O conflito como condição humana? Os limites da ação e as consequências para a convivência pacífica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30612/videre.v11i21.10186

Palavras-chave:

Conflito. Condição Humana. Guerra. Justiça.

Resumo

O estudo analisa a origem dos conflitos entre os homens na sociedade contemporânea a partir de uma incursão histórica em algumas fases pelas quais passou a filosofia política, considerando as noções de autopreservação, liberdade, igualdade, reconhecimento e convivência pacífica. Nesse sentido, investiga a noção de homem como um animal político (zoon politikon), conforme definido por Aristóteles, que tem como projeto de vida boa o convívio com seus iguais. Examina a necessidade de limitação do agir humano desenvolvida na modernidade por Thomas Hobbes. E verifica como o homem supera a busca pela felicidade e desenvolve-se como ser racional e moralmente livre em Kant. Por fim, objetiva analisar se o conflito poderia ser visto como parte da condição humana, algo inato, ou se apenas se faria presente quando da limitação do agir humano, influenciando a própria convivência pacífica entre os homens. O artigo utiliza no seu delineamento o método de abordagem dedutivo, centrado na pesquisa bibliográfica de tipo exploratória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth, UNIJUÍ; UNISINOS

Maiquel A. Dezordi Wermuth
Doutor em Direito Público (UNISINOS)
Professor dos Cursos de Direito da UNIJUÍ e da UNISINOS
Coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu - Mestrado e Doutorado em Direitos Humanos - da UNIJUÍ
Líder do Grupo de Pesquisa Biopolítica & Direitos Humanos (CNPq)

Anna Paula Bagetti Zeifert, UNIJUÍ

Doutora em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestre em Desenvolvimento, Gestão e Cidadania (2004), Especialista em Direito Privado (2002) e Graduada em Direito (2000) pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Su - UNIJUl (2000) . Coordenadora na Região Sul da Rede Brasileira de Saberes Descoloniais. Professora do Curso de Graduação em Direito da UNIJUI. Professora  do Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Direito da UNIJUI. Editor-chefe da Revista Direito em Debate (Qualis B1). 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Trad. Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

ARANTES, Paulo. Extinção. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARENDT, Hannah. O que é Política? [Fragmentos das Obras Póstumas Compilados por Ursula Lutz]. Tradução de Reinaldo Guarany. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito. Tradução de Cesar Augusto de Almeida e outros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito. Trad. Antonio Abranches e outros. Rio de Janeiro: Ed. Relume-Dumará/ UFRJ, 1993, p. 143.

ARISTÓTELES. Política. Edição Bilíngue. Lisboa: VEGA, 1998.

BUTLER, Judith. Vida precária: el poder del duelo y la violencia. Trad. Fermín Rodríguez. Buenos Aires: Paidós, 2009.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Trad. Clóvis Marques. São Paulo: Record, 2005.

HOBBES, Thomas de Malmesbury. Leviatã. Os Pensadores. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Editora Nova Cultural, 2004.

HÖFFE, Otfried. Justiça Política. Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes e outros escritos. Tradução de Alex Martins. São Paulo: Martin Claret, 2002.

MONTEIRO, G. M; SAVEDRA, M. G. Metodologia da pesquisa jurídica: manual para elaboração e apresentação de monografias. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

RAMOS, Cesar Augusto. Aristóteles e o sentido político da comunidade ante o liberalismo. Kriterion, Belo Horizonte, n. 129, Jun./2014, p. 61-77. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/kr/v55n129/04.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019.

RAWLS, John. História da Filosofia Moral. Tradução de Ana Aguiar Cotrim. São Paulo; Martins Fontes, 2005. p. 175.

SILVEIRA, Cláudia Cristina Xavier. Arendt leitora de Kant: possibilidades do juízo em uma época pobre de mundo. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Filosofia do Departamento de Filosofia da PUC-Rio. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/32425/32425.PDF. Acesso em: 30 jul. 2019.

TORRES, Ana Paula Repolês. O sentido da política em Hannah Arendt. Trans/Form/Ação, São Paulo, vol. 30, n. 2, p. 235-246, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/trans/v30n2/a15v30n2.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019.

WALKER, Ralph. Kant: Kant e a lei moral. Tradução de Oswaldo Gicóia Junior. São Paulo: UNESP, 1999.

WERMUTH, Maiquel Ângelo Dezordi. Por que a Guerra? De Einstein e Freud à atualidade. Santa Cruz do Sul: Essere nel mondo, 2015.

Downloads

Publicado

06/11/2019

Como Citar

Wermuth, M. Ângelo D., & Zeifert, A. P. B. (2019). O conflito como condição humana? Os limites da ação e as consequências para a convivência pacífica. Revista Videre, 11(21), 238–250. https://doi.org/10.30612/videre.v11i21.10186

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)