O choque entre dois universos distintos e a guerra entre as frentes coloniais e os “cayapó” meridionais

Gabriel Zissi Peres Asnis

Resumo


O presente trabalho se desenvolve no diálogo entre a antropologia e a história na intenção de contribuir para a construção de uma história dos índios da região do norte de São Paulo, triângulo mineiro, sul de Goiás e leste do Mato Grosso do Sul a partir do século xviii. O objetivo principal é analisar como se deu os primeiros contatos entre grupos indígenas dos jê meridionais (cayapó) e as frentes coloniais através de um princípio proposto pelo antropólogo Marshall Sahlins, qual seja: a de que os contatos são marcados pela prática da estrutura, campos simbólicos de significação que organizam as experiências, e por uma estrutura da prática na qual, ao serem acionados em contextos pragmáticos, os campos simbólicos se modificam ao longo dos encontros entre alteridades.

Palavras-chave


Antropologia. “Cayapó” meridional. História dos índios.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Daniella Santos. Do Alto do Espia: Gentios, Calhambolas e Vadios no sertão do Campo Grande – Séculos XVIII. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2017.

CANCELIER DIAS, Thiago. O língua e as línguas: aldeamentos e mestiçagens entre manejos de mundo indígenas em Goiás (1721-1832). Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de História, Programa de Pós-Graduação em História, Goiânia, 2017.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Vingança e temporalidade: os Tupinambá. Journal de lasociétédesaméricanistes. LXXI, Musée L’Homme, Paris, 1985, p. 191-208.

DELEUZE, Gilles & GUATARRI, Félix. Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia 2, vol.1. – São Paulo: Editora 34, 2011.

FAUSTO, Carlos. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo: EDUSP, 2001.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas e sinais – morfologia e história. Companhia das Letras, 1989.

GIRALDIN, Odair. “Cayapó e Panará”. Luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Campinas: Editora da UNICAMP, 1994.

GIRALDIN, Odair. “Cayapó e Panará”. Luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

GORDON, Cesar. Economia selvagem – ritual e mercadoria entre os Xikrin-Mebêngôkre. São Paulo: ed. da UNESP/ Instituto sócio ambiental, 2006.

JUNQUEIRA, Gabriela Goncalves. O visível e o invisível nas relações de contato dos grupos Jê Meridionais: uma análise da caça, guerra e dos rituais funerários como relações de predação, produção e controle dos poderes latentes da alteridade. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2017.

LÉVI-SRAUSS. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1970.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural dois. Tempo Brasileiro, 4ª Edição. Rio de Janeiro, 1993.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MANO, Marcel. (Des)encontros culturais: um esboço parcial da história do contato dos Kayapó meridionais. In: Índios do Triângulo Mineiro: história, arqueologia, fontes e patrimônio: pesquisas e perspectivas. Aurelino José Ferreira Filho. (org). – Uberlândia: Edufu, 2015.

MANO, Marcel. Da Tradição à Cultura: problemas de investigação nos estudos das ocupações indígenas no Planalto Meridional Brasileiro. In: Patrimônio, cultura material e imaterial: diálogos e perspectivas. (orgs). Eduardo Giavara e Aurelino José Ferreira Filho. Texto enviado para publicação na Revista Albuquerque, vol. 10, n. 19, UFMS, 2018.

MANO, Marcel. Sobre as penas do gavião mítico: história e cultura entre os Kayapó. Tellus, n. 22, Campo Grande, jan-jun, 2012, p. 133-154.

MENDONÇA, José. História de Uberaba. Uberaba, Academia de Letras do Triângulo Mineiro, 1974.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MORI, Robert. Os aldeamentos indígenas no Caminho dos Goiases: guerra e etnogênese no “sertão do Gentio Cayapó” (Sertão da Farinha Podre) – séculos XVIII e XIX. Dissertação de mestrado, 2015.

NIMUENDAJÚ, Curt. Documenta: A corrida de toras dos Timbira. Mana 7(2), p. 151-194, 2001.

RAVAGNANI, Oswaldo Martins. Aldeamentos goianos em 1750 – os jesuítas e a mineração. Revista de Antropologia. São Paulo, vol. 30/31/32, p. 111-132, 1989.

RAVAGNANI, Oswaldo Martins. Os primeiros Aldeamentos na Província de Goiás: Bororo e Kaiapó na Estrada do Anhangüera. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, 1996, v. 39, n. 1.

RODRIGUES, Alvaro Almeida. Da cultura da guerra a paz colonial: notícias sobre um gentio Kayapó. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2013.

SAHLINS, Marshall David. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1990.

SAHLINS, Marshall David. Metáforas históricas e realidades míticas: estrutura nos primórdios da história do reino das Ilhas Sandwich. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. In: Mana – Estudos de Antropologia Social, vol. 2, n. 2, out. 1996, p. 115-144.

WAGNER, Roy. A invenção da Cultura. São Paulo: Cosac Naif, 2010.




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i9.9523

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.