“Ideologia de gênero”: pânicos morais, silêncios tagarelas e a (re)produção de normas binárias de gênero

Camila Camargo Ferreira, Márcio Mucedula Aguiar

Resumo


No presente artigo, buscamos delinear a emergência do cenário de combate ao que tem sido chamado nos tensionamentos acerca das questões de gênero e sexualidade de “ideologia de gênero”. Pretendemos identificar, a partir de uma análise genealógica foucaultiana, quais são as relações de poder e os regimes de saber/verdade que dão sustentação a esse fenômeno. Como foco de análise, nos debruçamos sobre os discursos que permeiam/compõem os projetos de lei apresentados no Congresso Nacional voltados à proibição da chamada “ideologia de gênero” e à instituição do Programa Escola Sem Partido nas principais diretrizes educacionais brasileiras. O objetivo é demonstrar que as articulações de forças conservadoras moralistas no Congresso acionam e são acionadas por pânicos morais em torno da presença das temáticas de gênero e de sexualidade no âmbito escolar, bem como, evidenciar o que se esconde e se mostra por detrás desse processo. Por meio de nossa análise apontamos que longe de figurarem como mecanismos de repressão, essas proposições têm uma função dual de poder, tanto jurídica como produtiva, que se articulam no sentido de proibir os temas de gênero e sexualidade na escola, por um lado, e, por outro, reiterar um determinado “regime” de poder-saber-verdade sobre o binômio sexo-gênero que sustenta/reitera a matriz heterossexual. Sugerimos que os projetos de lei se tratam de dispositivos jurídicos centrados na imposição de um silenciamento tagarela, que fala sobre as normas e (in)coerências binárias de gênero muito mais do que as cala.

Palavras-chave


“Ideologia de gênero”. Heterossexualidade compulsória. Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Editora Civilização Brasileira, 11 ed. Rio de Janeiro, 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. 2014. Projeto de Lei nº 7180/2014. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2014. In: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=91CE19FE20C4576DB3BCB6DB01BD9595.proposicoesWebExterno1?codteor=1230836&filename=PL+7180/2014 (acessado em jun. 2017).

______. 2014a. Discursos e notas taquigráficas: Comissão Especial PL 8035/2010 – Plano Nacional de Educação. – Brasília, DF, 2014. In: http://www2.camara.leg.br/deputados/discursos-e-notas-taquigraficas/discursos-em-destaque/plano-nacional-de-educacao/comissao-especial-pl-8035-2010-ano-de-2014 (acessado em jun. 2017).

______. 2015. Projeto de Lei nº 1411/2015. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2015. In: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1330054&filename=PL+1411/2015 (acessado em jun. 2017).

_______, 2015a. Projeto de Lei n° 1859/2015. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2015. In: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1346799&filename=PL+1859/2015 (acessado em jun. 2017).

______, 2015b. Projeto de Lei n° 2731/2015. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2015. In: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1374936&filename=PL+2731/2015 (acessado em jun. 2017).

______, 2016. Projeto de Lei 5487/2016. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2016. In: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1465056&filename=PL+5487/2016 (acessado em jun. 2017).

______, 2017. Projeto de Lei 8933/2017. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2017. In: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=394AB7BD0770E705F9AC0F701E68AB72.proposicoesWebExterno2?codteor=1614020&filename=PL+8933/2017 (acessado em jan. 2018).

CARRARA, S. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no Brasil contemporâneo. Rev. Mana, v. 21, n. 02, pp. 323-345, 2015.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 2 ed. – São Paulo, Paz e Terra, 2015.

_______. Microfísica do Poder. Org. e Tradução de Roberto Machado. – Rio de Janeiro, Edições Graal, 1998.

GONÇALVES, R. A atuação de Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM). Rev. Mandrágora, São Paulo, v. 23, n. 2, 2017, pp. 205-245.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se torou uma “ameaça à família natural? In: RIBEIRO, P. MAGALHÃES, J. Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. – Rio Grande: Ed. Da FURG, 2017.

LISPECTOR, Clarice. Água Viva. Editora Rocco. Rio de Janeiro, 1998.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MACHADO, Lia Zanotta. Feminismos brasileiros nas relações com o Estado. Contextos e incertezas. Cad. Pagu, Campinas, v.47, 2016.

MELLO, Luiz. Novas famílias: conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. – Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

MIGUEL, Luís Felipe. Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na eleição para o Congresso brasileiro. Revista de Sociologia e Política, n. 20, Curitiba, 2003, pp. 115-34.

______. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” – Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Rev. Direito e práxis, Rio de Janeiro, v.07, n.15, pp. 590-621, 2016.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social – reflexões sobre o casamento gay. Cad. Pagu [online], n. 28, jan-jun, pp.101-128, 2007.

______. Estética da existência e pânico moral. In: RAGO, M. Veiga-Neto (Org.s). Figuras de Foucault. 2ed. – Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Rev. Sociedade e Estado, v. 32, n. 03, set-dez, pp.725-747, 2017.

PATRIOTA51. Projeto de lei de autoria do deputado Erivelton Santana “Escola Sem Partido”, tramita na Câmara desde 2014. Disponível em: Acesso em: 15 dez 2017.

PENNA, Fernando. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G (Org). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. – Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual. – São Paulo: n-1 edições, 2017.

ROSADO-NUNES, Maria José Fontelas. A “ideologia de gênero” na discussão do PNE. A intervenção da hierarquia católica. Rev. Horizonte, Belo Horizonte, v. 13, n.39, pp.1237-1260, jul-set. 2015.

RUBIN, Gayle. Pensando sobre Sexo: notas para uma teoria radical da política da sexualidade. Cad. Pagu, n. 21, 2003.

SANTANA, Erivelton. Documentário 01 – Deputado Erivelton Santana. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=0F_QrNpnsw4>. Acesso em: 15 dez 2017.

SEFFNER, Fernando. Atravessamentos de gênero, sexualidade e educação: tempos difíceis e novas arenas políticas. In: Reunião Científica Regional da ANPED: Educação, movimentos sociais e políticas governamentais. 24 a 27 de julho de 2016, UFPR, Curitiba, Paraná.

SENADO FEDERAL, 2016. Projeto de Lei do Senado nº 193/2016. Inteiro teor. – Brasília, DF, 2016. In: https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=569947&disposition=inline (acessado em jun. 2017).




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i8.8838

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.