Mulheres & fronteira: a invisibilidade dos trabalhos das professoras em áreas fronteiriças

Patrícia Ferreira Marassi, Jacy Corrêa Curado

Resumo


O presente artigo traz contribuições da pesquisa “O(s) trabalho(s) das mulheres professoras da fronteira Brasil-Bolívia” desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). A partir de um mapeamento realizado no Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), esta pesquisa está fundamentada na Psicologia Social em diálogo com a Epistemologia Feminista e os Estudos de Trabalho da Mulher em uma perspectiva de gênero. Constatamos a ausência de publicações de pesquisas desenvolvidas em áreas de fronteira e a falta de análise da perspectiva de gênero sobre o trabalho docente, especificamente sobre o trabalho das mulheres professoras em áreas de fronteira. Nossa análise teve como propósito compreender os múltiplos olhares e sentidos sobre as fronteiras culturais, de idiomas e de historicidades, bem como sobre a divisão sexual do trabalho e sua influência na vida pública e privada dessas mulheres professoras que vivem e trabalham nas fronteiras.

Palavras-chave


Fronteira. Divisão Sexual do Trabalho. Professora. Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. Descritores em Ciências da Saúde (DECS). (2015). Disponível em: http://decs.bvs.br/P/decsweb2015. Acesso em: 01 jul. 2018.

COSTA, G. V. L. (2015). Os bolivianos em Corumbá-MS: conflitos e relações de poder na fronteira. Mana, Rio de Janeiro. v. 21, n. 1, p. 35-63. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010493132015000100035&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 maio. 2019.

HIRATA, H., & KERGOAT, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, set/dez. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132.pdf Acesso em: 25 maio. 2018.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). População estimada. IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1º de julho. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/corumba/panorama. Acesso em: 05 set. 2019.

LEITE, E. F., & BULLER, L. (2015). Fronteira e fronteiriços (as). In: COLLING, A. M., & TEDESCHI, L. A. Dicionário crítico de gênero. Dourados, MS: Ed. UFGD. pp. 289-296.

KERGOAT, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, H. et al (org.). Dicionário Crítico do Feminismo. Editora UNESP: São Paulo, p. 67–75.

MARTINS, J. de S. (2018). Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. 2ª ed. São Paulo: Contexto.

NUNES, J. A. (2002), "Teoria crítica, cultura e ciência: o (s) espaço (s) e o (s) conhecimento (s) da globalização". In: Santos, B. de S. (org.). A globalização e as ciências sociais. 2. ed. São Paulo, Cortez, pp. 301-344.

SCOTT, J. W. (1988). Gender and the Politics of History. New York: Columbia University Press. PP. 28-50.

SPINK, M. J. (2010). Linguagem e produção de sentidos no cotidiano [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. 72 p. ISBN: 978-85-7982-046-5. Available from SciELO Books. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/w9q43/pdf/spink-9788579820465.pdf. Acesso em: 01/05/2018.




DOI: https://doi.org/10.30612/videre.v12i25.11713

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

 
 
 
Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.