História e Arqueologia na construção da interculturalidade: construindo saberes plurais com os Tremembés de Almofala-CE

Jóina Freitas Borges, Ludiane das Chagas Vilela, Tailine Rodrigues Valério da Silva

Resumo


Neste artigo, propomos contribuir com o debate descolonizante, na perspectiva de trabalharmos no sentido da construção de uma história que não seja apenas sobre os índios, mas que seja também indígena. Histórias plurais que tragam à tona os saberes que os diversos povos indígenas constroem eles mesmos sobre os seus passados. A história indígena não precisa apenas estar pautada na tão celebrada tradição e oralidade, ela pode e deve ser resultante das apropriações que os indígenas atuais fazem das pesquisas realizadas sobre eles. Apropriações que na maioria das vezes ocorrem de maneira interdisciplinar, como no caso em análise, dos Tremembés de Almofala (Ceará), os quais, a partir de uma experiência pioneira de magistério indígena superior, passaram a articular história, tradição e patrimônio na construção de saberes mais dinâmicos sobre o seu passado, saberes engajados com a luta pela terra.

Palavras-chave


Tremembés de Almofala. História Indígena. Arqueologia. Interculturalidade. Patrimônio.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAD, Shara Jane H. Costa et al. O método sociopoético como abordagem qualitativa na pesquisa: os cinco princípios. Realize: Campina Grande (PB), 2012.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

BORGES, Jóina Freitas. Documentos, cacos cerâmicos e fragmentos de memória: os Tremembés descalços sobre mosaicos de suas histórias. In: Simpósio Nacional de História, 24, 2007, São Leopoldo, RS (Anais do XXIV Simpósio Nacional de História - CD-ROM).

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Sob os areais: arqueologia, história e memória. Teresina: UFPI, 2006 (Dissertação de mestrado digitada). CCRI-CG del EZLN (Comité Clandestino Revolucionario Indígena – Comandancia General del Ejército Zapatista de Liberación Nacional). Extracto del discurso del Subcomandante Insurgente marcos en Milpa Alta, en Chiapas. In: OSAL – Observatorio Social de América Latina. N. 06. P. 11-16. Buenos Aires, Enero de 2002.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

CUNHA, Manoela Carneiro da. Introdução a uma história indígena. In: CUNHA, Manoela Carneiro da. História dos índios no Brasil. Companhia das Letras/ FAPESP/SMC: São Paulo, 1992.

D’EVREUX, Yves. Viagem ao norte do Brasil – Feita nos anos de 1613 a 1614. São Paulo: Siciliano, 2002.

FONTELES FILHO, José Mendes. Subjetivação e Educação Indígena. Tese de Doutoramento. Fortaleza/CE: Programa de Pós-Graduação em Educação/FACED/UFC, 2003.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994 (Coleção Trans).

OLIVEIRA JR., Gerson Augusto de. Torém: Brincadeira dos índios velhos. São Paulo: Annablume, 1998.

MESSENDER, M. L. Etnicidade e diálogo político: a emergência dos Tremembé. Salvador: UFBA, 1995 (dissertação digitalizada).

MIGNOLO, Walter D., Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade. n. 34, p. 287-324, Niterói: UFF, 2008.

SHANKS, Michael. Arqueología simétrica. In: Complutum. Universidad Computense: Madrid. V. 18, p. 292-295, 2007.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.