Movimentos sociais no governo Bolsonaro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i29.12502

Palavras-chave:

movimentos sociais rurais, relações movimentos sociais e Estado, questão agrária, governo Bolsonaro

Resumo

O artigo se propõe a analisar os movimentos sociais rurais no Brasil num contexto adverso, marcado pelo fechamento do diálogo com o Estado. Inicia com rápidas anotações sobre o que a literatura especializada tem chamado de movimentos sociais, os limites das análises que não olham o processo interno das organizações e a forma como têm sido abordadas as relações entre movimentos sociais e Estado. Prossegue com uma reflexão sobre o comportamento e principais bandeiras das organizações que falam em nome dos trabalhadores do campo no Brasil nos últimos anos, de forma a caracterizar as relações possíveis entre o Estado, em suas diferentes faces, e as organizações e formas de ação coletiva que marcam a vitalidade da vida social. Na sequência, trata da relação entre movimentos sociais e Estado no governo Bolsonaro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonilde Servolo de Medeiros, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1971), Mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1983) e Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Professora associada IV no Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa, Documentação e Referência sobre Movimentos Sociais e Política Públicas no Campo, do CPDA/UFRRJ e membro do Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura da mesma instituição. Tem pesquisado, sob perspectiva sociológica, temas como: movimentos sociais rurais, políticas fundiárias, assentamentos rurais, dimensões políticas do agronegócio, relações entre direito e conflitos sociais rurais; resistência e organização dos trabalhadores rurais durante o regime militar (1964-1985). Pesquisadora nível 1C do CNPq. Contemplada pelo Programa Cientistas do Nosso Estado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) no período 2003-2008, 2010-2013 e 2015-2018. Secretária da Associação Latinoamericana de Sociologia Rural (Alasru) entre 2007-2010 e Presidente da Rede de Estudos Rurais entre 2010-2012.

Referências

ABERS, R.; VON BÜLOW, M.. Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre Estado e sociedade? Sociologias, vol. 13, n. 28, p. 52-84. Dez. 2011

ALENTEJANO, P. R. R. A Política Agrária do governo Temer: a pá de cal na agonizante reforma agrária brasileira? OKARA: Geografia em debate, v. 12, n. 2, p. 308-325. Maio 2018.

ALMEIDA, A. W. B.. Terras de quilombos, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PPGSCA-Ufam, 2006.

ANDRADE, M. P. Terra de índio. Identidade étnica e conflito em terras de uso comum. São Luis:UFMA, 1990.

ARAÚJO, M. L. C. Na margem do lago: um estudo sobre sindicalismo rural. Recife: Editora Massangana, Fundação Joaquim Nabuco, 1990.

AZEVEDO, F. A. As Ligas Camponesas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

BENEDETTI, A. “Quando se fala em terra”: a constituição de arena pública em torno da titulação de territórios quilombolas no Rio Grande do Sul. (Tese de Doutorado). Porto Alegre: PGDR/UFRGS, 2020.

BRITO, R. B. “Luta-se pela terra livre”: Resistência e luta pela terra em Cachoeiras de Macacu, Rio de Janeiro. (Dissertação de mestrado). Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ. 2018.

BRUNO, R. A. L.; MEDEIROS, L. S. Percentuais e causas de evasão nos assentamentos rurais. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário/ Incra, 2001.

CEFAÏ, D. Diez propuestas para el estudio de las movilizaciones colectivas. De la experiencia al compromisso. Revista de Sociología, Universidad de Chile, n. 26, p. 137-166. 2011. CPT. Balanço da Reforma Agrária 2019. Disponível in <https://www.cptnacional.org.br/publicacoes/

noticias/cpt/5039-balanco-da-reforma-agraria-2019>. Acesso em 15 de abril de 2020.

ECKERT, C. Movimento dos Agricultores sem Terra no Rio Grande do Sul. 1960-1964. (Dissertação de Mestrado). Seropédica: CPDA/UFRRJ, 1984.

FEITOSA, A. C. Embates invisíveis: as formas de resistência em Campinho da Independência, Paraty. In: MEDEIROS, L. S. (Org). Ditadura, conflito e repressão no campo. A resistência camponesa no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

FERREIRA, A. C. Tutela e resistência indígena. São Paulo: Edusp, 2013.

GERMANI, G. I. Expropriados terra e água: o conflito de Itaipu. Salvador: Edufba/Ulbra, 2003.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere, vol. 3. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2007.

MARTINS, J. S. A militarização da questão agrária no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1984.

MARTINS, J. S. O sujeito oculto. Porto Alegre; Editora da UFRGS, 2003.

MATTEI, L. A política agrária e os retrocessos do governo Temer. OKARA: Geografia em debate, v.12, n. 2, p. 293-307. Maio 2018.

MATTEI, L. Análise da produção acadêmica do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) entre 1996 e 2006. Estudos Sociedade e Agricultura (UFRRJ), v. 18, n. 1, p. 56-

Abril 2010.

MCADAM, D.; TARROW, S.; TILLY, C.Dynamics of contention. Cambridge, Cambridge University Press, 2001.

MEDEIROS, L. S. Movimentos sociais, disputas políticas e reforma agrária de mercado no Brasil. Seropédica: Editora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Unrisd, 2002.

MEDEIROS, L. S.. Trabalhadores do campo, luta pela terra e regime civil-militar. In PINHEIRO, M.Pinheiro (org). Ditadura, o que resta da transição. São Paulo, Boitempo, 2014.

MEDEIROS, L. S. Transformações nas áreas rurais, disputa por terra e conflitos sociais no estado do Rio de Janeiro (1946-1988). In: MEDEIROS, L. S. (Org). Ditadura, conflito e repressão no campo. A resistência camponesa no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

MEDEIROS, L. S. Impasses da luta pela terra e das possibilidades de reforma agrária nos governos FHC e Lula (1995-2010). In: COELHO, F.; CAMACHO, R. S. C. O campo no Brasil contemporâneo: do governo FHC aos governos petistas (Questão agrária e reforma agrária – vol. I). Curitiba: CRV Editora, 2018.

MELUCCI, A. A invenção do presente. Movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001.

PAULA, E. A. Seringueiros e Sindicatos: um povo da floresta em busca da liberdade. Rio Branco - AC: Nepan Editora, 2016.

PEREIRA, J. M. M. A política de reforma agrária de mercado do Banco Mundial: fundamentos, objetivos, contradições e perspectivas. São Paulo: Hucitec, 2010.

ROSA, M. C. Sem-Terra: os sentidos e as transformações de uma categoria de ação coletiva no Brasil. Lua Nova, São Paulo, 76, p. 197-227. 2009.

SCOTT, J. Domination and the Arts of Resistance. Hidden Transcripts. New Haven, London: Yale University Press, 1990.

SIGAUD, L. A luta de classes em dois atos: notas sobre um ciclo de greves camponesas. Dados, revista de Ciências Sociais. vol. 29, n. 3. 1986.

SIGAUD, L. As condições de possibilidade das ocupações de terra. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 17, n. 1, p. 255-280. Junho 2005.

STEIN, L. M. Trabalhismo, Círculos Operários e política. A construção do sindicato de trabalhadores agrícolas no Brasil (1954 a 1964). São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008.

TARROW, S. O poder em movimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

TEIXEIRA, M. A. Movimentos sociais, ações coletivas e reprodução social: a experiência da Contag (1963-2015). (Tese de Doutorado). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2018.

TILLY, C. Contentious performances. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

TILLY, C. Movimentos sociais como política. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 3, p. 133-160. Rio de Janeiro 2010.

Downloads

Publicado

02/12/2020

Como Citar

Medeiros, L. S. de. (2020). Movimentos sociais no governo Bolsonaro. Revista Da ANPEGE, 16(29), 490–521. https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i29.12502

Edição

Seção

Seção Temática - Geografias do Campo Brasileiro: A questão agraria na conjuntura