O crime sob uma lente transnacional: o caso “helicoca”

Paulo José dos Reis Pereira, Leonardo Chilio Jordão

Resumo


O artigo examina o conceito de transnacionalidade do crime para a compreensão dos variados fluxos ilícitos contemporâneos. Tais fluxos configuram mercados ilícitos que conectam diferentes escalas analíticas de distância (local, nacional e internacional) e articulam atores estatais e não estatais em um processo sócio-político que mobiliza diferentes tipos de violência e discursos de segurança. Com esse objetivo, o artigo recupera a literatura que trabalha o conceito de crime organizado transnacional e de mercados ilícitos transnacionais, destacando suas limitações e potencialidades. A partir desse referencial, analisa um caso ocorrido no Brasil em 2013, conhecido como “helicoca”. Alguns outros casos similares são utilizados para ilustrar aspectos relevantes e apoiar a análise. Utilizando como estratégia metodológica a noção de assemblages (montagens) aplicada às relações internacionais, o artigo expõe algumas dinâmicas do fluxo transnacional de cocaína da América do sul para a Europa. Ao fazê-lo, sugere que a análise de casos concretos pode ser uma estratégia consistente para redefinir os termos do debate da área de relações internacionais sobre o crime, problematizando categorias dicotômicas como público-privado, doméstico-internacional e lícito-ilícito neste tipo de estudo. Isso tem o potencial de qualificar a abordagem da área de relações internacionais sobre o crime e a dimensão transnacional dos mercados ilícitos.

Palavras-chave


Crime. Transnacional. Mercados ilícitos.

Texto completo:

PDF

Referências


AAS, Katja Franko. (In)security-at-a-distance: rescailing justice, risk and warfare in transnational age. Global Crime, Vol. 13, No. 4, p. 235 – 253, 2012.

ACUTO, Michele; CURTIS, Simon (eds). Reassembling International Theory. New York: Palgrave Macmillan, 2014.

ALBANESE, Jay S. Organized Crime: from the Mob to Transnational Organized Crime. Waltham: Anderson Publishing, 2015.

ANDREAS, Peter; NADELMANN, Ethan. Policing the Globe: Criminalization and Crime Control in International Relations. Oxford: Oxford University Press, 2006.

BAGLEY, Bruce. Globalization and Organized Crime in Latin America and the Caribbean. In: SOLÍS, Luis Guillermo; ARAVENA, Francisco Rojas (ed.). Organized Crime in Latin America and the Caribbean: Summary of Articles. San José: Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales, 2009, p. 39 – 46.

BAGLEY, Bruce; ROSEN, Jonathan D. Drug Trafficking, Organized Crime and Violence on the Americas Today. Gainesville: University Press of Florida, 2015.BAYART, Jeans-François. Le crime transnational et la formation de l’État. Politique Africaine, N°93, p. 93 – 104, 2004.

BECKERT, Jens; WEHINGER, Frank. In the shadow: illegal markets and economic sociology. Socio-Economic Review, p. 1 – 26, 2012.

BIGO, Didier. A sociologia política internacional distante da grande síntese: como articular relações entre as disciplinas de Relações Internacionais, Sociologia e Teoria Política. Contexto Internacional, Vol. 35, No. 1, p. 173 – 195, 2013.

BIGO, Didier. Sociology of Transnational Guilds. International Political Sociology, 10, p. 398 – 416, 2016.

BIGO, Didier. Rethinking security at the crossroad of international relations and criminology. Brit. J. Criminol. 56, 2016, pp.1068–1086.

CALUKINS, Jonathan P; REUTER, Peter. Illicit drug markets and economic Irregularities. Santa Monica: Rand Policy Research Center, 2004.

CARVALHO, Marco Antônio. Apreensão de cocaína nos portos do País tem o maior volume em dez anos. 2018. Disponível em: https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,apreensao-de-cocaina-nos-portos-do-pais-chega-a-66-quilos-por-dia-e-bate-recorde,70002409501. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

CASTLE, Allan. Transnational Organized Crime and International Security. Vancouver: The University of British Columbia, 1997.

CEPIK, Marco; BORBA, Pedro. Crime organizado, Estado e Segurança Internacional. Contexto Internacional, Vol. 33, n. 2, p. 375 – 495, 2012.

CORVA, Dominic. Neoliberal globalization and the war on drugs: Transnationalizing illiberal governance in the Americas. Political Geography,27, (2008), p. 176 – 193, 2008.

COSTA, Flávio; ANDRADE, Vinícius. O poder do crime: preso há 21 anos, Marcinho VP diz que cadeia não regenera e que narcotráfico financia campanhas eleitorais. 2017. Disponível em: em https://www.uol/noticias/especiais/marcinho-vp.htm#sergio-cabral-e-o-maior-criminoso-do-rio. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

CURTIS, Ric; WENDEL, Travis. Toward the development of a typology of illegal markets. Crime Prevention Studies, volume 11, p. 121 – 152, 2000.

EDWARDS, Adam; GILL, Peter. The politics of ‘transnational organized crime’: discourse, reflexivity and the narration of ‘threat’. British Journal of Politics and International Relations, Vol. 4, No. 2, p. 245 – 270, 2002.

EXAME. Porto de Santos bate recorde anual de movimentação de cargas. 2018. Disponível em: https://exame.abril.com.br/negocios/dino/porto-de-santos-bate-recorde-anual-de-movimentacao-de-cargas/. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

FELTRAN, Gabriel. Economias (i)lícitas no Brasil: uma perspectiva etnográfica. Journal of Illicit economies and Development, 1, (2), p. 1 – 10, 2019.

FIORENTINI, Gianluca. Organized crime and Illegal Markets. In: FIORENTINI, Gianluca; ZAMAGNI, Stefano; HOPKINS, Johns (ed.). The economics of corruption and illegal markets. Cehlteham: Edward Elgar Pub, 1999, p. 434 – 459.

G1 RIO. Cristiane Brasil é investigada em inquérito sobre associação para o tráfico de drogas. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/cristiane-brasil-e-investigada-em-inquerito-sobre-associacao-para-o-trafico-de-drogas.ghtml. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

G1 Rio Preto e Araçatuba. Operação 'Voo Baixo': PF prende em Rio Preto empresário suspeito de chefiar tráfico internacional de drogas. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2019/12/04/pf-cumpre-mandados-em-operacao-contra-o-trafico-internacional-de-drogas-no-noroeste-paulista.ghtml. Acessado em 16 de Julho de 2020.

GRIZA, Ainda, TIRELLI, Claudia, SCHABBACH, Letícia. A contribuição dos sociólogos clássicos para a análise da violência e do crime. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 20:94, jan-fev., 2012.

HEYMANN, MacC J.; SMART, Alan. States and Illegal Practices: an overview. In: HEYMANN, MacC J. (comp.). States and Illegal Practices. Berg: Oxford and New York, 1999.

NYE, J. S.; KEOHANE, R. O. Transnational Relations and World Politics: An Introduction. International Organization, 25, n. 3, p. 329-349, 1971.

LAMPE, Klaus von. Organized Crime: Analyzing Illegal Activities, Criminal Structures and Extra-Legal Governance. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2016.

LEE III, Rensselaer. Transnational Organized Crime: an overview. In: FARER, Tom. (ed.). Transnational Crime In the Americas. New York and London: Routledge, 1999, p. 1 – 38.

MEJÍAS, Sonia Alda. Estado y crimen organizado en América Latina: Posibles relaciones y complicidades. Revista Política y Estrategia Nº 24, p. 73 -107, 2014.

MENA, Fernanda; MACHADO, Leandro. País superlota cadeias com réus sem antecedentes e não violentos. 2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/01/1850004-pais-superlota-cadeias-com-reus-sem-antecedentes-e-nao-violentos.shtml. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

MPF. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (2019). Sentença. Ação Penal n° 0015509-37.2017.403.6181. 18 de março de 2019.

MPF. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (2017). Sentença. Procedimento Esp. da Lei antitóxicos: Processo n°0012299-92.2013.4.02.5001 (2013.50.01.012299-2).

MISSE, Michel. Crime Organizado e Crime Comum no Rio de Janeiro: Diferenças e Afinidades. Revista de Sociologia Política, v. 19, n. 40, p. 13 – 25, 2011.

MISSE, Michel. Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 139-157, Dec. 2007.

NARDO, Massimo. Economic crime and ilegal markets integration: a platform for analysis. Journal of Financial Crime, Vol. 18, No. 1, p. 47 – 62, 2011.

PEREIRA, Paulo. Crime Organizado Transnacional: identificação, combate e seus dilemas. In: DUQUE, Raquel; NOIVO, Diogo; SILVA, Teresa de Almeida e (coord.). Segurança Contemporânea. Lisboa: Editora Pactor, 2016, p. 215 – 230.

PEREIRA, Paulo. Os Estados Unidos e a ameaça do crime organizado transnacional nos anos 1990. Revista Brasileira de Política Internacional, 58, (1), p. 84-107, 2015.

PRAZERES, Leandro. PF vê indícios de que dinheiro do narcotráfico foi para políticos corruptos. 2018. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2018/05/15/dinheiro-do-trafico-pode-ter-ido-parar-nas-maos-de-politicos-corruptos-diz-pf.htm. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

RODRIGUES, Iryá. Ex-deputado Hildebrando Pascoal vai para casa após quase 20 anos preso. 2017. Disponível em: http://g1.globo.com/ac/acre/noticia/2017/02/ex-coronel-do-caso-da-motosserra-vai-para-casa-apos-quase-20-anos-preso.html. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

RUGGIERO, Vincenzo. Transnational Crime: Official and Alternative Fears. International Journal of the Sociology of Law, 2000 28, p. 187 – 199, 2000.

SAIN, Marcelo Fabían; GAMES, Nicolás Rodriguez. Tendencias y desafios del crimen organizado em Latinoamérica. Buenos Aires: Universidad Metropolitana para la Educación y el Trabajo, 2017

SHELLEY, Louise; PICARELLI, John; CORPORA, Chris. Global Crime Inc. In: LOVE, Maryann Cusimano (org.) Beyond Sovereignty: Issues for a Global Agenda Second Edition. Belmont: Thomson Wadsworth, 2003.

TELLES, Vera. A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010.

TERRA. Os caminhos da cocaína que sai do Brasil para a Europa. 2017. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/policia/os-caminhos-da-cocaina-que-sai-do-brasil-para-a-europa,24aebd6f6088c2910807b87bfe6e9fadfupkc62s.html. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

TILLY, Charles. War making and state making as organized crime. In: EVANS, P.; RUESCHEMEYER, D.; SKOCPOL, T. (Org.). Bringing the state back in. Cambridge: Cambridge University Press, 1985. p. 169-191.

UOL NOTÍCIAS. Morre o ex-deputado Wallace Souza, acusado de matar traficantes para aumentar audiência de TV. 2010 Disponível em https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2010/07/27/morre-o-ex-deputado-wallace-souza-acusado-de-matar-traficantes-para-aumentar-audiencia-de-tv.htm. Acessado em 21 de Janeiro de 2020

UNITED NATIONS. United Nations Convention Against Transnational Organized Crime. 2000. Disponível em: https://www.unodc.org/unodc/en/organized-crime/intro/UNTOC.html. Acessado em 21 de janeiro de 2020.

VAN SCHENDEL, Willem; ABRAHAM, Itty. Illicit Flows and Criminal Things: States, Borders, and the Other Side of Globalization. Bloomington: Indiana University Press, 2005.

VELASCO, Clara; AGOSTINO, Rosanne; REIS, Thiago. Um em cada três presos do país responde por tráfico de drogas. 2017 Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/um-em-cada-tres-presos-do-pais-responde-por-trafico-de-drogas.ghtml. Acessado em 21 de Janeiro de 2020.

WILLIAMS, Phil. Transnational organized crime and the state. In: HALL, Rodney Bruce; BIERSTEKER, Thomas J. The Emergence of Private Authority in Global Governance. Cambridge: Cambridge University Press, 2002, p. 161 - 174

WILLIAMS, Phil. Transnational criminal networks. In. ARQUILLA, John; DAVID, Ronfeldt, (eds.). Networks and Netwars: The Future of Terror, Crime, and Militancy. Santa Monica: RAND Corporation, 2001, p. 61 – 97.

WILLIAMS, Phil. Transnational Crime Organizations and International Security. Survival, Vol. 36, No. 1, p. 96 – 113, 1994.

WOODIWISS, Mike. Transnational Organized Crime: the global reach of an American concept. In: EDWARDS, Adam; GILL, Peter. Transnational Organized Crime: Perspectives on Global Security. London: Routledge, 2003, p. 13 – 27.




DOI: https://doi.org/10.30612/rmufgd.v9i17.12853

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD - ISSN 2316-8323 - Dourados - MS, Brasil.

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.