Grupo Othon e a modernização brasileira: uma análise simbólico-material

Ivo dos Santos Farias

Resumo


Este artigo analisa o processo de modernização no Brasil no fim da primeira metade do século XX. Para isso, apresenta as contradições simbólicas e materiais na luta de classes na Fábrica Carmen de Fiação e Tecelagem de Fernão Velho (Maceió-AL), pertencente ao grupo Othon Bezerra de Mello. Neste meio, discute a formação da burguesia nacional e o processo de desenvolvimento da indústria têxtil, situando o grupo neste contexto. O texto parte do pressuposto de que a formação e o sentido da modernização brasileira se deram interseccionados com um conjunto de práticas, pensamentos e ideologias oligárquicas, patriarcais e aristocráticas, as quais se conectam ao papel da burguesia nacional dentro do mercado mundial, onde o Brasil representa papel coadjuvante e submisso em relação ao grande capital financeiro e industrial internacional.

Palavras-chave


Modernização. Industrialização. Luta de classes.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.