Territorialidade e demarcação de terras indígenas no Tocantins: o histórico dos Karajá do Norte

Daíse Alves, Martha Victor Vieira

Resumo


Este artigo pretende analisar a demarcação da Terra Indígena Xambioá, localizada em Santa Fé do Araguaia, Estado do Tocantins. Nosso objetivo é demonstrar como o governo brasileiro, por meio das políticas indigenistas, ignora a territorialidade indígena e dificulta a regularização das suas terras, beneficiando os interesses daqueles agentes que pretendem explorar economicamente os espaços ocupados por esses povos originários.

Palavras-chave


Karajá do Norte. Territorialidade. Estado do Tocantins.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Francisco Edviges. 2013. “Índios do Tocantins: aspectos históricos e culturais”. In: SILVA, Norma Lucia da; VIEIRA, Martha Victor. (Org.). Ensino de história e formação continuada: teorias, metodologias e práticas? Goiânia: Ed. da PUC Goiás, pp. 135-

ALMEIDA, Maria Regina C. 2013. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. 2ª ed. Rio de Janeiro, Editora FGV.

ATA DO CONSELHO GERAL DA PROVÍNCIA DE GOIÁS. 1832. In. A Matutina Meiapontense, Meiaponte, nº 340, pp. 1-2.

BRASIL. Câmara dos Deputados. 2017. Relatório Final CPI FUNAI e INCRA 2. Disponível em: . (Acessado em 10 de julho de 2017).

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: . (Acessado em 7 de outubro de 2016).

BRASIL. Decreto n. 1.775, de 8 de janeiro de 1996. Dispõe sobre o procedimento administrativo de demarcação das terras indígenas e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 8 jan. 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D1775.htm>. (Acessado em 7 de outubro de 2016).

BRASIL. Decreto nº 76.999, de 8 de janeiro de 1976. Dispõe sobre o processo administrativo de demarcação das terras indígenas e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 1976. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-76999-8-janeiro-1976-425608-publicacaooriginal-1-pe.htmll>. (Acessado em 07 de maio de 2017).

BRASIL. Decreto n. 8.072, de 20 de junho de 1910. Cria o Serviço de Proteção ao Índio e Localização dos Trabalhadores Nacionais e aprova o respectivo regulamento. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, RJ, 26 jun. 1910. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D1775.htm>. (Acessado em 7 de outubro de 2016).

BRASIL. Lei nº 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 19 dez. 1973. Disponível em: . (Acessado em 7 de outubro de 2016).

CAVALCANTE, Thiago Leandro. 2016. “Terra indígena: aspectos históricos da construção e aplicação de um conceito jurídico”. História, 35. In: http://www.scielo.br/pdf/his/v35/0101-9074-his-35-00075.pdf. (Acessado em 20 de março de 2017).

CERTEAU, Michel de. 2008. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 14ª ed. Petrópolis, Vozes.

FLORES, Lucio Paiva; MACIEL, Márcia Regina Antunes; ALMEIDA, Soraia Campos. Núcleo Regional Amazônia Cerrado. 2016. A experiência do projeto GATI em Terras Indígenas. Brasília:IEB. In:http://cggamgati.FUNAI.gov.br/files/1814/8837/9954/Ncleo_Regional_Amazonia_Cerrado.pdf. (Acessado em 13 de julho de 2017).

FRANÇA, A. A. O. 2016. Terras Indígenas do Tocantins. (Elaboração própria).

FUNAI. Modalidades de Terras Indígenas. s/d. In: http://www.funai.gov.br/index.php/indiosno-brasil/terras-indigenas.

(Acessado em 05 de outubro de 2016).

FUNAI. O Brasil Indígena (IBGE). 2016. In: http://www.funai.gov.br/index.php/indios-nobrasil/o-brasil-indigena-ibge. (Acessado em 05 de outubro de 2016).

FUNAI. 1990. Processo de Demarcação nº 08620.002350/1990-09. Brasília, DF: FUNAI.

FUNAI. Terras indígenas. 2017. In: http://www.funai.gov.br/index.php/indios-nobrasil/terras-indigenas.

(Acessado em 06 de novembro de. 2017).

GIRALDIN, Odair. “Catequese e Civilização. Os Capuchinhos “entre” os “Selvagens” do Araguaia e Tocantins”. 2002. Boletim Museu. Paraense - Emílio Goeldi, Belém, 18 (2). (Série Antropologia). In: http://uft.edu.br/neai/file/odair_catequese_civilizacao.pdf. (Acessado em 12 de janeiro de 2017).

GIRALDIN, Odair. “Povos Indígenas e não indígenas: uma introdução às relações inter-étnicas no Tocantins”. 2002. In. GIRALDIN, O. (Org.). A (Trans)formação histórica do Tocantins. Goiânia, UFG, pp. 109-135.

HAESBAERT, Rogério. 2007. “Território e multiterritorialidade: um debate”. GEOgrafia. 9 (17), pp. 19-45. In: http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/view/213/205. (Acessado em: 20 de janeiro de 2017).

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. O Brasil indígena (IBGE 2010). In: http://www.FUNAI.gov.br/index.php/indios-no-brasil/o-brasil-indigena-ibge. (Acessado em 05 de outubro de 2016).

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016 Tocantins, Santa Fé do Araguaia. In: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=171886&search=tocantins|santafe-do-araguaia. (Acessado em 13 de dezembro de 2016).

JACOBS, Lydie Oiara Bonilla. 2000. Reproduzindo-se no mundo dos brancos: estruturas Karajá em Porto Txuiri (Ilha do Bananal -Tocantins). Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

GOMES, Adriano Dias (Karajá). 2016 “Aspectos territoriais e culturais do povo Karajá-Xambioá”. In: ANAIS DO ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, A CONSTRUÇÃO DO BRASIL: GEOGRAFIA, AÇÃO POLÍTICA E DEMOCRACIA, 18, 2016. São Luís (MA). São Luís (MA).

KARASCH, Mary. 1992. “Catequese e Cativeiro: política indigenista em Goiás: 1780- 1889”. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras; Secretaria Municipal de Cultura; FAPESP.

LITTLE, Paul. 2002. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. (Série Antropológica). Brasília. In: http://www.direito.mppr.mp.br/arquivos/File/PaulLittle1.pdf. (Acessado em 10 de agosto de 2016).

LUCHIARI, Maria Tereza Duarte Paes. 2001. “A (re)significação da paisagem no período contemporâneo”. In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato. (orgs.). Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro, EdUERJ.

MARCONI, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zelia Maria Neves. 2015. Antropologia: uma introdução. 7ª ed. São Paulo, Atlas.

MELO, Maria Guiomar. 1996. “Terra Indígena Xambioá, histórico”. In: Processo de Demarcação nº 08620.002350/1990-09 Brasília, FUNAI, pp. 68-115.

NASCIMENTO, André Marques do. 2013. “Ações para a revitalização linguístico-cultural entre o povo Xambioá: lições desde projetos comunitários”. Tellus, Campo Grande, 13 (25), pp. 83-105.

OLIVEIRA, João Pacheco. “Uma etnologia dos "índios misturados"? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais”. In: Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998.

OLIVEIRA, João Pacheco de; ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. 1988. “Demarcação e reafirmação étnica: um ensaio sobre a FUNAI”. In: OLIVEIRA, João Pacheco de (org). Indigenismo e territorialização: poderes, rotinas e saberes coloniais no Brasil contemporâneo. Rio de janeiro, Contra-capa.

OLIVEIRA, João Pacheco de; FREIRE. Carlos Augusto da Rocha. 2006. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional.

RIBEIRO, Darcy. 1979. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. 3ª ed. Petrópolis, Vozes.

ROCHA, Leandro. 1998. O Estado e os índios: Goiás - 1850-1889. Goiânia, UFG.

SILVA, Cleube Alves da. 2010. Confrontando mundos: os povos indígenas Akwen e a conquista de Goiás (1749-1851). Palmas, Nagô.

TAVEIRA, Edna Luísa de Melo. 1982. Etnografia da Cesta Karajá. Goiânia, Ed. da Universidade Federal do Goiás.

TOCANTINS. Lei nº 251, de 20 de fevereiro de 1991. Cria municípios e dá outras providências. Diário Oficial nº 60, Palmas-TO, 20 fev de 1991. In: http://www.al.to.gov.br/arquivo/6509. (Acessado em 26 de janeiro de 2017).

TORAL, André. 1992. Cosmologia e sociedade Karajá. 1992. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v5i7.7798

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.