O antijudaísmo no Portugal quinhentista: uma análise historiográfica sobre a conversão forçada e a inquisição

Astor Weber, Daniela Maria Nascimento

Resumo


O trabalho de pesquisa apresenta o estudo do antijudaísmo no Portugal quinhentista, no período entre a conversão forçada dos judeus ao cristianismo (1497) e a instauração da Inquisição (1536). São, então, nesse trabalho, analisadas as ações tomadas pelos governos de D. Manuel e de D. João III em relação à minoria de prática religiosa judaica. O entendimento se dá mediante a consulta a inúmeras fontes bibliográficas que discutem sobre o papel do Estado português na conversão judaica ao cristianismo. Ao correlacionar as várias discussões historiográficas encontradas nessas fontes foi possível observar que alguns autores afirmam que a intenção do governo português era a conversão sincera dos judeus ao cristianismo; para outros, no entanto, a intenção era a de tomar posse de seus bens; e, ainda, há os que afirmam que a intenção era a construção de uma nacionalidade portuguesa. Observa-se que não há consenso da historiografia sobre a intencionalidade do Estado português na conversão e instauração da Inquisição em Portugal. Assim, portanto, o antijudaísmo deve ser observado tanto como produto histórico quanto como produto historiográfico e as suas afirmações implicam eleições metodológicas e visões ideológicas.

Palavras-chave


Judeus. Cristianismo. Estado. Portugal.

Texto completo:

PDF


Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.