DESEMPENHO FISIOLÓGICO DA SOJA COM REGULAÇÃO HÍDRICA POR MANITOL

Autores

  • Ivan Ricardo Carvalho Universidade Federal de Santa Maria
  • Velci Queiróz de Souza Universidade Federal de Santa Maria
  • Diego Nicolau Follmann Universidade Federal de Santa Maria
  • Maicon Nardino Universidade Federal de Pelotas
  • Denise Schmidt Universidade Federal de Santa Maria
  • Guilherme Pelissari Universidade Federal de Santa Maria
  • Diego Baretta Universidade Federal de Pelotas

Palavras-chave:

Glycine max L., Qualidade fisiológica, Potencial osmótico

Resumo

A semente é considerada o elemento de sustentação do sistema produtivo, responsável pela germinação e estande de plantas na lavoura, caracteriza influências quantitativas ao rendimento final da cultura. Portanto o objetivo de verificar as influências fisiológicas de diferentes níveis osmóticos através do uso de manitol em cultivares de soja. Estudo realizado em 2014 pelo Laboratório de Melhoramento Genético e Produção de Plantas da Universidade Federal de Santa Maria. O delineamento experimental utilizado foi blocos ao acaso organizado em esquema fatorial (7 x 4), sendo potenciais osmóticos x cultivares de soja, dispostos em oito repetições. Utilizou-se Manitol (C6H14O6) para submeter às sementes aos potenciais osmóticos de 0 MPa-1, -0,14MPa-1, -0,28 MPa-1, -0,42 MPa-1, -0,56 MPa-1, -0,70 MPa-1 e -0,84 MPa-1. Utilizaram-se quatro cultivares comerciais, sendo: FPS Paranapanema RR, FPS Solimões RR, BRS Tordilha RR e Fepagro 36 RR. A análise de variância revelou interação significativa entre potenciais osmóticos x cultivares de soja para as variáveis, primeira contagem de germinação, percentual de sementes germinadas, massa seca de plântulas, comprimento da radícula e hipocótilo. O aumento do potencial osmótico e estresse hídrico confere menor percentual de germinação na primeira contagem, menor percentual de sementes germinadas, menor massa seca de plântulas e comprimento de radícula e hipocótilo. As cultivares FPS Paranapanema RR, BRS Tordilha RR revelam maior tolerância ao déficit hídrico, confirmado pela maior germinação na primeira contagem de germinação e massa seca de plântulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

26/07/2017

Como Citar

Carvalho, I. R., Souza, V. Q. de, Follmann, D. N., Nardino, M., Schmidt, D., Pelissari, G., & Baretta, D. (2017). DESEMPENHO FISIOLÓGICO DA SOJA COM REGULAÇÃO HÍDRICA POR MANITOL. Agrarian, 9(31), 34–43. Recuperado de https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/agrarian/article/view/3398

Edição

Seção

Artigo - Fitotecnia

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)