FESTAS RELIGIOSAS, SANTUÁRIOS NATURAIS E VETORES DE LUGARES SIMBÓLICOS

Christian Dennys Monteiro de Oliveira

Resumo


O artigo desenvolve uma reflexão sobre a presença de festas religiosas na contemporaneidade, mostrando seus vínculos com os espaços naturais e metropolitanos. O texto corresponde a um ensaio de intenção metodológica e busca identificar, a partir de dois casos regionais representativos – os santuários de N.S da Abadia (Niquelândia-GO) e N. S. das Dores (Juazeiro do Norte-CE) – as forças de consolidação de um lugar simbólico para além da geografia das religiões. Após apresentar os modelos de santuários que a prática do turismo contemporâneo tem organizado neste e em outros centros religiosos brasileiros, o trabalho expõe uma metodologia capaz de operar três forças vetoriais (míticas, políticas e mediáticas). Com o relativo equilibro destas forças, o estudo geográfico das festas populares pode construir indicadores na valorização patrimonial dos lugares. O exemplo que finaliza essa relação aponta a importância de articulação dessas festas na gestão de patrimônios naturais.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5418/RA2011.0708.0007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.