Brasil e mediação de conflitos internacionais: um debate teórico para a construção do poder do Estado no século XXI

Danielle Jacon Ayres Pinto

Resumo


Na tentativa de pensar uma nova dinâmica para a construção do poder do Estado, este artigo visa ampliar a compreensão das fontes de poder que o ator estatal pode utilizar para se fortalecer, demonstrando que a conseqüência desta ampliação será uma interação diferenciada deste agente no sistema internacional. Tais fontes de poder irão agrupar ações do Estado, criando dessa maneira um rol de comportamentos que poderão ser associados a um tipo de poder, que por sua vez poderão ser associados a uma classificação de soft power ou hard power, que juntas levarão o nome de smart power.

A mediação de conflitos internacionais, focada na transformação do conflito, será uma dessas ferramentas. Reconhecida como uma ação política de soft power, sua aplicação pode ser capaz de construir uma nova dinâmica de relacionamento entre os Estados, seja para os que estejam em conflito, ou para o Estado mediador junto da comunidade internacional.   

Para as ambições políticas de liderança regional e influência internacional do Brasil, construir seu poder de forma diferenciada pode ser a única maneira de se fortalecer junto das grandes potências, ao mesmo tempo em que promove uma nova forma de interação na ordem internacional.


Palavras-chave


soft power;smart power;Mediação;Brasil;Poder;Estado

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v1i2.1552

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.