As perspectivas em relação ao domínio da terra no Mato Grosso do Sul

José Roberto Nunes de Azevedo

Resumo


Como consequência de nossas pesquisas realizadas no interior do Centro de Estudos de Geografia do Trabalho (CEGET), vinculado ao curso de Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da UNESP de Presidente Prudente (SP), e da pesquisa realizada para obtenção do título de Mestre em Geografia junto ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFGD (MS), escrevemos esse artigo cujo objetivo é apresentar um dos principais elementos em destaque no âmbito da expansão da agroindústria canavieira no Mato Grosso do Sul, qual seja, o domínio da terra e o conflito latente entre os proprietários/ produtores rurais e o capital agroindustrial personificado pelas empresas. Neste cenário, nos preocupamos em enfatizar o caráter monocultor da cana-de-açúcar, a qual avança pela paisagem sul-mato-grossense substituindo antigas áreas de pastagens/lavouras, promovendo a dependência dos ditos donos da terra e impondo o ritmo do agronegócio.

Palavras-chave


Proprietários rurais. Agroindústria. Domínio da terra. Monocultura. Mato Grosso do Sul.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.