A estatística do crime no oitocentos por Francisco José Viveiros de Castro: dados do Brasil e do Rio de Janeiro

Adriana Gomes

Resumo


A partir da análise da fonte histórica Ensaio sobre a Estatística Criminal da República escrito pelo magistrado Francisco José Viveiros de Castro sob a solicitação do Chefe da Polícia do Distrito Federal Manuel Prisciliano de Oliveira Valladão traçamos a trajetória da estatística criminal do Brasil de 1865 a 1872 e do Rio de Janeiro de 1870 a 1888. A proposta de Viveiros de Castro foi organizar os dados dos crimes e dos criminosos para que intervenções pudessem ocorrer para a reversão do quadro. O juiz ao apresentar o seu trabalho nos evidenciou sua interpretação dos números sob a perspectiva da Nova Escola Penal.

Palavras-chave


História do Direito. Francisco José Viveiros de Castro. História do Crime. Estatística Criminal do século XIX. Nova Escola Penal.

Texto completo:

PDF HTML ePUB

Referências


ALVAREZ, Marcos César. Bacharéis, Criminologistas e Juristas: saber jurídico e Nova Escola Penal no Brasil. São Paulo: IBCCRIM, 2003.

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO BRASIL/IBGE-Rio de Janeiro, v. 56, 1996. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censohistorico/1872_1920.shtm. Acesso em: 21/05/2019.

AZEVEDO, Ana Luísa Vieira de; RICCIO, Vicente; RUEDIGER, Marco Aurélio. A utilização das estatísticas criminais no planejamento da ação policial: cultura e contexto organizacional como elementos centrais à sua compreensão. Revista Ciência da Informação. Brasília, DF, v. 40, n. 1, p. 9-21, jan/abr, 2011.

BRETAS, Marcos Luiz. Guerra das Ruas: povo e polícia na cidade do Rio de Janeiro (1889-1907). Rio de Janeiro: Gramma, 2018.

BRUNO, Aníbal. Direito Penal. Rio de Janeiro: Forense, Tomo I, 1984.

CASTRO, Francisco José Viveiros. Ensaio sobre a Estatística Criminal da República. Rio de Janeiro: Typografia Leuzinger, 1894.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. São Paulo: Editora Unicamp, 2001.

COLEÇÃO DE LEIS DO BRASIL. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824- 1899/decreto-3572-30-dezembro-1865-554970-publicacaooriginal-73983-pe.html. Acesso em: 8 de abril de 2019.

COLEÇÃO DE LEIS DO BRASIL. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824- 1899/decreto-7001-17-agosto-1878-547904-publicacaooriginal-62801-pe.html. Acesso em: 15 de abril de 2019.

COLEÇÃO DE LEIS DO BRASIL. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824- 1899/decreto-8375-14-janeiro-1882-544908-publicacaooriginal-56589-pe.html. Acesso em: 19 de abril de 2019.

DORIA, Epifânio. Centenário de nascimento do General Manuel Prisciliano de Oliveira Valadão. Aracaju: IHGB de Sergipe, 1949.

FAUSTO, Boris. Crime e Cotidiano: a criminalidade em São Paulo (1880-1924). São Paulo: Brasiliense, 1984.

FERRI. Enrico. Sociologia Criminal. Sorocaba: Minelli, 2006a.

FERRI. Enrico. Delinquente e Responsabilidade Penal. São Paulo: Rideel, 2006b.

GAROFALO, Raffaele. Criminologia. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1916.

GOMES, Adriana. Um ‘crime indígena’ ante as normas e o ordenamento jurídico brasileiro: a criminalização do espiritismo e o saber jurídico na Nova Escola Penal de Francisco José Viveiros de Castro (1880-1900). Tese de Doutoramento. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2017.

HOLLOWAY, Thomas H. Polícia no Rio de Janeiro: Repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: FGV Editora, 1997.

IBGE/CENSO DEMOGRÁFICO. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=6. Acesso em: 16/06/2019.

LIMA, Renato Sérgio. A produção da Opacidade: estatísticas criminais e segurança pública no Brasil. Revista Novos Estudos, ed. 80, março 2008, p. 65-69.

LOBO, Eulalia Maria Lameyer. História do Rio de Janeiro (do capital comercial ao capital industrial e financeiro. Rio de Janeiro: IBMEC, 1978.

LOMBROSO, Cesare. O Homem Delinquente. São Paulo: Ícone, 2010.

MOMESSO, Beatriz Piva. O conceito de cidadania nos escritos de Nabuco de Araújo (1843- 1876): notas de pesquisa Anais do XXVI Simpósio Nacional de História –ANPUH. São Paulo, julho 2011, p. 1-11.

PENTEADO FILHO. Manual esquemático de criminologia. Imprenta: São Paulo, Saraiva, 2015.

PEREIRA, Lafayette Rodrigues. Direitos de Família. Ed. fac-sim. Brasília: Senado Federal, Superior Tribunal de Justiça, 2004.

RENNEVILLE, Marc. Alexandre Lacassagne: Un médecin anthropologue face à la criminalité (1843-1924). Gradhiva: revue d’histoire et d’archives de l’anthropologie, Musée du quai Branly, 1995, p. 247-268.

SCHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SEVCENKO, Nicolau. A literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1983.

TARDE, Gabriel. La Criminalité Comparée. Paris: Félix Alcan, 1886.

TAVARES, Oswaldo Hamilton. A Escola Positiva e sua influência na Legislação Penal Brasileira. In: Revista Justitia. São Paulo, n. 77, 1970.




DOI: https://doi.org/10.30612/frh.v22i39.12575

Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.