“Na expectativa de breve resposta”: uma análise da comunicação epistolar entre o Manicômio Judiciário de São Paulo e a família do interno

Larissa Alves de Lima

Resumo


O presente artigo analisa a comunicação epistolar entre a família do interno e a instituição manicomial, a partir da leitura das cartas remetidas por familiares, que se acham anexadas aos prontuários do Manicômio Judiciário de São Paulo, entre 1899 e 1930, e das respostas emanadas por essa instituição. Reflexões preliminares permitem-nos perscrutar como se estabelecia essa comunicação, qual o olhar da família sobre o manicômio - visto tratar-se também de uma instituição judiciária - e em que medida a família era mantida informada a respeito do estado de seu parente internado. Esse artigo faz parte do projeto “Organização do acervo de prontuários do Manicômio Judiciário de São Paulo”, iniciado em 2013 pelo grupo PET História, em parceria com o Arquivo Público do Estado de São Paulo (APESP).

Palavras-chave


Cartas. História da Loucura. Manicômio Judiciário.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Revista Eletrônica História em Reflexão



Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.