MEMÓRIA, HISTÓRIA E PATRIMÔNIO - PERSPECTIVAS CONTEMPORÂNEAS DA PESQUISA HISTÓRICA

Eduardo Romero de Oliveira

Resumo


Cabe observar que há algum tempo os estudos históricos vem considerando a importância dos objetos e do espaço como elementos constitutivos da memória – ou “lugares de memória”, na expressão de Pierre Nora. A memória seria assim definida enquanto uma dimensão imaginária da sociedade, um universo mental que adquire substância social e que cria vínculos do indivíduo com um “todo social”, numa linha de trabalho aberta por M. Halbwachs. E esta noção de memória permite apreender a questão patrimonial. Este culto à memória teve seu lugar de ascensão também através da delimitação do patrimônio histórico - conforme Françoise Choay, desde o estabelecimento das categorias de monumentos históricos, na França, em 1837. A discussão sobre patrimônio tem avançado nas últimas décadas, na medida em que se concebe que objetos, espaços, conhecimentos e manifestações tornam-se “patrimônio imaterial” porque tem valor referencial para a comunidade. Considera-se que as referências patrimoniais são aos objetos constitutivos da memória da formação, formas de trabalho e vida passadas ou atuais. De todo modo, o patrimônio apresenta-se como a materialização de um discurso sobre o passado.


Palavras-chave


memória; história oral; patrimônio.

Texto completo:

PDF


Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.