Intermezzo: o xamã e o médico, uma análise sobre doença e cura

Marcelly Olívia Fernandes Amorim, Érika de Freitas Arvelos

Resumo


O presente artigo aborda os pontos de intersecções entre o pensamento ocidental e a concepção dos povos originários em relação ao significado que atribuem à doença e à cura. À vista disso, nosso objetivo central é estabelecer relações entre esses dois saberes sinalizando suas dissonâncias e simetrias. Por se tratar de práticas que envolvem uma multiplicidade de questões e agentes, foi necessário um recorte, e nesta pesquisa nossa análise se refere à figura do xamã na prática de cura xamânica, e a figura do médico nas sociedades ocidentais. Para tal empenho analítico nosso referencial se volta ao cabedal teórico da antropologia, história, filosofia e linguística. A pesquisa rompe com qualquer perspectiva de uma hierarquia epistemológica entre esses dois saberes (xamanismo e medicina ocidental) tendo como pano de fundo os dilemas éticos, culturais, históricos, sociais e políticos inerentes a concepções ontológicas de conhecimentos distintos que acompanham o processo histórico de formação dessas práticas.

Palavras-chave


Xamanismo. Medicina ocidental. Rizoma.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil.

BRASIL. Ministério da Saúde. 2002. Fundação Nacional de Saúde. Política Nacional de Atenção à saúde dos povos indígenas. 2ª ed. Brasília.

BRASIL. Ministério da Saúde. 2006. Fundação Nacional de Saúde. 4ª Conferência Nacional de Saúde Indígena, Rio Quente-GO.

BRASIL, Ministério da Saúde. 2009. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Rio de Janeiro.

BARROS, José Augusto. 2002. “Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelo biomédico.” In: Saúde Soc.[online]. v.11, n.1, p.67-84.

BEATO, Claudio. 1994. “Práticas de Glosa e Anamnese.” In: Revista de saúde coletiva. Physis [online]. 1994, vol.4, n.1, pp.41-56.

CAPRA, Fritjof. 1982. O ponto de mutação. A ciência, a Sociedade e a Cultura emergente. 15ª ed. Tradução de: Álvaro Cabral. São Paulo, Editora Cultrix.

CUNHA, Manuela. 1998. Cultura com aspas: Pontos de vistas sobre a floresta amazônica: Xamanismo e Tradução. 2ª ed. São Paulo, Cosac Naify.

VIVEIROS DE CASTRO. Eduardo. 2003. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de Antropologia. 1ª ed. São Paulo, Cosac & Naif.

VIVEIROS DE CASTRO. Eduardo. 2002. “O nativo relativo”. In: Mana, v. 2, n. 2, p. 113-148.

DE BARROS, Manoel. 2015. Meu quintal é maior que o mundo. 1ª. ed. Rio de Janeiro, Alfaguara.

DELLEUZE, Guilles; GUATARRI, Félix. 1995. Mil Platôs – capitalismo e esquizofrenia. 2ª ed. vol 1. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo, Editora 34.

FOUCAULT, Michel. 1979. Microfísica do poder. 1ª ed. Organização e Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro, Edições Graal.

FOUCAULT, Michel. 2010. A ordem do discurso. 20ª ed. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo, Edições Loyola.

GARNELO, Luiza; PONTES, Ana Lúcia. (orgs). 2012. Saúde Indígena: uma introdução ao tema. Brasília, Editora MEC-SECADI, p. 17 – 59.

GEERTZ, Clifford. 1989. A interpretação das culturas. 1ª ed. Tradução de: The interpretation of cultures. Rio de janeiro, Editora LTC.

KRIPPNER, Stanley. 2007. “Os primeiros curadores da humanidade: abordagens psicológicas e psiquiátricas sobre os xamãs e o xamanismo.” Archives of Clinical Psychiatry, São Paulo. Rev. Psiq. Clín. 34, supl 1; p. 17-24.

JUDD et al. 2009. Sistemática vegetal um enfoque filogenético. 3ª ed. Tradução de: André Olmos Simões, Rodrigo B. Singer, Rosana Farias Singer e Tatiana Teixeira de Souza Chies. Porto Alegre, Artmed.

LAGDON, Esther. 1996. “Xamanismo e representação entre os Kaxinawá.” In: Xamanismo no Brasil: novas perspectivas. Florianópolis, Ed. da UFSC, p. 197-232.

COSTA, Lucia Helena. COELHO, Edméia. 2010. “Enfermagem e sexualidade: revisão integrativa de artigos publicados na Revista Latino - Americana de Enfermagem e na Revista Brasileira de Enfermagem.” Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. maio-jun 2011, 19(3):[10 telas]. In: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_23 (Acessado dia 04 de dezembro de 2018).

LATOUR, Bruno. 1994. Jamais fomos modernos. Tradução de: Carlos Irineu da Costa. São Paulo, Editora 34.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1975. Antropologia Estrutural. 4ª ed. Tradução de: Cham Samuel Katz e Eginardo Pires. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.

Lei Federal Nº. 8.080, 1990.

Lei Federal Nº 8.142, 1990.

MANO, Marcel. 2015. “(Des) encontros culturais: um esboço parcial da história do contato dos Kayapó meridionais”. In: FERREIRA FILHO, Aurelino (Org.). Índios do triangulo mineiro: história, arqueologia, fontes e patrimônio, pesquisas e perspectivas. Uberlândia, EDUFU. p.57 – 72.

MARTINS, Roberto et al. 1997. Contágio: história da prevenção das doenças transmissíveis. São Paulo, Editora Moderna.

MIGNOLO, Walter. 2003.“Prefacio a la edición castellana. Un paradigma otro: colonialidad global, pensamiento fronterizo y cosmopolitismo crítico. In: Historias locales / diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid, Ediciones Akal p.19-58.

SEEGER, Anthony; DA MATTA, Roberto; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1979. “A Construção da Pessoa nas Sociedades Indígenas Brasileiras.” In: Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro, n. 32, p. 1-12.

SILVA, Cristina. 2010. Cotidiano, saúde e política: uma etnografia dos profissionais da saúde indígena. Tese de Doutorado em Antropologia, Universidade de Brasília.

SILVEIRA, Diego. 2012. As Redes Sociotécnicas na Amâzonia, tradução de saberes no campo da biodiversidade. Rio de Janeiro, Editora: Multifoco.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE FARMACOGNOSIA. 2009. O que é farmacognosia? In: http://www.sbfgnosia.org.br/farmacognosia.html (Acessado dia 9 de dezembro de 2018).




DOI: https://doi.org/10.30612/nty.v6i9.9518

________________________________________________________________________

ISSN 2317-8590 (O código ISSN é único para todas as edições)
Todos os direitos reservados ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia - PPGAnt/UFGD
UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados
FCH - Faculdade de Ciências Humanas
Rodovia Dourados-Itahum, Km 12 - Caixa Postal 533 - Cidade Universitária
Dourados-MS (Brasil) - CEP 79804-970

  

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.