção de cidadania, não deveria ser a esses jovens um espaço de proteção?” e mais: “Ao silenciar os temas que poderiam dar voz às eventuais violências sofridas por esses jovens, a escola não seria, ela mesma, um espaço violador?”. Ao pensar, juntamente com Foucault (1999), o processo de produção de discursos em meio às relações de saber-poder que atravessam o atual cenário pós-golpe em que vivemos, entendemos que a proposta do PL de neutralidade do espaço escolar é defensora de uma escola que toma partido pela (re)produção da invisibilização da juventude LGBT a partir da proibição discursiva da mesma no espaço escolar. Em outras palavras, a obrigação do silêncio das questões de gênero e sexualidade na escola institui uma política não apenas de legitimação da violência sofrida por essa população, como também compõe parte de um cenário de desmonte de Políticas Públicas implicadas na visibilidade de populações marginalizadas, visando, sobretudo, formas capilares de extermínio das mesmas.

Palavras-chave


Juventude LGBT. Escola sem partido. Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. 2004. Estado de exceção: homo sacer II. São Paulo: Boitempo.

AGAMBEN, Giorgio. 2009. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó – SC: Argos.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. 2016. Pesquisa nacional sobre o ambiente educacional no Brasil 2016: as experiências de jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais.

BRASIL. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília – DF: 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htmAcesso em: 16 de agosto de 2016.

BRASIL. 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília – DF.

BRASIL. 1997. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 126p.

BRASIL. 2009. Promoção nacional da cidadania e dos Direitos Humanos de LGBT. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, Subsecretaria de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Programa Brasil sem Homofobia. Brasília.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. 2015. Projeto de lei nº 219/2015. Campo Grande – MS. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=946058 Acesso em 23 de outubro de 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. 2013. Projeto de lei nº 6583/13. Brasília – DF. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1159761 Acesso em 23 de outubro de 2016

CÂMARA DOS DEPUTADOS. 2016. Projeto de Lei nº 8.242/16 de 28 de março de 2016. Campo Grande-MS. Disponível em: www.camara.gov.br/sileg/integras/1317168.pdf Acesso em 03 de agosto de 2016.

HARFOUCHE, Sérgio. 2017. Audiência pública “Restaurando possibilidades para fortalecer os papéis da comunidade escolar e da família para prevenir a evasão e a violência. Audiência Pública na Câmara Municipal de Dourados – MS, 18 de agosto de 2017. Mímeo

CAMPO GRANDE NEWS. 2016. Barrada na Justiça, vereador tenta de novo emplacar escola sem partido. Matéria publicada pelo jornal local Campo Grande News, no dia 10 de junho de 2017. Disponível em: https://www.campograndenews.com.br/politica/barrada-na-justica-vereador-tenta-de-novo-emplacar-escola-sem-partido Acesso em: 16 de junho de 2017.

CAMPO GRANDE NEWS. 2010. Kit anti-homofobia do MEC causa problemas. Matéria publicada pelo jornal local Campo Grande News, no dia 15 de dezembro de 2010. Disponível em: https://www.campograndenews.com.br/politica/kit-anti-homofobia-do-mec-causa-mais-uma-polemica-na-camara-da-capital Acesso em 06 de junho de 2017.

CAMPO GRANDE NEWS. 2017. Barrada na Justiça, vereador tenta de novo emplacar escola sem partido. Matéria publicada pelo jornal local Campo Grande News, no dia 10 de junho de 2017. Disponível em: https://www.campograndenews.com.br/politica/kit-anti-homofobia-do-mec-causa-mais-uma-polemica-na-camara-da-capital Acesso em: 06 de junho de 2017.

CAPITAL NEWS. 2016. Aprovado pela Câmara de Campo grande, projeto quer proibir professores de discutir política e sexualidade. Matéria publicada pelo jornal local Capital News, no dia 02 de abril de 2016. Disponível em: http://www.capitalnews.com.br/politica/aprovado-pela-camara-de-campo-grande-projeto-quer-proibir-professores-de-discutir-politica-e-sexualidade/289791 Acesso em: 14 de abril de 2016.

CAPITAL NEWS. 2016. Em MS, projeto “Escola sem Partido” foi apresentado por ex-vereador condenado por exploração sexual. 2016b. Matéria publicada pelo jornal local Capital News, no dia 05 de abril de 2016. Disponível em: http://www.capitalnews.com.br/politica/em-ms-projeto-escola-sem-partido-foi-apresentado-em-2014-por-ex-vereador-condenado-por-exploracao-sexual/289853 Acesso em: 13 de maio de 2016.

FETEMS. 2016. Todos contra a Lei da mordaça no ensino público. Texto publicado por Roberto Botareli (presidente da FETEMS). Disponível em: http://www.fetems.org.br/Utilidades/view/noticia:236/categoria:/search/menu:5/submenu:35 Acesso em: 15 de julho de 2017.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. 2001. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, n. 114, novembro/ 2001 Cadernos de Pesquisa, n. 114, p. 197-223.

FÓRUM DA JUVENTUDE DA GRANDE BH. 2017. PL 274 Escola Sem Partido. Vídeo disponibilizado no Youtube em 12 de agosto de 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lfLevsqH5EE Acesso em 12 de agosto de 2017.

FOUCAULT, Michel. 1996. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France. Pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Editora Loyola.

FOUCAULT, Michel. 1999. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Editora Graal, 13ª ed.

FOUCAULT, Michel. 2002. Os anormais: curso dado no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. 2008. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 35. ed. Petrópolis: Vozes.

GRUPO GAY DA BAHIA. 2018. Pessoas LGBT mortas no Brasil: relatório 2017. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf Acesso em 16 de julho de 2018

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. 1996. Micropolítica: Cartografias do desejo. Petrópolis – RJ: Editora Vozes, 4ª ed.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. 2017. Palestra ministrada durante o evento Ciclo de debates (de)marcando diferenças no dia 12 de junlo de 2017. Campo Grande – MS: Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS, Mímeo.

LOURO, Guacira Lopes. 2008. Gênero e Sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56) - maio/ago.

MIDIAMAX. 2016. Bernal anuncia veto à ‘Lei da Mordaça’ e Siufi reage: ‘sem base, derrubamos’: proposta restringe conteúdo sobre sexo e política nas escolas. Matéria publicada pelo jornal local Midiamax em 04 de abril de 2016. Disponível em: http://www.midiamax.com.br/politica/bernal-anuncia-veto-lei-mordaca-siufi-reage-se-nao-tiver-base-derrubamos-296111 Acesso em: 05 de abril de 2016.

NAGIB, Miguel. 2013. Escola sem partido: educação sem doutrinação. Movimento social cujas informações estão disponíveis em: http://www.escolasempartido.org Acesso em: 20 de julho de 2016.

OLIVEIRA, Esmael Alves.; DUQUE, Tiago. 2016. Políticas do corpo, políticas da vida: uma análise sobre o Estatuto da Família no Brasil. Ñanduty, v.4, n.5. pp. 132-153.

PERUCCHI, Juliana; BRANDÃO, Brune Coelho; VIEIRA Hortênsia Isabela dos Santos. 2014. Aspectos psicossociais da homofobia intrafamiliar e saúde de jovens lésbicas e gays. Universidade Federal de Juiz de Fora, Estudos de Psicologia, 19(1), janeiro a março 1-88.

SEFFNER, Fernando. 2016. Atravessamentos de gênero, sexualidade e educação: tempos difíceis e novas arenas políticas. Texto enviado como trabalho completo ao Eixo 18 (Gênero, sexualidade e educação) da XI Reunião Científica Regional da AMPED (AMPED SUL) que ocorreu em Curitiba – PR em julho de 2016. Disponível em: http://www.anpedsul2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2015/11/Eixo-18-G%C3%AAnero-Sexualidade-e-Educa%C3%A7%C3%A3o.pdf Acesso em 03 de Agosto de 2017.

SEFFNER, Fernando. 2017. Palestra ministrada durante o evento Ciclo de debates (de)marcando diferenças no dia 21 de junho de 2017. Campo Grande – MS: Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS, Mímeo.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i8.8842

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.