Entre a Antropologia e a História: alguns pressupostos teórico-metodológicos no estudo das religiosidades Terena

Noêmia dos Santos Pereira Moura, Rosalvo Ivarra Ortiz

Resumo


Neste artigo traçaremos parcialmente o caminho teórico-metodológico interdisciplinar percorrido na produção resultante dos estudos sobre religiosidades Terena desenvolvidos nos últimos anos. Para isso, faremos algumas considerações sobre conceitos e categorias utilizadas ao longo do texto para alicerçar nossas argumentações em torno da hipótese central – os Terena, principalmente as lideranças religiosas, apropriaram-se e terenizaram o cristianismo nas terras indígenas no Mato Grosso do Sul, a partir da Terra Indígena de Taunay-Ipegue. Dentre os vários enfoques destacados selecionamos como diretriz central a parte da epígrafe acima destacada, que retrata o protagonismo desses sujeitos históricos Terena em reproduzir-se como sociedade através dos religiosos não indígenas e de suas instituições cristãs, recrutando os brancos para sua própria continuidade. Nossa trajetória, portanto, será marcada pelos diálogos entre a Antropologia e a História.

Palavras-chave


Diálogo interdisciplinar. Antropologia e História. Religiosidades Terena.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, Bruce & RAMOS, Alcida Rita (Orgs.). 2002. Pacificando o Branco: Cosmologias do contato no Norte-Amazônico. São Paulo: EDUNESP.

ALTENFELDER SILVA, Fernando. 1948. “Mudança Cultural dos Terena.” Revista do Museu Paulista, São Paulo, v. III (8).

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. 2003. Metamorfoses Indígenas: Identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional.

AZANHA, Gilberto. 2004. As Terras Indígenas Terena no Mato Grosso do Sul. Brasília, CTI - Relatório de Identificação das Terras Indígenas de Cachoeirinha, Buriti e Taunay-Ipegue). (Acessado em www.trabalhoindigenista.org.br)

BOURDIEU, Pierre. 2003. [1998]. O Poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

CARVALHO, Fernanda. 1996. Koixomuneti e outros curadores: Xamanismo e práticas de cura entre os Terena. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Universidade Estadual de São

Paulo.

CUNHA, M. C. (org.). 1992. História dos índios no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras. Secretaria Municipal de Cultura, FAPESP.

CUNHA, M. C. (2002). Prefácio. In: ALBERT, B. & RAMOS, A. R. (Orgs.) (2002). Pacificando o Branco: Cosmologias do contato no Norte-Amazônico. São Paulo, EDUNESP.

CERTEAU, Michel De. 1994. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Rio de Janeiro, Vozes.

COMAROFF, Jean, & COMAROFF, John L. 1993. “Introduction”. In Modernity and its malcontents: Ritual and power in postcolonial Africa. COMAROFF, Jean, & COMAROFF, John L. Chicago, University of Chicago Press.

EREMITES DE OLIVEIRA, Jorge; PEREIRA, Levi Marques. 2003. Perícia antropológica e histórica da área reivindicada pelos Terena para a ampliação dos limites da Terra Indígena Buriti, municípios de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, Mato Grosso do Sul, Brasil. Autos nº 2001.60.00.003866-3, 3ª vara da 1ª subseção judiciária de Mato Grosso do Sul.

FRANCHETTO, Bruna & HECKENBERGER, Michael (Orgs.). 2001. Os Povos do Alto Xingu: História e Cultura. Rio de Janeiro, Editora UFRJ.

FRANCHETTO, Bruna. 1993. “A Celebração da História nos Discursos Cerimoniais Kuikúro (Alto Xingu).” In: VIVEIROS DE CASTRO & CUNHA, Manuela Carneiro da (Orgs.). 1993. Amazônia; Etnologia e História Indígena. São Paulo; Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da USP; FAPESP. (Série Estudos) pp. 95-116.

FRANCHETTO, Bruna. 1989. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.

HILL, Jonathan D. 1996. History, Power, and Identity: Ethnogenesis in the Americas, 1492-1992. Iowa City, University of Iowa Press.

HILL, Jonathan D. & SANTOS-GRANERO, Fernando (Orgs.). 2002. Comparative Arawakan Histories: Rethinking Language Family and Culture Area in Amazonian. Urbana and Chicago: University of Illinois Press.

ISAAC, Paulo Augusto Mário. 2004. Modo de existir Terena na comunidade multiétnica que vive em Mato Grosso. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de

São Paulo).

LANGDON, E. Jean Matteson (Org.). 1996. Xamanismo no Brasil: Novas Perspectivas. Florianópolis, Ed. UFSC.

MONIOT, H. 1988. “A História dos Povos sem História.” In: LE GOFF, J. & NORA, P. História: Novos Problemas. 3ª ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

MONTEIRO, John Manuel. 1994. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo, Companhia das Letras.

MOURA, Noêmia dos S. P. 2001. UNIEDAS: O Símbolo da Apropriação do Protestantismo NorteAmericano pelos Terena Crentes (1972-1993). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

MOURA, Noêmia dos S. P. 2009. O Processo de Terenização do Cristianismo na Terra Indígena Taunay/Ipegue no Século XX. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. 1968. Urbanização e Tribalismo: a integração dos índios Terena numa sociedade de classes. Rio de Janeiro, Zahar.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. 1976. Do Índio ao Bugre: O Processo de Assimilação dos Terena. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

PEREIRA, Levi Marques. 2009. Os Terena de Buriti: formas organizacionais, territorialização e representação da identidade étnica. Dourados: UFGD.

PEREIRA, Modesto. 1991. “Depoimento de um líder Terena.” In: Revista Terra Indígena, VIII (59).

SAHLINS, Marshall. 1990. Ilhas de história. Trad. Bárbara Sette. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

SAHLINS, Marshall. 1997a. O “„Pessimismo Sentimental‟ e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um „objeto‟ em via de extinção.” In: MANA. Rio de Janeiro, UFRJ, 3 (1).

SAHLINS, Marshall. 1997b. O “„Pessimismo Sentimental‟ e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um 'objeto' em via de extinção.” In: MANA, Rio de Janeiro, UFRJ, 3 (2).

SCHADEN, Egon. 1976. Leituras de Etnologia Brasileira. São Paulo, Nacional, 1976.

SEEGER, Anthony; DA MATTA, Roberto; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1979. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras". Boletim do Museu Nacional, 32: 2-19.

SEIZER, Antônio Carlos. 2017. Kalivôno Hikó Terenôe: sendo criança indígena terena do século XXI – vivendo e aprendendo nas tramas das tradições, traduções e negociações. Tese de Doutorado em Educação, Universidade Dom Bosco.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1975. Antropologia Estrutural. Trad. De Chaim Samuel Katz e Eginardo Pires, ver. Etnológica de Júlio Cezar Melatti. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.

TURNER, Terence. 1993. “De Cosmologia a História: resistência, adaptação e consciência Social entre os Kayapó.” In: VIVEIROS DE CASTRO & CUNHA, Manuela Carneiro da (Orgs.). 1993. Amazônia; Etnologia e História Indígena. São Paulo; Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da USP; FAPESP, 1993. [Série Estudos] pp. 43-66.

VARGAS, Vera Lúcia Ferreira. 2003. A construção do território Terena (1870- 1966): Uma sociedade entre a imposição e a opção. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul.

VIVEIROS DE CASTRO & CUNHA, Manuela Carneiro da (Orgs.). 1993. Amazônia; Etnologia e História Indígena. São Paulo; FAPESP.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. A Inconstância da Alma Selvagem e outros ensaios de Antropologia. São Paulo, Cosac & Naify.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. Mana, Out. 1996. 2

(2): 115-144.

WHITTINGTON, Rev. Harry. s/d. On the Indian Trail in Paraguay and Brazil:The struggles and Triumphs encountered by a Missionary seeking Jewels. Edimburgh, Knox Press.

WOLF, Eric R. 1982. Europe and The People Without History. Berkeley, University of California Press.

WRIGHT, R. M. (Org.). 1996. “Os Guardiões do Cosmos: Pajés e Profetas entre os Baniwa.” In: LANGDON, E. J. M. (Org.). Xamanismo no Brasil: Novas Perspectivas. Florianópolis, Ed. UFSC.

WRIGHT, R. M. (Org.). 1999. Transformando os deuses: os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas no Brasil. Vol. I, Campinas, EDUNICAMP.

WRIGHT, R. M. (Org.). 2004. Transformando os Deuses: Igrejas Evangélicas, Pentecostais e Neopentecostais entre os Povos Indígena no Brasil. Vol. 2, Campinas, SP: EDUNICAMP.

XIMENES, Lenir Gomes. 2017. A Retomada Terena em Mato Grosso do Sul: Oscilação Pendular entre os Tempos e Espaços de Acomodação em Reservas, Promoção da Invisibilidade Étnica e Despertar Terena. Tese de Doutorado em História, Universidade Federal da Grande Dourados.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v5i7.7758

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.