Formação continuada e extensão universitária: experiência com professores dos anos finais do ensino fundamental

Izabella Alvarenga Silva, Luciana Aparecida Nogueira da Cruz, Raul Aragão Martins

Resumo


A abordagem de questões éticas e morais na escola ainda é um desafio para professores e gestores. A extensão universitária que realizamos e descrevemos aqui teve como objetivo proporcionar oportunidade de estudo e reflexão sobre o desenvolvimento moral infantil e suscitar reflexões sobre o ambiente socio moral proporcionado pela escola. A atividade extensionista, que também era uma formação continuada teve como público alvo professores e gestores de uma escola municipal dos anos finais do ensino fundamental, localizada em um município do noroeste paulista, o local de realização da formação foi a própria escola. As atividades de formação, ao longo do seu desenvolvimento, tiveram características como modificação completa da agenda do curso pela escola, a culpabilização das famílias dos alunos sobre os problemas cotidianos da instituição como indisciplina, não realização de atividades curriculares pelos alunos, relações de desrespeito com as figuras de autoridade (adultos), e os professores reproduzindo os mesmos comportamentos dos quais se queixam em seus alunos. A formação desenvolvida encontrou certa resistência, pois foi apontado que a culpabilização das famílias dos alunos é uma atitude equivocada, e as mudanças desejadas pela escola acontecerão somente quando a escola mudar também.


Palavras-chave


Formação continuada. Extensão universitária. Professores.

Texto completo:

PDF

Referências


BARCELOS, N. N. S.; VILLANI, A. Troca entre universidade e escola na formação docente: uma experiência de formação inicial e continuada. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 73-97, 2006.

BORGES, R. R. Curso de extensão universitária PROEPRE: contribuição para formação de professores da creche. Campinas, SP: Faculdade de Educação, 2009. Tese de doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ética. Brasília: MEC/SEF, 1998.

DEVRIES, R.; ZAN, B. A ética na educação infantil: o ambiente sociomoral na escola. 1. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

FREITAS, H. C. L. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação e Sociedade, v. 24, n. 85, p. 1095-1124, 2003.

GAMBOA, S. S. Tendências epistemológicas: dos tecnicismos e outros “ismos” aos paradigmas científicos. SANTOS FILHO, J. C; GAMBOA, S. S. Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2013. p. 59-81.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MEMIN, M. S. S. Escola e educação moral. In: MONTOYA, A. O. D (org) Contribuições da Psicologia para a educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

PASSALACQUA, F. G. M.; INFORSATO, E. C. Formação continuada, necessidades formativas e competências: pensando o bom professor. In: II Congresso Nacional de Formação de Professores e XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, 2014, Águas de Lindóia. Anais...2014.

PIAGET, J. O juízo moral na criança. 1. ed. São Paulo: Summus,1994. [Obra originalmente publicada em 1932]

PICADO, J. R; ROSE, T. M. S. Acompanhamento de pré-escolares agressivos: adaptação na escola e relação professor-aluno. Psicologia Ciência e Profissão, v. 29, n. 1, p. 132-145, 2009.

TARDELI, D. A. O respeito na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2003.

TOGNETTA, L. R. P; VINHA, T. P. Quando a escola é democrática: um olhar sobre a prática das regras e assembleias na escola. Campinas: Mercado de Letras: 2007.

VINHA, T. P. O Educador e a Moralidade infantil: uma visão construtivista. Campinas: Mercado de Letras, Fapesp, 2000.

VINHA, T. P; MANTOVANI DE ASSIS, O. Z. Considerações sobre as dificuldades do professor na construção de um ambiente cooperativo em sala de aula. Ícone, v. 11, n.1, p. 69-94, 2005.




DOI: https://doi.org/10.30612/hre.v9i16.13109

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.