Apontamentos sobre a economia da borracha e a exploração da mão de obra indígena em Rondônia

Carlos Alexandre Barros Trubiliano

Resumo


A virada do século XIX para o XX foi marcado pela expansão das atividades econômicas na região amazônica, causando profundos impactos socioespaciais. Impulsionado pelas demandadas internacionais da borracha ergueram-se barracões, portos e estradas. Sob a égide do discurso do progresso, milhares de trabalhadores foram cooptados para labutarem na extração do látex. Nos seringais as relações foram marcadas pela violência. Este ensaio apresenta apontamentos sobre a exploração da mão de obra indígena na formação dos seringais em Rondônia. Tratamos sobre as estratégias de cooptação do trabalhador, as condições de trabalho e o contato interétnico. Nosso objetivo foi de contribuir para o debate sobre a expansão das relações capitalistas na região amazônica e os impactos desse processo para as populações indígenas rondonienses.

Palavras-chave


Indígena. Seringais. Capitalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Terri Valle. 1985. Os Kaxarari. Relatório de avaliação, CPI-Acre.

BRASIL. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente – “Relatório do Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite”. IBAMA/CSR. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf_chm_rbbio/_arquivos/relatoriofinal_cerrado_2010_final_72_1.pdf>. (Acessado em 29 de julho de 2017).

CAMARGO, Felisberto C. 1943. Considerações relativas ao problema de formação de seringais na Amazônia. Belém, Instituto Agronômico do Norte. (Circular n. 1).

CARRERA, Nicolás Iñigo. 1988. “La violencia como potencia económica: Chaco 1870-1940”. In: Conflictos y Procesos de la Historia Contemporánea Argentina. CEAL, Buenos Aires, n. 11.

CASPAR, Franz. 1958. Tuparí: entre os índios, nas florestas brasileiras. São Paulo, Melhoramentos.

CASTRO, Maria Inês Malta. 1993. O preço do progresso: a construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (1905-1914). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Estadual de Campinas.

COMTE, Augusto. 1978. Curso de Filosofia Positiva. São Paulo, Abril Cultural. (Coleção: Os Pensadores).

ELIAS, Norbert. 1994. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro, Zahar (v.1).

FONSECA, Dante Ribeiro da; TEIXEIRA, Marcos Antonio Domingues. 2003. História Regional (Rondônia). Porto Velho, Rondonia. FUNAI. 1997. Relatório de viagem à Área Indígena Kaxarari.

HOBSBAWM, Eric J. 1984. A Era das Revoluções (1789-1848). 7. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

HOBSBAWM, Eric J. 1998. A Era dos Impérios. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. 1991. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio.

INPE & EMBRAPA: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Levantamento de informações de uso e cobertura da terra na Amazônia, 2017. (Acessado In: http://www.inpe.br/cra/projetos_pesquisas/terraclass.php em

de junho de 2017).

IZIDORO, Edinéia Aparecida. 2006. Situação sociolingüística do povo Arara: uma história de luta e resistência. Dissertação de Mestrado em Letras, Universidade Federal de Goiás.

KOHLHEPP, Gerd. 2002. “Conflitos de interesse no ordenamento territorial da Amazônia brasileira.” Estudos Avançados. São Paulo , 16 (45).

LAGOS, Marcelo. 1999/2000. “Problemática del aborigen chaqueño. El discurso de la “integración” 1870-1920”. Travesía, Buenos Aires, 3: 69-98.

MALDI, Denise. 1991. “O complexo cultural do Marico: sociedades indígenas dos rios Branco, Colorado e Mequens, afluentes do Médio Guaporé”. Boletim do MPEG, Antropologia, Belém, 7 (2): 209-69.

MALDI, Denise. 1984. Populações indígenas e a ocupação histórica de Rondônia. Cuiabá, Universidade Federal de Mato Grosso.

MARTINS, José de Souza. 1979. O cativeiro da Terra. São Paulo, Livraria Editora Ciências Humanas.

MEDEIROS FILHO, João; SOUZA, Itamar. 1984. Os Degredados Filhos da Seca. Petrópolis, Vozes.

MEDEIROS, Edilson Lucas. 2003. Rondônia Terra dos Karipunas. Porto Velho, Rondoforms.

MORAES, Antonio Carlos Robert. 2003. “O Sertão: um „outro‟ geográfico”. Terra Brasilis, Rio de Janeiro, 3-4 (4-5): 11-23.

NEVES, Josélia Gomes. 2006. Em defesa do Rio Machado e sua gente, os índios da etnia Arara e Gavião avisam: não queremos barragens. Relatório de Atividades de Extensão Universitária, Ji-Paraná, Universidade Federal de Rondônia.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. 1979. “O caboclo e o brabo: notas sobre duas modalidades de força de trabalho na expansão da fronteira amazônica do século XIX”. In: SILVEIRA, E. (Org.). Encontros com a civilização brasileira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

PEREIRA, Jomar da Paes et al. 2000. Cadeia produtiva da borracha natural: análise diagnóstica e demandas atuais no Paraná. Londrina, Instituto Agronômico do Paraná.

PIZARRO, Ana. 1994. América Latina: Palavra, Literatura e Cultura: A emancipação do discurso. Campinas, Universidade Estadual de Campinas,v.2.

POLANCO, Héctor Díaz. 1995. Etnia y nación en América Latina. Ciudad do México, Consejo Nacional para la Cultura y las Artes.

PRICE, Paul David. 1975. “Política indigenista e política indígena entre os Nambiquara”. Informativo FUNAI, ano V (15/16).

RENSHAW, John. 2006. “A „eficácia simbólica‟ revisitada: cantos de cura ayoreo”. Rev. Antropol. [online], 49 (1): 393-427.

SAID, E. W. 1995. Cultura e Imperialismo. São Paulo, Companhia das Letras.

SANTOS, Edna Dias dos. 2002. “Os Kaxarari”. In: Povos do Acre: História indígena da Amazônia Ocidental. Rio Branco, Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour; Conselho Indigenista Missionário.

SCHWARCZ, Lilia K. Moritz. 1993. O Espetáculo das Raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo, Companhia das Letras.

SEDAM (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental de Rondônia). 2002. Atlas Geoambiental de Rondônia. Porto Velho.

SOUZA, Candice Vidal. 1997. A Pátria Geográfica. Sertão e litoral no pensamento social brasileiro. Goiânia.

SOUZA, Itamar. 1978. Migrações Internas no Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.

VOORT, Hein van der. 2007. “Proto-Jabutí: Um primeiro passo na reconstrução da língua ancestral dos Arikapú e Djeoromitxí”. In: Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi (Ciências Humanas).

WIEVIORKA, Michel. 2004. Mémoire, identité et histoire. Pour (181).

WOLLFF, Cristina Scheibe. 1999. Mulheres da Floresta: uma história: Alto Juruá, Acre (1890-1945). São Paulo, Hucitec.

WRIGHT, Pablo G. 1997. El desierto del Chaco: geografías de la alteridad y el estado. In: TERUEL, Ana; JEREZ, Omar (Comp.). Pasado y presente de un mundo postergado: estudios de antropología, historia y arqueología del Chaco y Pedemonte Surandino. Jujuy,

Universidad Nacional de Jujuy.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v5i7.7789

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.