Caladores e homogeneizadores utilizados na amostragem de grãos em unidades armazenadoras

Osvaldo Resende, José Ronaldo Quirino, Elivânio Santos Rosa, Tiago Abreu de Souza, Carlos André Rodrigues Queiroz

Resumo


A amostragem e homogeneização de grãos, que envolve as ações de retirada de amostra, diluição e a confecção da amostra de trabalho, tem importância essencial na representatividade e na classificação do lote comercializado. As unidades armazenadoras devem utilizar métodos de amostragem que ofereçam segurança na coleta e na classificação do produto, gerando os descontos necessários e otimizando as operações unitárias do pré-processamento dos grãos. Os equipamentos homogeneizadores de grãos devem ser eficientes na uniformização e divisão da amostra, além de apresentar rapidez e baixo nível de ruídos durante a operação. Assim, o objetivou-se com o presente estudo detalhar os procedimentos e os equipamentos utilizados para amostragem, homogeneização e diluição (redução) de amostras de trabalho, na determinação da qualidade de grãos no recebimento e na expedição em unidades armazenadoras. Foram analisados os equipamentos para amostragem de grãos: sonda pneumática, calador composto manual 1,8 m de latão com três estágios; calador composto manual 2,1 m em alumínio com três estágios; calador composto manual 2,10 m de um estágio e amostrador tipo pelicano. Também foram descritos os homogeneizadores de grãos: Boerner, quarteador multicanais redutor 16:1 e quarteador multicanais redutor 4:1. Assim, as unidades armazenadoras devem utilizar métodos de amostragem que ofereçam segurança na coleta e na classificação do produto, gerando os descontos necessários e otimizando as operações unitárias do pré-processamento dos grãos. Os equipamentos homogeneizadores de grãos devem ser eficientes na uniformização e divisão da amostra, além de apresentar rapidez e baixo nível de ruídos durante a operação.


Palavras-chave


Amostra de trabalho. Amostragem de grãos. Caladores.

Texto completo:

PDF

Referências


AIDYN, C. Some engineering properties of peanut and kernel. Journal of Food Engineering, n. 79, n.3, p. 810-816, 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 29, de 8 de junho de 2011. Aprova os requisitos técnicos obrigatórios e recomendados para certificação de unidades armazenadoras. Diário Oficial da República Federativa do BRASIL, Brasília, 8 de jun. 2011a, nº 15, Seção 1, p. 12-32.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 54 de 24 de novembro de 2011. Aprova os requisitos, critérios e prazos para autorizar por meio de credenciamento as pessoas jurídicas de direito público ou privado a prestar ou executar serviços de classificação de produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico, com base nos Padrões Oficiais de Classificação, na forma desta Instrução Normativa. Diário Oficial da República Federativa do BRASIL, Brasília, 25 de nov. 2011b, Seção 1, p. 5-6.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 11, de 15 de maio de 2007. Estabelece o Regulamento Técnico da soja. Diário Oficial da República Federativa do BRASIL, Brasília, 16 mai. 2007, nº 93, Seção 1, p. 13-15.

CANADA. 2016. Canadian Grain Commission approved sample dividing equipment. Disponível em: http://www.grainscanada.gc.ca/quality-qualite/sg-eg-eng.htm. Acesso em 24 fev. 2016.

FAO. Food and Agriculture Organization. Manual of Goods Practices for the Feed Industry – Section 5 – Methods of Sampling and Analysis. p. 53-58, 2017. Acesso site: http://www.fao.org, abril 2017.

GLÓRIA, E.M. A qualidade de grãos da América Latina para exportação. In: SCUSSEL, V. M.; ROCHA, M. W. da; LORINI. I.; SABINO, M.; ROSA, C. A. da R.; CARVAJAL, M. M. (1 Ed.). Atualidades em micotoxinas e armazenagem qualitativa de grãos II. Florianópolis: Imprensa Universitária, 2008. cap. X, p.421-426.

ISO - International Organization for Standardization. Cereals and cereal products - Sampling. ISO 24333, First edition, Geneve, Switzerland, 2009. 36p.

PARIZZI, F.C. Classificação de produtos de origem vegetal. Lavras: UFLA/FAEPE, v.1, 1999. 61p.

PAULSEN, M.R.; WATSON, S.A.; SINGH, M. Measurement and maintenance of corn quality. In: WHITE, J.P.; JOHN. L.A. CORN: Chemistry and Technology. Minnesota: AACC, p. 159-219, 2007.

QUIRINO, J.R. Avaliação de equipamentos e preparo de amostras para a classificação de grãos de soja. 2017. Ano de Obtenção: 2017. 71 f. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias - Agronomia) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - Campus Rio Verde, 2017.

SENASA – Serviço Nacional de Sanidade y Calidad Agroalimentaria – RY 1075/94. Norma XXII, Muestreo em granos, 1994. Disponível em: http://www.recibidoresdegranos.org/repository/normativas/norma22-en-granos.pdf. Acesso em: 14/04/2017.

SIQUEIRA, V. C.; RESENDE, O.; CHAVES, T. H. Shape and size of jatropha beans (Jatropha curcas L.) during drying at different temperatures. Revista Ceres, v.60, n.6, p.820-825, 2013.

USDA – United State Department of Agriculture; grain inspection, packers and stockyards administration; federal grain inspection service. Grains Inspection handbook. Book II, chapter I, jul, 2013. Disponível em: http://www.gipsa.usda.gov/fgis/handbook/grain-insp/grbook2/general_info.pdf Acessado em 03 abril 2017.

USDA - UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE. Inspecting Grain-Practical Procedures for Grain Handlers. Washington, DC: USDA, 2009. 90p.

WHITAKER, T.B. Sampling granular foodstuffs for aflatoxin. Pure and Applied Chemistry, v.49, n.5024, p.1709-1717, Pergamom Press 1977.

WHITAKER, T.B.; WHITAKER, T.B.; SLATE, A.B.; DOKO, M.B.; MAESTRONI, B.M.; CANNAVAN. Sampling procedures to detect mycotoxins in agricultural commodities. New York: springer, 2011, 58p.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v13i50.8039

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.